01/08/2016 às 07h30min - Atualizada em 01/08/2016 às 07h30min

Leitores revelam divisão de opiniões sobre construção de presídio em Leopoldina

No infográfico os números mostram quase um empate entre favoráveis e contrários. Veja as opiniões compiladas do facebook.

Luiz Otávio Meneghite

Há alguns dias publicamos uma matéria no Jornal Leopoldinense Online, dando conta de que um parlamentar federal teria sido acionado por correligionários de Leopoldina, com o objetivo de pleitear o aproveitamento das instalações do antigo Centro de Treinamento de Professores Rurais, localizado à margem da BR116, na altura do bairro Fortaleza, para a instalação de um presídio, tendo em vista a superlotação da ‘cadeia pública’ de Leopoldina, hoje oficialmente identificada como Presídio da Suapi, onde, segundo apuração feita pelo jornal, cabem 38 acautelados e tem em média sob custódia,  acima de 100 pessoas, muitas delas oriundas de outras cidades da região.
A área tem 10 mil m2 arborizada e várias construções
Na verdade, mudaram a denominação do local de cadeia pública para presídio, sem que investimentos fossem feitos para suportar o aumento da população carcerária. Por outro lado, onde funciona hoje a ‘cadeia pública’ não existem condições de ampliação, além do que ela está localizada próxima ao centro da cidade e cercada de residências. Por estar identificada em Belo Horizonte como Presídio, a ‘cadeia pública’ de Leopoldina está sendo utilizada para receber presos de outras cidades da região, como recentemente, quando recebeu 19 presos da cidade de Pirapetinga.

Como a matéria publicada pelo jornal criou polêmica nas redes sociais, resolvemos submeter aos nossos leitores uma enquete para que o resultado possa ser levado ao conhecimento das autoridades competentes e as auxilie a tomar uma decisão em sintonia com o pensamento da população. Ao final desta matéria, transcrevemos diversas opiniões de leitores manifestadas no facebook ou através de e-mail’s enviados à redação do Leopoldinense.

No infográfico, os números mostram quase um empate entre favoráveis e contrários.


 
 
Veja as opiniões de leitores compiladas do facebook ou enviadas por e-mail à redação do jornal:
 
Thadeu da Silva Furtado: “Ao ler a reportagem do Jornal Leopoldinense Online sobre a transformação do antigo Centro de Treinamento de Professores Rurais em presídio, permito-me,  democraticamente, emitir minha opinião contrária a tal decisão. Não que seja contrário à criação de espaços destinados à socialização de apenados, porém, considero um sacrilégio transformar tal local em um presídio, uma vez que foi criado  com um objetivo tão nobre e carente em nosso país, e abandonado, por questões políticas durante tantos anos . Conforme disse nosso grande mestre Darcy Ribeiro, no início dos anos 80, quando no Estado do Rio foi lançado o sistema de educação integral para jovens na rede pública de ensino (os Cieps) e que ficou vulgarmente apelidado na época de “Brizolão”:  “Cada valor investido em educação estaria retirando da marginalidade um jovem que no futuro estaria entregue às mãos de traficantes e marginais”.  Lembro-me que segundo dados estatísticos publicados em jornais da época, este contingente representava,  um “exército” de mais de 20.000 jovens, somente na cidade do Rio de Janeiro. E nunca podemos esquecer que nossa cidade já foi carinhosamente chamada  de Atenas da Zona da Mata”.     
 
Sebastiana Mariquito: Para que presídio com um Brasil desse? Se tiver como mudar muito o Brasil, a quantidade de presos vai ser pouca e caso tenha alguns presos, ocupar a mão de obra deles”.

Saor Aluizio: Apesar de não esta residindo na cidade mais, pretendo retornar um dia. A nossa cidade precisa de indústrias para dar emprego para o povo, para as pessoas não precisarem se aventurar em outras cidades”.

Francisco Viana da Silva: Sim, vai gerar mão de obra, aumentará o efetivo policial da cidade e aumentará o número de leitos no hospital pra poder atender a demanda da população carcerária. Se abrigar presidiários de outras cidades, trará consigo os familiares que farão visitas periódicas e como consequência movimentará o comércio local. Vejo mais pontos positivos do que negativos. Desde a construção da Zema e do galpão da Sol & Neve que não se cria um posto de trabalho na cidade. Das 250 cidades mais violentas do Brasil (segundo ranking da revista Exame, baseado em dados fornecidos pelas secretarias de segurança pública de cada Estado) as únicas que possuem presídio são as capitais e cidades com mais de 300 mil habitantes. Presídio não é fator determinante para alta no número de violência. Osasco é o 12° IDH do Brasil, possui 1 penitenciária feminina, 2 masculinas e 1 fundação casa e nem por isso reserva a primeira colocação no índice de violência do Estado de São Paulo.Franco da Rocha, possui uma das maiores penitenciárias do Brasil e se quer aparece no Ranking das cidades mais violentas do Brasil. Depois que construiram CD de Franco da Rocha o PIB per Capta subiu em 12,4%. Ou seja, informar-se antes de opinar faz bem. Pois podemos estar perdendo uma ótima oportunidade, por mero preconceito. Fui visitar o meu amigo Lucas Werneck (policial Cívil e Sindicalista) para buscar mais informações sobre a possível construção de um novo presídio em Leopoldina. Com essa visita, rendeu outra visita até o atual presídio para conversarmos com Diretor da Unidade e recheados de informação decidimos fazer um vídeo com alguns dados que ainda não estavam disponíveis para que possamos posicionarmos contra ou a favor. Espero que gostem, pois foi feito com a melhor das intenções de trazer o máximo de informação para que a nossa Leopoldina cresça de modo ordenado”. O vídeo pode ser visto em: https://www.facebook.com/lucaswernecktavares/videos/1766286473615732/
 
Lucas Werneck: É muito importante ter informação antes de sermos contra ou a favor de qualquer coisa, seja ela na nossa cidade ou fora daqui. E com esse objetivo busquei algumas informações importantes para que nós cidadãos leopoldinenses nos posicionemos de forma categórica com o que se refere ao progresso na nossa cidade. Pois acredito que somente a informação é capaz de combater o preconceito. É de suma importância o debate para a saída do Presídio Regional de Leopoldina do local que se encontra hoje, por questões de segurança primeiramente e com a possível criação de um com mais vagas, no mínimo as necessárias para atender a Comarca de Leopoldina, acarretaria na vinda de novos recursos para a cidade.Sei que o assunto é polemico, mas sei que só se tornou polemico por falta de informação.Precisamos debater sobre todos os assuntos relevantes para a cidade, sem se furtar de nenhum, assim como educação e saúde, segurança é fundamental na vida de todos, e apenas com um bom debate poderemos lutar para fazer a Leopoldina mais segura e cidadã que tanto sonhamos.Espero que gostem do vídeo e espero que seja bem esclarecedor. E peço desculpas pela minha falta de jeito em falar na frente das câmeras, com muito treino eu sei que posso melhorar”.
 
Priscilla Gatti: A verba destinada para suprir as necessidades educacionais bem como futuros projetos não podem ser redirecionadas para a segurança nem vice-versa, portanto cada investimento se faz necessário, tanto na saúde, educação, segurança, etc. Qualquer investimento para o bom desenvolvimento da cidade será de ótimo agrado. Muito me admiro de pessoas esclarecidas sendo contrárias somente pela peculiaridade se um presídio abrigar pessoas marginalizadas, que vivem as margens da sociedade, seria preconceituoso não concordar com a instalação de um presídio na cidade pressupondo que este traria mais violência. Os conflitos sociais são existentes e vamos lidar com eles cotidianamente”.
 
Rhanna Pimentel: O ideal seria investir em assistência social e educação, porque se prisão adiantasse alguma coisa, o Brasil - que se não me engano possui a 4ª maior população carcerária do mundo - não estaria como está, quando fala-se em segurança pública, uso de drogas e etc. Seria interessante sim, um local (não um presídio), onde fosse parecido com a APAC, por exemplo, que funcionava neste mesmo local e que tratava de uma real ressocialização, ai sim, valeria a pena!”
 
Plínio Alvim: Não! Já há longo tempo, Leopoldina destaca-se na área da Educação, com estabelecimentos de ensino de boa qualidade, em todos os níveis de escolaridade. O antigo Centro de Treinamento de Professores Rurais, no bairro da Fortaleza, por exemplo, poderia ser restaurado; e sua área, recuperada, poderia voltar a cumprir suas funções originais - de cunho educacional. Seria mais uma maneira de atrair outros estudantes para Leopoldina, que se somariam aos milhares que já se fixaram na cidade, vindos de inúmeros locais da região.”
 
Adriana Maria Nascimento Silva: Sou a favor sim, porém não fazer um depósito de homens e mulheres, teria que colocá-los para fazer algum tipo de trabalho, como horta, marcenaria, trabalhos voltados para as escolas e para as pessoas que precisam. Mão de obra neles.”
 
Maicom Junio: Sim, porque o que tem aqui não tem nenhuma condição de estar funcionando, nem estrutura para comportar a quantidade de presos que tem lá. Algumas semanas atrás,  já tinham falado que lá estava com mais pessoas do que o limite. Aí agora, na semana passada foram transferidos 19 detentos de Pirapetinga para cá. Se é para ter um presídio, que seja direito. Quando as famílias vão visitar alguém lá tem que ficar o dia inteiro no sol, porque  não tem uma área coberta pra ficar. Tem que usar lona e quando chove nem visita tem porque molha tudo é desce barro do barranco que nem um muro de apoio tem. E já era para também um detector de metal lá, porque as pessoas ficam passando por vários constrangimentos de ficar sem roupa porque lá não tem um detector. Então, nada mais justo em ter um presídio decente. Não é porque é um presídio que as pessoas têm que ficar lá de qualquer jeito.”
 
Fernando Ribeiro: Sou a favor. Como também sou a favor que os políticos de Leopoldina liberem o comércio da cidade para empresas de grande porte que já tentaram diversas vezes entrar na cidade e não consegue.”
 
Flaviana Fontanella: Não sou a favor. Leopoldina precisa de mais faculdades, trazer mais empresas para gerar empregos isso sim.”
 
Waldemir Pereira Viegas: Não, a verba destinada a este investimento deve ser usada na saúde e na educação. Presídio não vai trazer crescimento para a cidade e sim, aumentar a violência.”

Léa Bartole: Sim!! ! Tem que funcionar e ser num lugar seguro fora da cidade.”
 
Neide Tony : Gente, para de bobeira, tem que ter presídios sim ou não tem jeito.”
 
Gustavo Dias: Já passou da hora. A criminalidade está em alta.”
 
Martha Monteiro: Se está caro soltem os detentos! Se fosse para detentos da cidade que estão cumprindo pena em outras cidades dependendo do delito sou a favor! O único que não tem pecado é Deus.”
 
Marcelo Lacerda Coutinho: Sou a favor de colocar os presidiários para trabalharem construindo casas populares e hortas comunitárias.”
 
Dalmo Pires Bastos Junior: Absurdo esse Deputado querer construir presídio em nossa cidade. Sr. Deputado se identifica primeiro. Vai construir na sua cidade. Desativaram a APAC que vinha fazendo um serviço de ressocialização de presos dirigida pelos Drs. Dilson Baptista Bastos, Leonardo Conte e colaboradores e agora vem essa proposta de um Deputado.”
 
Marcelo Lopes: Certamente que sim. A cidade precisa receber também seus criminosos. Este é o ônus que nossa sociedade como um todo precisa arcar até que tenhamos verdadeiramente um sistema reeducativo que promova a ressocialização e a reinserção destas pessoas ao convívio com os demais.”

Alex Leite de Freitas: “Leopoldina já tem presídio, o que se quer fazer é tirar ele de dentro da cidade, levando para a BR -116 com mais segurança e melhores condições para a recuperação dos detentos.”

Link
Tags »
Leitores revelam divisão de opiniões sobre construção de presídio em Leopoldina enquete presídio
Notícias Relacionadas »
Comentários »