15/03/2017 às 14h09min - Atualizada em 15/03/2017 às 14h09min

Em Leopoldina também houve manifestação contra a Reforma da Previdência

O movimento foi abraçado por servidores da educação, bancários, profissionais liberais, estudantes e demais segmentos da sociedade.

Hoje, 15 de março, foi definido como o Dia Nacional de Paralisação, com protestos em todo país contra a Reforma da Previdência (PEC 287), organizado pela CUT e demais centrais sindicais. A agenda faz parte da articulação nacional da educação definida no Congresso da CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. Em vários outros estados também aconteceram assembléias da educação seguidos de atos públicos. 

Em Leopoldina o movimento foi abraçado por servidores da educação, bancários, profissionais liberais, estudantes e demais segmentos da sociedade. Houve paralisação parcial nas escolas das redes estadual e municipal. Ao meio dia os manifestantes fizeram uma concentração na Praça Professor Botelho Reis, em frente ao Ginásio Leopoldinense, seguindo em caminhada pela Rua Barão de Cotegipe, principal via do comércio local de Leopoldina, até chegar ao centro. Faixas, cartazes e gritos de ordem contra a Proposta de Emenda à Constituição que atinge diretamente o trabalhador demonstravam indignação com o governo de Michel Temer.

Segundo professores que estiveram presentes na manifestação, representantes do SINDUTE de Leopoldina estão reunidos no município de São João Del Rey e trarão novidades sobre a assembléia que pode definir uma série de ações protestantes, incluindo a pauta greve.





Com informações do SINDUTE - Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »