23/07/2020 às 19h20min - Atualizada em 23/07/2020 às 19h20min

BAILES INESQUECÍVEIS

O tradicional Hotel Glória, localizado no bairro que lhe dá o nome, já foi local onde tudo era cheio de glamour. Olhava-o e pensava “eu nunca conseguirei sequer pisar na portaria deste hotel”.
 
De uma feita, porém, arranjei convite e para lá fui a um baile de gala com a Guilma, que era colega de faculdade e minha namoradinha.
 
Com promessa de eu não atrasar, combinamos horário exato para eu ir ao encontro dela em sua residência, num apartamento no 7º andar de um prédio que dava para duas ruas (Senador Vergueiro e Marquês de Abrantes).
 
Eu morava na rua Hermenegildo de Barros, rua que liga os bairros Glória e Santa Tereza. Tudo cronometrado, eu estava acabando de passar minha camisa social quando a campainha tocou. Era, de pequena mala na mão, uma senhorita de bela aparência, moça que eu conhecera numa viagem de trem do Rio para Alegre (ES) e com quem passara a trocar correspondências, muitas delas respondidas não por mim, mas pelos colegas de apartamento (Heitor, Amaral e Antônio Augusto “Gusto da Dirce”). Chegou sem prévio aviso, logicamente mandei-a entrar, dela ouvi que estava de férias e que viera para ficar alguns dias comigo. Contei-lhe de meu compromisso e, provavelmente temendo-a por não conhecê-la direito, não a convidei para ficar nem até eu retornar.
 
Sua presença no 207 durou somente o tempo de ela acabar de passar minha camisa, e de eu, sem alternativa, ter tido a cafajeste atitude de levá-la até um ponto de ônibus quando saí. Isto tudo provocou enorme atraso em minha chegada ao encontro com a Guilma.
 
Guilma estava lindamente trajada, parecendo uma princesa, mas me recebeu com cara fechada, dizendo que, depois de se vestir, ficara de pé para eu poder apreciar-lhe tudo sem que ela tivesse assentado e amarrotado parte do vestido.
 
 Aquela não era noite favorável à Guilma.
 
Já no majestoso Glória, lá pelas tantas, ouvi um choro e percebi, ao me volver, que era a Guilma. Perguntei-lhe o que estava havendo e dela ouvi: “você não percebeu, mas se encontrou com amigos, se juntou à roda deles, ficou rindo, contando histórias, e já vai bom tempo que estou aqui, feito uma pateta, parada sozinha onde você me abandonou para ir ao encontro de seus amigos”.
.
Fim de 1961 ou início de 1962, tendo 4 ingressos para um baile no Walmap Tijuca, sugeri à Guilma que ela convidasse uma coleguinha que eu levaria meu amigo Roberto “Robertinho” Ladeira Fontes.
 
Fomos no carro da Guilma pegar a tal coleguinha, que entrou no banco de trás, onde já estava o Robertinho. Este perguntou à moça o nome dela e, ao ouvir que ela se chamava Eva, mandou na hora “então quero ser o seu Adão”.  Foi o bastante para a Eva lhe dar um ignorante esporro, dizendo que todo bobo só sabia falar aquilo com ela. Nenhuma outra palavra foi pronunciada desde então.
 
No baile, Eva para um lado e o pretenso “Adão” para o outro. Findo o baile, eu e Guilma muito desapontados e a dupla “Adão e Eva” em sepulcral silêncio até cada um descer do carro e entrar para sua residência.
 
Num jipe emprestado pelo Sr. Luiz Homem do Amaral, eu e o filho dele, Roberto Amaral, fomos depois de viagem de ônibus do Rio a Leopoldina, a um baile em Porciúncula, onde morava a família do Antônio Augusto “Gusto” Gonçalves, colega do apartamento 207, filho dos extraordinários dona Marieta e Sr. Antônio.  Da programação fazia parte sair do baile em tempo hábil para retornar a Leopoldina e pegar ônibus para retorno ao Rio e ainda trabalhar a partir das 12 horas. Loucura, mas a juventude...
 
Chovera, havia muito barro na estrada bem escorregadia, e estávamos voando no jipe, pois o horário assim exigia. De repente, o jipe derrapou, rodou descontroladamente daqui e dali e, quando conseguimos pará-lo, não tínhamos noção de para onde sua frente apontava.
 
Restou-nos tomar rápida e sábia decisão: vamos seguir viagem. Se ele chegar a Porciúncula, voltaremos ao baile. Se chegar a Leopoldina, vamos para o Rio trabalhar.
 
Chegamos a tempo para o trabalho !
 
Em 14.07.2007
Nelson Vieira Filho
 
Nelsinho
 
 
 
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »