17/11/2016 às 07h10min - Atualizada em 17/11/2016 às 07h10min

Maioria dos leitores diz que a pavimentação ideal para as ruas de Leopoldina é o asfalto

É grande o número de pessoas que diz não importar o tipo de pavimentação desde que haja manutenção adequada e permanente.

Luiz Otávio Meneghite

Sempre fizemos questão de deixar claro que a maioria das enquetes pautadas pelo jornal Leopoldinense tem origem em sugestões de seus leitores que se manifestam via facebook, por e-mail, telefone ou em contato físico com o pessoal da redação. A enquete ora sob análise alcançou 1.586 pessoas das quais 153 votaram no campo próprio escolhendo uma das quatro opções colocadas à disposição dos leitores: Asfalto; Paralelepípedos; Bloquetes intertravados e Qualquer uma delas, mas com manutenção permanente. Diversos leitores também fizeram questão de dar sua opinião via facebook como poderá ser conferido ao final.

Veja o resultado no infográfico:

Sempre que alguma matéria publicada no jornal Leopoldinense aborda problemas com a pavimentação de nossas ruas e avenidas surgem opiniões de que para acabar com os buracos da cidade deveria ser adotado o piso de asfalto. Mas a idéia encontra resistência de boa parte da população que prefere o calçamento tradicional em paralelepípedos.

Recentemente, fizeram uma experiência com bloquetes intertravados, mas estes não foram aprovados para vias com muito trânsito, apresentando desgaste com pouco tempo de uso como na avenida Acácio Serpa na ligação do centro com o Bela Vista e vice versa, onde a pavimentação foi totalmente feita em bloquetes intertravados e em pouco tempo o piso ficou enrugado e com afundamentos sugerindo que o preparo do terreno antes da pavimentação não foi feito adequadamente.
Piso em bloquetes na avenida Acácio Serpa
Muita gente acredita que os bloquetes são mais indicados para áreas internas onde o trânsito de veículos é moderado ou em praças. Mas há quem goste desse tipo de pavimentação. O da rua Maria do Carmo Salles, por exemplo, onde está localizado o Supermercado Bahamas, tem trânsito intenso e não apresenta imperfeições, sugerindo que ali a preparação do terreno tenha sido bem feita.

Como a maioria das cidades do interior, Leopoldina tem quase a totalidade de suas ruas pavimentadas com paralelepípedos há dezenas de anos, algumas há quase um século, o que comprova a sua resistência, se encontrando em perfeito estado de conservação, parecendo ter sido feitos recentemente. Mas é preciso manutenção permanente feita por profissionais especializados, chamados calceteiros, caso contrário o serviço não dura muito tempo e a cada reparo sobram pedras o que contribui para que elas se soltem mais facilmente e encurte o tempo entre uma reforma e outra.

Em outras vias da cidade, onde a pavimentação em paralelepípedos precisa ser totalmente refeita, reparos de mau gosto tem sido feitos com utilização de massa asfáltica. Existem trechos onde dá para se ver o encontro de quatro tipos de pavimentação: asfalto, bloquetes, pé de moleque e paralelepípedos como no trecho que vai da Praça do Urubu em direção ao Pirineus revelando uma verdadeira colcha de retalhos o que, convenhamos, não resulta numa boa imagem.
O desgaste do asfalto revela o piso de pé de moleque antecessor
Este ano, a avenida dos Expedicionários, que é totalmente asfaltada, passou por uma revitalização e ao longo de sua extensão foram introduzidas algumas travessias de pedestres com utilização de bloquetes intertravados. Comparando o estado da avenida que tínhamos há alguns anos com a que temos agora, melhorou muito. Houve uma mudança da água para o vinho. Mas, em alguns pontos, já foram feitas obras inesperadas na infraestrutura subterrânea e os remendos já começam a surgir, como nas proximidades do campo de futebol do Bela Vista.
Presidente Carlos Luz sem manutenção

Remendo feito com asfalto em rua de paralelepípedos
O transeunte mais observador vai encontrar dezenas de problemas na pavimentação das ruas e avenidas da cidade de Leopoldina, seja com asfalto, paralelepípedos ou bloquetes. São muitas as manifestações de leitores chegadas à redação do jornal Leopoldinense.

Confira algumas a seguir:

Qual a pavimentação ideal para as ruas de Leopoldina?
Elisangelo Batista
Asfalto é a melhor opção pois dá pouca manutenção já que aqui em Leopoldina não tem muita manutenção nas ruas.
 
Junka Paulo
Asfalto é a que mais dá manutenção, principalmente com o calor daqui.
 
Elisangelo Batista
Junka Paulo eu até concordo com você mas o asfalto é mais confiável que essas pedras todas soltas que temos aqui. Se você for de Leopoldina sabe o que estou dizendo. A melhor rua aqui em Leopoldina, com todos os defeitos está sendo a avenida dos Expedicionários.
 
Lúcia Resende Farage
Não importa o tipo de pavimentação desde que seja bem feita e haja manutenção. Quando a Copasa ou qualquer outro precisar fazer escavações que seja cobrado o conserto.
 
Arnaldo Alencar
Se a preparação for adequada na infra-estrutura qualquer pavimentação pode ser ideal desde que seja feita a devida manutenção periódica.
 
Laudilon Santos
A melhor opção é a manutenção adequada. Leopoldina já é classificada como a cidade dos buracos e agora temos nova classificação: cidade dos quebra-molas. Moro no Eldorado e da minha casa até ao centro, trajeto Quinta Residência/Praça da Bandeira/ Fábrica, tem catorze quebra-molas.
 
Wander Rodrigues
Essas coisa ninguém vê, a onda agora é quebra molas.
 
Junin Resende
O bom é o velho paralelo de granito, por vários fatores: manutenção simples; baixo custo; instalação fácil, limpa e com mão de obra local (diferente do asfalto, já que Leopoldina não possui uma usina); possui permeabilidade (entre os encaixes); absorve menos calor e mais lentamente (o que ajuda e muito em uma cidade como a nossa); "Inibe" velocidade; reutilizável; apelo turístico...
 
Rodrigo Junqueira Reis Pimentel
A pavimentação conservada.
 
Gustavo Dias
Asfalto, sem dúvida alguma.
 
Júlio Belina
Uma sem buracos.
 
Rodrigo Alves
Asfalto ideal é a melhor opção para todas as cidades
 
Hiran Dutra Bonin 
Qualquer uma desde que não tenha tantos buracos (Desnível)
 
Maximiliano Teixeira
Asfalto, mas um asfalto de verdade, não esse monte de saibro com cola tenaz.
 
Andreia Cardoso Varges
Asfaltar a cidade!Seria ótimo, precisamos urgentemente.
 
Junka Paulo
E aumentar mais dois graus na temperatura média
 
Expedito Batista  
Paralelepípedo é melhor, mas o serviço de colocação tem que ser bem feito com bom espaçamento e nivelamento.
 
Maria Angeli Andrade
Ruas boas são asfaltadas, é o que se usa na maioria das cidades do mundo todo. Também tem que fazer calçadas para pedestres.  Nesta cidade as calçadas são bem ruins nos bairros.
 
Josué Oliveira
Todos podem ser bons, mas o problema disso aí, de asfalto afundar, de perder a aderência é que: 1º - No lugar da areia deve ser usada a terra. Quando chove ou alguma outra fonte d'água sobre o asfalto de paralelepípedo tira as travas e logo o asfalto sai do lugar. 2º - Nossas ruas não possuem sistema de drenagem. A nossa cidade tem uma grande concentração de minas, brejos e lugares muito úmidos, e se não fizer a drenagem, quando o peso vier sobre o asfalto, automaticamente ele afundará causando desníveis. 3º - É impróprio que se permita veículos com 15, 20 ou 30 toneladas trafeguem sobre esses asfaltos. Veículos pesados quebram os asfaltos com base de petróleo (que tem uma espessura de 4 ou 5 cm na maioria dos lugares); ou no caso dos bloquetes, eles quebram; e ou no caso dos paralelepípedos acabam sendo enterrados e ou saem dos seus lugares. Deu para entender? Da maneira que fazem hoje nunca dará bons resultados. Construir da maneira que facilita a destruição não é um meio correto, é falta de conhecimento ou burrice.
 
Wander Rodrigues
Também não consegui entender esse método de fazer os reparos nos paralelepípedos com areia. É óbvio que vai se soltar quando passar veículos de grande porte.
 
Angela Andrade
Asfalto com certeza, mas tem que haver manutenção. Não é só jogar uma vez.  Tem que cuidar.
 

Link
Tags »
Maioria dos leitores diz que a pavimentação ideal para as ruas de Leopoldina é o asfalto
Notícias Relacionadas »
Comentários »