22/09/2017 às 09h17min - Atualizada em 22/09/2017 às 09h17min

Artigo sobre Raul Seixas

WALDEMAR PEDRO ANTÔNIO

Cantinho  Musical   apresenta  alguns  motivos  para  justificar  o  homenageado  neste  artigo  :  primeiro  por que  estamos  respirando  um  clima  musical  no  “  Rock  in Rio  “ ,  depois  por  que  foi considerado um dos maiores músicos brasileiros, com grande número de admiradores  e  que  nos  deixou  inúmeras  canções compostas por  um    “ Maluco  Beleza “ :  “ RAUL   SEIXAS  “ .
                                “  Quem não tem colírio usa óculos escuros
                                 Quem não tem filé come pão e osso duro
                                 Quem não tem visão bate a cara contra o muro “


      Raul Santos Seixas  nasceu em Salvador, Bahia, no dia 28 de junho de 1945.  Faleceu no dia 21 de agosto de 1989, com apenas 44 anos, vítima de pancreatite aguda. Desde a adolescência, ficou impressionado com o fenômeno do Rock and Roll,  Foi ainda na infância que Raul começou a ter contato com o rock, estilo que também vivia sua infância, dando os primeiros passos desajeitados com  Elvis Presley. Entre o mar de fãs de Elvis estava o menino baiano, que desde cedo mostrava divergências com os padrões sociais, enfrentando a família não como desrespeito, mas para traçar o próprio  destino .  O novo estilo musical chegava timidamente ao país. Ainda desconhecido e primando sempre pela liberdade, contestação e questionamento, o rock se encaixou perfeitamente à personalidade intempestiva de Raul, que desde sua primeira banda, Raulzito e os Panteras, contribuiu decisivamente para o desenvolvimento de um rock brasileiro, misturando elementos nacionais, mas sem perder as influências internacionais.

   Passemos agora a demonstrar algumas composições desse“ Maluco Beleza”,que,  embora  não  mais  estando  junto  ao  seu  fã  clube ,  se  eternizou  através  de  suas  canções .

  
  Iniciaremos   a  exposição  de  suas  obras  com  a  música  que  rotula  verdadeiramente a recusa em  viver dentro desse padrão de lucidez que a sociedade impõe . Vou ficar maluco beleza com toda certeza leve e  lúcido , mas não vou mergulhar nesse mundo de ilusão  do regime militar de opressão.  Toda  essa  loucura expressa  em                       “  MALUCO  BELEZA  “ .  [ “ / Enquanto você / Se esforça pra ser / Um sujeito normal / E fazer tudo igual / Eu do meu lado / Aprendendo a ser louco / Um maluco total / Na loucura real / Controlando / A minha maluquez / Misturada / Com minha lucidez / Vou ficar / Ficar com certeza / Maluco beleza / Eu vou ficar / Ficar com certeza / Maluco beleza / E esse caminho / Que eu mesmo escolhi / É tão fácil seguir / Por não ter onde ir / Controlando / A minha maluquez / Misturada / Com minha lucidez /..... ( BIS ) / . “  ]  .

Nesta  canção,  Raul  Seixas , enigmaticamente , narra  a  história  da  humanidade  onde  os  fatos  manifestados  representam  registros  passados  de  geração  para  geração . O sentido original dessa letra se passa totalmente despercebido por sua mente . Como  o simbolismo  poético  expresso  na  canção permite  um  vôo  pelas  etapas  históricas  através  do tempo , cabe  a  cada  um  perfurar  as  metáforas   e identificar as  figuras  em  “  EU  NASCI  HÁ  DEZ  MIL  ANOS  ATRÁS  “  [ “ / Um dia, numa rua da cidade, eu vi um velhinho sentado na calçada / Com uma cuia de esmola e uma viola na mão / O povo parou para ouvir, ele agradeceu as moedas / E cantou essa música, que contava uma história / Que era mais ou menos assim: / Eu nasci há dez mil anos atrás / e não tem nada nesse mundo que eu não saiba de mais (2x) / Eu vi Cristo ser crucificado / O amor nascer e ser assassinado / Eu vi as bruxas pegando fogo para pagarem seus pecados, / Eu vi, / Eu vi Moisés cruzar o mar vermelho / Vi Maomé cair na terra de joelhos / Eu vi Pedro negar Cristo por três vezes diante do espelho / Eu vi, / Eu nasci ..../ REFRÃO (2x) / Eu vi / as velas se acenderem para o Papa / Vi Babilônia ser riscada do mapa / Vi conde Drácula sugando o sangue novo / e se escondendo atrás da capa / Eu vi, / Eu vi a arca de Noé cruzar os mares / Vi Salomão cantar seus salmos pelos ares / Eu vi Zumbi fugir com os negros para floresta / pro quilombo dos palmares / Eu vi, / Eu nasci ..../ REFRÃO (2x) / Eu vi o sangue que corria da montanha / quando Hitler chamou toda a Alemanha / Vi o soldado que sonhava com a amada numa cama de campanha / Eu li, / Eu li os símbolos sagrados de Umbanda / Eu fui criança para poder dançar ciranda / E, quando todos paraguejavam contra o frio, / eu fiz a cama na varanda / Eu nasci ..../ REFRÃO (2x) / Eu tava junto com os macacos na caverna / Eu bebi vinho com as mulheres na taverna / E quando a pedra despencou da ribanceira / Eu também quebrei a perna / Eu também, / Eu fui testemunha do amor de Rapunzel / Eu vi a estrela de Davi brilhar no céu / E para aquele que provar que eu tou mentindo / eu tiro o meu chapéu / Eu nasci ..../ REFRÃO (2x) / . “  ]  . 


O  eixo  semântico  desta  canção  é  uma  crítica  musical  oposta  que  resulta  do  seguinte  fato :  Para  que as possíveis mensagens contrárias ao governo não se tornasse públicas ou influenciasse  comportamentos considerados “subversivos” pelos militares , foram tomadas medidas de estratégia psicossocial, conhecidas como “Operação Limpeza”  que restringia totalmente o ato de se expressar livremente .  Os  objetivos eram impedir a instalação do comunismo no Brasil e a recuperação econômico-financeira do país.  Diante  desse  quadro ,  Raul  Seixas  ,  em  uma  irreverência  política ,  cria  a  canção  como  uma  resistência  em  ar  de  deboche ,  expressando  algo  que  incomoda  :  “  MOSCA  NA  SOPA  “  .   [ “ / Eu sou a mosca que pousou em sua sopa / Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar / Eu sou a mosca que pousou em sua sopa / Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar / Eu sou a mosca que pousou em sua sopa / Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar / Eu sou a mosca que perturba o seu sono / Eu sou a mosca no seu quarto a zumbizar / Eu sou a mosca que perturba o seu sono / Eu sou a mosca no seu quarto a zumbizar / E não adianta vir me dedetizar / Pois nem o DDT pode assim me exterminar / Porque você mata uma e vem outra em meu lugar / Eu sou a mosca que pousou em sua sopa .......  /  ( BIS ) /  Observando e abusando / Olha do outro lado agora / Eu tô sempre junto de você / Água mole em pedra dura / Tanto bate até que fura / Quem, quem é? / A mosca, meu irmão / Eu sou a mosca que pousou em sua sopa ....  (  7 X )  /  . “  ]  . 

Nesta  canção ,  Raul  Seixas  quer mostrar que a verdade tem mil faces. O que é certo pode estar errado e vice-versa. O que dá certo hoje, não necessariamente dará certo amanhã. Ele  sempre seguiu sua intuição e tentou passar isso para as pessoas. A letra é complexa e chega até a  ser louca, pois ele muda de opinião várias vezes conforme a música vai passando. Sendo assim conseguiu mostrar as mudanças que acontecem na opinião das pessoas em apenas uma letra que  permite várias  interpretações   :  “  METAMORFOSE  AMBULANTE  “ .  [ “ / Eu prefiro ser / Essa metamorfose ambulante / Eu prefiro ser / Essa metamorfose ambulante / Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo / Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo / Eu quero dizer / Agora o oposto do que eu disse antes / Eu prefiro ser / Essa metamorfose ambulante / Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo / (BIS) / Sobre o que eu nem sei quem sou / Se hoje eu sou estrela / Amanhã já se apagou / Se hoje eu te odeio / Amanhã lhe tenho amor / Lhe tenho amor / Lhe tenho horror / Lhe faço amor / Eu sou um ator / É chato chegar / A um objetivo num instante  / Eu quero viver / Nessa metamorfose ambulante / Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo / (BIS) / Sobre o que é o amor / Sobre o que eu nem sei quem sou / Se hoje eu sou estrela / Amanhã já se apagou / Se hoje eu te odeio Amanhã lhe tenho amor / Lhe tenho amor / Lhe tenho horror / Lhe faço amor / Eu sou um ator / Eu vou desdizer / Aquilo tudo que eu lhe disse antes / Eu prefiro ser / Essa metamorfose ambulante / Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo /  ( 5 X )  / . “  ]  .

Esta  canção  ainda  perpetuada  na  memória ,  foi  o  canto  de  um  programa  infantil  da  Rede  Globo  cujo  nome era                  “  BALÃO  MÁGICO “ .  Raul  Seixas  faz  pesada crítica à burocracia do governo que teima em selar, registrar, carimbar, avaliar, rotular, adiando e atrapalhando todo tipo de atividade.  Uma música absolutamente crítica  à opressão realizada pelo governo brasileiro da época   :   “   O   CARIMBADOR  MALUCO  “  .  [ “ /  Cinco, quatro, três, dois... / Parem, esperem aí. (texto) / Onde é que vocês pensam que vão? / Han han / Pluct, Plact, Zummm / Não vai a lugar nenhum / Pluct, Plact, Zummm / Não vai a lugar nenhum / Tem que ser selado, registrado, carimbado / Avaliado e rotulado se quiser voar!!  / Se quiser voar / Pra lua, a taxa é alta / Pro sol, identidade, / Mas já pro seu foguete viajar pelo universo / É preciso o meu carimbo dando, sim sim sim sim / Pluct, Plact, Zummm / Não vai a lugar nenhum / Pluct, Plact, Zummm / Não vai a lugar nenhum / Tem que ser selado, registrado, carimbado / Avaliado e rotulado se quiser voar!!  / Se quiser voar / Pra lua, a taxa é alta / Pro sol, identidade, / Mas já pro seu foguete viajar pelo universo / É preciso o meu carimbo dando, sim sim sim sim / Pluct, Plact, Zummm / (BIS) / Mas ora, vejam só, já estou gostando de vocês / Aventura como esta eu nunca experimentei / O que eu queria mesmo era ir com vocês / Mas já que eu não posso, boa viagem! / E até outra vez! / O Plunct, Plact, Zummm / Pode partir sem problema algum / O Plunct, Plact, Zummm / Pode partir sem problema algum / Boa viagem / O Plunct, Plact, Zummm / Pode partir sem problema algum / (BIS) / Boa viagem meninos / Boa viagem / . “  ]  . 

Conta  a  história  desta  canção  que  Raul Seixas lia um dos textos sagrados da cultura Védica (originaria da Ásia menor) o “Bhagavad-Gitã”, um guru do hinduísmo, religião indiana. No texto um guerreiro, Arjuna, interroga Krishna sobre o seu significado . Krishna responde com frases como: "Entre as estrelas sou a lua... entre os animais selvagens sou o leão... dos peixes eu sou o tubarão.... de todas as criações eu sou o início e também o fim e também o meio... das letras eu sou a letra A... eu sou a morte que tudo devora e o gerador de todas as coisas ainda por existir... sou o jogo de azar dos enganadores..." Raul então adormeceu com a ideia na cabeça e quando acordou começou a escrever a letra, que foi composta por ele (Raul) e Paulo Coelho :        “  GITA  “  .  [ “ /  "Eu que já andei pelos quatro cantos do mundo procurando, / foi justamente num sonho que Ele me falou" / Às vezes você me pergunta / Por que é que eu sou tão calado / Não falo de amor quase nada / Nem fico sorrindo ao teu lado / Você pensa em mim toda hora / Me come, me cospe, me deixa / Talvez você não entenda / Mas hoje eu vou lhe mostrar / Eu sou a luz das estrelas / Eu sou a cor do luar / Eu sou as coisas da vida / Eu sou o medo de amar / Eu sou o medo do fraco / A força da imaginação / O blefe do jogador / Eu sou, eu fui, eu vou / Gita gita gita gita gita / Eu sou o seu sacrifício / A placa de contra-mão / O sangue no olhar do vampiro / E as juras de maldição / Eu sou a vela que acende / Eu sou a luz que se apaga / Eu sou a beira do abismo  / Eu sou o tudo e o nada / Por que você me pergunta / Perguntas não vão lhe mostrar / Que eu sou feito da terra / Do fogo, da água e do ar / Você me tem todo dia / Mas não sabe se é bom ou ruim / Mas saiba que eu estou em você / Mas você não está em mim / Das telhas eu sou o telhado / A pesca do pescador / A letra A tem meu nome / Dos sonhos eu sou o amor / Eu sou a dona de casa / Nos pegue-pagues do mundo / Eu sou a mão do carrasco / Sou raso, largo, profundo / Gita gita gita gita gita / Eu sou a mosca da sopa / E o dente do tubarão / Eu sou os olhos do cego / E a cegueira da visão / Mas eu sou o amargo da língua / A mãe, o pai e o avô / O filho que ainda não veio / O início, o fim e o meio (2x) / Eu sou o início, o fim e o meio (3x) / . “  ]  .     

Esta  canção  é  uma  expressão  daquilo  que  parece  ser  inofensivo  usando  apetrechos  identificados  com  o  velho  oeste .  Envolve  uma  série  delirante  de  metáforas  sobre  vários  heróis  reunidos  como  personagens  dentro  da  canção . Ao  escolher  o  tema  velho  oeste  como  pretexto para  ambiente  da  nossa  política ,  estaria  Raul  pintando  , alegoricamente , um  quadro  onde  não  há  solução   para   tal  fato ?   “   CAWBOY  FORA  DA  LEI  “  .        [ “ / Mamãe, não quero ser  prefeito / Pode ser que eu seja eleito / E alguém pode querer me assassinar / Eu não preciso ler jornais / Mentir sozinho eu sou capaz / Não quero ir de encontro ao azar / Papai não quero provar nada / Eu já servi à Pátria amada / E todo mundo cobra minha luz / Oh, coitado, foi tão cedo / Deus me livre, eu tenho medo / Morrer dependurado numa cruz / Eu não sou besta pra tirar onda de herói / Sou vacinado, eu sou cowboy / Cowboy fora da lei / Durango Kid só existe no gibi / E quem quiser que fique aqui / Entrar pra história é com vocês / . “  ]  .

Há  períodos em nossas vidas  pelos  quais  passamos  grandes dificuldades  com  muita  dor  e  sofrimento . Raul  Seixas  expressa  nesta  canção  uma  bela  mensagem , estimulando  a  não  desistência  diante  das  situações  adversas . Este mundo onde habitamos  hoje  é uma escola onde aprendemos a lidar com nossas  próprias limitações e dificuldades e também a compreender e  agir positivamente frente aos obstáculos impostos constantemente  pela vida , por  isso ,      “  TENTE  OUTRA  VEZ  “  .  [ “ / Veja / Não diga que a canção está perdida / Tenha fé em Deus, tenha fé na vida / Tente outra vez / Beba / Pois a água viva ainda está na fonte / Você tem dois pés para cruzar a ponte / Nada acabou, não não não não / Tente / Levante sua mão sedenta e recomece a andar / Não pense que a cabeça agüenta se você parar,  / não não não não / Há uma voz que canta,  / uma voz que dança,  / uma voz que gira / Bailando no ar / Queira / Basta ser sincero e desejar profundo / Você será capaz de sacudir o mundo, vai / Tente outra vez / Tente / E não diga que a vitória está perdida / Se é de batalhas que se vive a vida / Tente outra vez / . “  ]  .  

Nota-se  perfeitamente  que  a  letra  da  música  possibilita  várias  leituras  por  se  tratar  de  um  texto  literário, poético . Raul  Seixas   pretende  colocar   simbolicamente  no  objeto  SAPATO  uma  série  de  visões  sobre  o  tema da  canção . Fala  a  respeito  do  conflito  de  gerações  entre  pais  e  filhos  com  perspectiva  de  mundos  diferentes  . Analogicamente  ,  deixa  transparecer  uma  leitura  em  que  o  pai  é o  ditador , e o  filho  o  revolucionário ,   construindo  , metaforicamente ,   alusão  ao  regime  militar ,  utilizando  como  pretexto   :     “  SAPATO   36  “  .  [ “ / Eu calço é 37 / Meu pai me dá 36 / Dói, mas no dia seguinte / Aperto meu pé outra vez / Eu aperto meu pé outra vez / Pai eu já tô crescidinho / Pague pra ver, que eu aposto / Vou escolher meu sapato / E andar do jeito que eu gosto / E andar do jeito que eu gosto / Por que cargas d'água / Você acha que tem o direito / De afogar tudo aquilo que eu / Sinto em meu peito / Você só vai ter o respeito que quer / Na realidade / No dia em que você souber respeitar / A minha vontade / Meu pai / Meu pai / Pai já tô indo-me embora / Quero partir sem brigar / Pois eu já / escolhi meu sapato / Que não vai mais me apertar / Que não vai mais me apertar / Que não vai mais me apertar /  ( BIS )  / . “  ]  . 

Encerrando  algumas  destas  amostras maravilhosas  do  nosso  inesquecível  “  Maluco  Beleza “ ,  esperamos  ter  agradado com a  triagem  feita  em  seu cancioneiro .   Raul  Seixas , com sua enorme inteligência e criatividade, compôs uma música  com  tom  profético , dizendo  que  teríamos um mundo melhor do que aquele no qual ele viveu.  Enfim, o que se conclui a partir da leitura da canção é que a geração dos anos 70 tinha ânsia  de  mudança,  mas que, no entanto,  apenas  a  idéia  de mudar figurava  em suas mentes. Afinal,  ainda  tinha  a  velocidade  da  luz  para  representação  dos  jovens  na :  “  GERAÇÃO  DA  LUZ  “ .  [ “ /  Eu já ultrapassei a barreira do som / Fiz o que pude às vezes fora do tom / Mas a semente que eu ajudei a plantar já nasceu!! / Eu vou, eu vou m'embora apostando em vocês / Meu testamento deixou minha lucidez / Vocês vão ter um mundo bem melhor que o meu!! / Quando algum profeta vier lhe contar / Que o nosso sol tá prestes a se apagar / Mesmo que pareça que não há mais lugar / Vocês ainda têm, vocês ainda  têm / A velocidade da luz pra alcançar / Vocês ainda  têm, vocês ainda têm / A velocidade da luz pra alcançar / Além, depois dos velhos preconceitos morais / Dos calabouços, bruxas e temporais / Onde o passado transcendeu há um reinado de paz!! / Vocês serão o oposto dessa estupidez / Aventurando tentar outra vez / A geração da luz é a esperança no ar!! / Quando algum profeta vier lhe contar / Que o nosso sol tá prestes a se apagar / Mesmo que pareça que não há mais lugar / Vocês ainda têm, vocês ainda têm / A velocidade da luz pra alcançar / Vocês ainda  têm, vocês ainda têm / A velocidade da luz pra alcançar / . “  ] 
         
     O  Cantinho   Musical  espera  que  a  pequena   demonstração  das  canções   de  Raul  Seixas  tenha  agradado  parte  dos  ouvintes  e  seguidores  fiéis  às  suas  criações  musicais .
 
       “  A  PERFEITA  E  NECESSÁRIA  CARACTERIZAÇÃO  ARTÍSTICA  ESTÁ  NA  IRREVERÊNCIA  E  NA  AUDÁCIA  DO  CRIADOR  DIANTE  DE  SUA  CRIAÇÃO  .  A  MÚSICA  COMO  MANIFESTAÇÃO  DA  ARTE  APRESENTA  DOIS  ASPECTOS  CARACTERIZADORES  :  NA  MELODIA  E  NA  FORMA  POÉTICA  DE SE  EXPRESSAR .  RAUL  SEIXAS  FEZ  DE  SUAS  COMPOSIÇÕES   O  VERDADEIRO  MENSAGEIRO  DE  SEUS  PROTESTOS  QUANTO  ÀS  DISTORÇÕES  SOCIAIS  E  POLÍTICAS , RAZÃO  POR QUE  É  IDOLATRADO  PELO  MUNDO  DOS  CONTESTADORES   !  “
 
 Waldemar  Pedro  Antonio       e-mail :  [email protected]

Link
Tags »
Artigo sobre Raul Seixas
Relacionadas »
Comentários »