19/09/2017 às 06h57min - Atualizada em 19/09/2017 às 06h57min

Vou ficar por aqui e sorrir!

Gino Ribas Meneghitti

Nestes novos tempos virtuais está sendo cada vez mais raro e difícil encontrarmos amigos e pessoas com quem possamos compartilhar com honestidade e segurança nossos pensamentos, sentimentos, crenças, devaneios e opiniões. Tudo está cada vez mais rápido, líquido e superficial. A ditadura da felicidade, das belas fotos e corpos, do sorriso abertamente forçado, dos lugares paradisíacos e fantásticos, tende a nos reduzir a meros fantoches, marionetes da seita do capital. Seus fiéis discípulos ( publicitários, empresários e marqueteiros) ainda vendem a velha e carcomida imagem de fama, sucesso e poder. O canto da sereia global é amplificado por um forte apelo de cunho estritamente pessoal e comercial. 
      
Como diria Pessoa, "meus amigos são bons em tudo". Mas onde estão meus amigos, quem são, para onde foram? E não digo isso num tom pessimista, ressentido ou melancólico, ao contrário. Percebo que quase todos aqueles que conseguiram amadurecer caíram nas armadilhas da vida adulta: cartões de crédito, contas, trabalho, família e responsabilidades.  Uma amiga não cansava de dizer que, depois dos trinta é muito difícil conquistar novos amigos, e ela tinha razão. Entre tantas idas e vindas, perdi vários, uns pela distância e ausência de afinidade, outros para o casamento, a família e a sociedade. Nada mais justo, normal e saudável, pena ter percebido isto um pouco tarde. Por outro lado, frases, que jamais imaginei reproduzir ou sequer pronunciar, fluem naturalmente: "no meu tempo era melhor". Somos uma geração privilegiada que, entre cabos, fios e telas, carrega consigo, de forma nítida as mais belas lembranças e recordações da infância na “sombra dos velhos quintais”. 
       
Onde iremos chegar? Será a nova era ou o fim dos tempos? Ou será que cada qual respira, vive e trafega pelas dimensões por si mesmo criadas? Onde estão sendo travadas as principais discussões científicas sobre a física quântica e a duração de vida do planeta Terra? Podemos pensar em controle de natalidade, redução de gases na atmosfera, divisão de bens, dinheiro e terra? Onde repousa a verdade, senão no coração de quem tem olhos e ouvidos para ver e ouvir os apelos de um planeta que a cada dia, sofre, adoece e morre.     
 
Os alimentos estão sendo plantados, colhidos e vendidos, sob o comportamento individualista e histérico de imediatistas latifundiários. No campo político, já nem sei enumerar as contradições jurídicas, econômicas e sociais. Na esfera do poder, propriamente dito, os interesses continuam sendo os mesmos, e suas firmas e cifras vão bem obrigado. 

Os tentáculos do grande capital se agigantam e assumem vários nomes, rostos e identidades. As máfias estão bem distribuídas pelo globo e grande parte de seus lucrativos negócios já estão limpos e lavados.  A indústria bélica nunca lucrou tanto com estas pequenas guerras de grande duração. As mesmas nações, no mesmo ponto e espaço geográfico, sendo constantemente alvo de ataques yankee, mas tudo se resume numa teoria da conspiração infundada, cujo olho que tudo vê, nada mais é do que fruto de uma imaginação pueril e fantasiosa, que cria para si e para o outro, mundos místicos e sobrenaturais. 
   
Cansado da polarização de discursos, ideias e opiniões, confesso que o discurso das minorias, a postura romântica e ingênua de jovens idealistas guiados e seduzidos pelo politicamente correto e o grito de legalização, do aborto às drogas, já não exercem o mesmo fascínio ou encanto. Ainda carrego o martelo e a foice, mesmo diante de tantos exemplos negativos, autoritários, totalitários e ditatoriais. O socialismo ainda é a mais bela bandeira, mesmo que por ora esteja timidamente hasteada nos corações e mentes de jovens rebeldes, utópicos e revolucionários. O discurso marxista está fora de moda, mas ceder aos apelos da direita, jamais. O Brasil foi vendido e entregue aos interesses multinacionais.
 
Me recuso a discutir política com quem não seja minimamente esclarecido, mas está sendo difícil acreditar, que pessoas que um dia comungaram da mesma ideia e ideal, abraçaram, abertamente, discursos fascistas e neoliberais, carregados de ódio e desprezo pelo sangue e suor alheio. Nada demais, na republiqueta das bananas e das grandes corporações midiáticas. Não por acaso, um dia, Roberto Marinho disse que o Globo (ele nunca dizia a Globo) era o que era muito mais por aquilo que não dizia, do que por aquilo que publicava. 
 
Não me assusto com o nível de ignorância das massas, afinal, nunca ouvi de forma exaustiva, cansativa e maçante, música clássica nas rádios comerciais, nunca vi Faustão, Xuxa e Gugu declamarem por horas a fio, poemas de Cecília Meireles ou de Vinícius de Moraes. Nunca vi um jornal divulgar e reproduzir ipsis litteris as obras e clássicos dos grandes gênios e mestres da humanidade. Vou ficar por aqui e sorrir, por ter alguém com quem ainda conversar. Existem pessoas neste mundo que conseguem retirar de nós o melhor, e você é uma delas, caro leitor. Boas reflexões!
 

Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »