21/09/2020 às 10h18min - Atualizada em 21/09/2020 às 10h18min

Poema do Alfredo

Quando a morte me leva
A vida te traz
Mesmo quem nem pensa nisso
Simplesmente aqui jaz

Itabira, tua imponência é mistério, milagre da vida, tempo e espaço nos embalando nesse traço.

A morte é como um muro que se tem de pular
E já que está cá que se pule
Mas antes que se use o tacape
Usos e costumes, borduna a granel
Santo tem muito no inferno
Loucos... Tem mais ainda no céu

Itabira, tua eternidade parece frágil, parece mostrar que a nossa não será, entre farfalhares e burburinhos, invernos e verões, engendrar de amores entre delicadezas e incertezas, nossas paixões, modéstia à parte, Cachoeiro de Itapemirim.

Tanto faz tumba de pedra ou cimento
mármore ou lápis-lázuli
Prum velório de árabes
que comem tabule
Café na garrafa ou no bule
Mas tanto faz cova rasa
Catacumba ou mausoléu

Itabira, quando todos os sóis se apagarem, ninguém descobrirá que o futuro não contém mais nenhuma expectativa, apenas o Itapemirim seguirá no seu murmúrio.

Pensando no próprio epitáfio?
Passei por esta vida fumando
Quem não passou também vai no desdém
Que o tempo libera infartos nefandos

Itabira, milhões de séculos te fizeram assim para que nós, nesses poucos instantes, possamos fazer opções, nossas crenças e razões, tecer desejos, superar desafios, realizar sonhos, viajar por aí.

Ó! Empáfia que me resta
Quantos dias mais até o derradeiro?
Tanto faz se me enterram aqui
Ou no Meu Pequeno Cachoeiro
Lá sempre estará o Pico do Itabira
a lembrar sexo e cigarro
Foram tantos tempos felizes
E sobram alguns aos quais me agarro
 
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »