21/02/2017 às 19h17min - Atualizada em 21/02/2017 às 19h17min

Nova diretoria do E.C.Ribeiro Junqueira vai priorizar o futebol de base

Bené Guedes assume presidência do clube ao lado de Cristiano Fófano. Confira a entrevista

João Gabriel B. Meneghite


O Presidente do Conselho Deliberativo do E. C. Ribeiro Junqueira, Paulo Sérgio Furtado, assinou edital convocando os membros beneméritos e efetivos do Conselho para uma reunião extraordinária no dia 20 de fevereiro, com o objetivo de eleger e empossar o presidente e o vice-presidente administrativo do clube para complementação do triênio 2016/2018. O edital foi publicado na edição nº 324, de 1º de fevereiro de 2016, do Jornal Leopoldinense.
Os conselheiros José Antônio Hipólito Vargas e Paulo Sérgio Furtado deram posse a nova diretoria. 
A reunião foi realizada no Estádio Guanayro Fraga Mota, sede do clube, com presenças de conselheiros do RJ, ex-jogadores, torcedores e autoridades do Poder Executivo, como o vice-prefeito Márcio Henrique Alvarenga Pimentel e o Secretário de Esportes Edvaldo Franquido Donato do Vale.  Também esteve presente Iran Jacob, representando o Deputado Estadual Dirceu Ribeiro, além de familiares e amigos dos empossados.

Cristiano Fófano e Bené Guedes
O vice-presidente Cristiano Fófano comentou sobre a responsabilidade de trabalhar num clube como o E.C.Ribeiro Junqueira e informou que estará acumulando a vice-presidência o cargo de diretor de marketing com a missão de fortalecer a marca E.C. Ribeiro Junqueira, em busca de parcerias sólidas que possam render frutos ao clube.

O novo presidente Bené Guedes é ex-jogador do rubro negro. Conquistou títulos importantes ao lado de Othon Valentim e outros jogadores do futebol regional.  Foi presidente do RJ de 1986 a 1989 e, agora, retorna à direção do clube após longa carreira política, na qual exerceu o mandato de vereador do município de Leopoldina, deputado estadual durante quatro mandatos e prefeito da cidade onde vive desde sua infância.
Iran Jacob, Bené, Marcinho e Pedro Antônio.
Serginho França, Bené Guedes, Cristiano Fófano, Marcinho Pimentel, Edvaldo e Pedro Antônio.
Othon Valentim, Caial, Bené e Paulinho


Confira a entrevista.


Conte um pouco sobre a sua ligação com o E.C. Ribeiro Junqueira.

A minha identificação com o Ribeiro Junqueira iniciou desde a fase de criança, quando assistia os jogos no então Estádio da Linha Férrea, onde aconteciam grandes apresentações dos craques da época. A torcida era muito presente e, convivendo naquele meio, passei a gostar de futebol. A partir daí, sempre acompanhei o clube, desde momentos grandiosos e difíceis, algo marcante na minha vida.

Recordo da presença do RJ no Maracanã, em 1957, onde o clube jogava um amistoso que antecedeu a partida oficial entre Brasil e Peru, dentro dos preparativos para a Copa do Mundo na Suécia. O estádio lotado, com mais de 200 mil torcedores, que vibravam com o futebol do rubro negro leopoldinense. Os gritos da torcida ficaram marcados, foi algo magnífico e histórico.

Quais são as prioridades de sua gestão?

A prioridade são os jovens, sobretudo as categorias de base. Nós temos ao nosso lado o professor Othon Valentim, que vai ensinar a esses jovens a jogar futebol. Dar condições técnicas necessária para eles. A escolinha continuará sob o comando dos técnicos Caio Conte e Antônio Valentim - um trabalho que já vem dando certo, não tem que mexer. O Luiz do Couto será o nosso diretor de futebol e atuará ao lado do Othon, Caial e toda equipe que será formada. É um prazer ter o Othon conosco, pois é uma referência internacional no futebol. Neste ponto, o Ribeiro Junqueira é rico, pois tem um treinador conhecido em todo o Brasil e, portanto, essa volta dele para Leopoldina, ocorre por desígnio de Deus. Nós começamos nossa história aqui e queremos encerrar por aqui!

Como ficará o futebol do Ribeiro Junqueira?

No momento, o Ribeiro Junqueira não pode sonhar com o futebol profissional. Nós temos que preparar a base para os próximos cinco anos, que envolve garotos de 15, 17 e até 20 anos. Atualmente, na região, temos clubes em condições de disputar um torneio quadrangular pela Federação Mineira de Futebol, que é o Tupynambás de Juiz de Fora, Nacional de Muriaé e o Tombense, de Tombos. Fiz uma consulta na Federação e vamos receber todos os dados para estudar a viabilidade de trazer uma das chaves da Taça BH de Futebol Juniores para Leopoldina e região, assim como fizemos em 2001, período no qual era deputado e consegui trazer uma chave deste torneio para cá. Os tempos são outros, as coisas estão mais difíceis do que naquela época. Então, o Ribeiro Junqueira quer disputar esse torneio, se possível, ainda neste ano. Vamos persistir na busca por uma vaga da Copa São Paulo de Futebol Juniores para o ano de 2018. Vamos contatar a CBF e também contando com o apoio da Federação Mineira de Futebol, cujo presidente é o Castellar Modesto Guimarães Neto, que tem raízes em Leopoldina.

Qual o perfil da equipe de trabalho no seu mandato?

Nós vamos nos reunir para delinear a nossa equipe de trabalho. Como vice-presidente, temos ao nosso lado o Cristiano Fófano, jovem talentoso que atuará estrategicamente no planejamento e execução do Marketing, sobretudo o digital. Também vamos reservar um espaço para estreitar o relacionamento com a imprensa.

O Luiz do Couto será o nosso diretor de futebol. Ele é um batalhador, um ‘carregador de piano’, como se diz na gíria futebolística. Teremos uma assistência importante do Caial, que trabalhará em conjunto com o Othon Valentim. Então, nessa parte eles se entendem, eles falam a mesma língua.

A parte de finanças ficará a cargo do José Antônio Hipólito Vargas, o nosso querido Tonico, que dispensa comentários, pela seriedade, postura correta, e pelo que ele gosta do clube.

Nós temos um orçamento que será cumprido religiosamente, vamos estabelecer dias de pagamento. Não podemos ficar tratando de qualquer forma as questões. A parte contábil ficará com o Assis, da Result Contabilidade. Ele vai fazer isso para nós, conversei com ele.  É uma pessoa da mais alta qualidade, tem grande experiência no setor e quer ajudar o RJ a formatar um plano do 'Sócio Torcedor'. Temos de aproximar a torcida, movimentar o estádio e criar situações de lazer e entretenimento. Vamos trabalhar com uma ‘charanga’ sob o comando do Marron, para animar a torcida, pois futebol, tem que ter música e foguetes.

Qual a mensagem que o senhor deixa para o torcedor?

A minha mensagem é de esperança, de acreditar na força do nosso povo. Que eles entendam a nossa situação, que façam as críticas necessárias e construtivas, são sempre bem-vindas. Peço que ajudem e incentivem esses garotos a serem formados aqui dentro do Ribeiro Junqueira. Havendo incentivos, criamos condições de carinho com aqueles que vão desempenhar um papel muito importante, mostrando um bom futebol, criando um vínculo com seus familiares, trazendo os seus pais para perto de nós para acompanhar os treinamentos e seriedade do trabalho. O Ribeiro Junqueira tem que ser uma extensão da casa deles, receptiva e bem cuidada.

Estamos recebendo o apoio da Prefeitura na manutenção e limpeza do Estádio Guanayro Fraga Mota. Isso é muito importante, facilita o nosso trabalho. Tive uma excelente notícia através do Edvaldo Franquido Donato do Vale, Secretário de Esportes de Leopoldina, que informou que a prefeitura está tentando comprar um ônibus para transportar os nossos jovens atletas. Acho que esse entendimento vai dar frutos. Temos que puxar para o mesmo lado e não entrar em rota de colisão. 

Link
Tags »
Nova diretoria do E.C.Ribeiro Junqueira vai priorizar o futebol de base
Notícias Relacionadas »
Comentários »