04/07/2021 às 09h02min - Atualizada em 04/07/2021 às 09h02min

170 – Pioneiros de Leopoldina – Bento Rodrigues Gomes

O Trem de História de hoje fecha o ciclo dos dois irmãos pioneiros de Leopoldina trazendo Bento Rodrigues Gomes.
Bento casou-se aos 13 de julho de 1813, em Bom Jardim de Minas, com Ângela Joaquina de Jesus, filha do pioneiro Joaquim Ferreira Brito e de Catarina Esméria de Sene.

Em seu testamento [1], Bento declarou ter tido dezesseis filhos, mas relacionou apenas os nove que estavam vivos na ocasião.

Registre-se, por oportuno, que nas fontes consultadas até aqui foram encontrados doze filhos deste casal, sendo os dois mais novos nascidos no Feijão Cru. Bento faleceu aos 16 de março de 1862, na condição de viúvo.

Em 1856 ele declarou [2] ter comprado cerca de 300 alqueires de Francisco Manoel de Souza e Ana Rosa de São José, os quais faziam parte da propriedade denominada Fazenda Cachoeira Alta do Bagre quando de sua morte.

É importante registrar que talvez tenha havido engano na indicação do nome do vendedor, já que em uma Carta de Sesmaria [3] doando terras no "Ribeirão dos Bagres que deságua no Pomba por baixo do Feijão Cru", o nome do beneficiário seria Manoel Francisco Corrêa. De todo modo, nem Francisco Manoel de Souza nem Manoel Francisco Corrêa são referidos na documentação ainda existente sobre os pioneiros do Feijão Cru.

Os vizinhos de Bento Rodrigues Gomes foram Genoveva Maria de Jesus, Marianna Pereira Duarte, José Thomaz de Aquino Cabral, Felisberto Antônio de Souza, Joaquim Dias Netto, Francisco Antônio de Almeida e Gama, Francisco Bernardino Machado, Antônio Joaquim Teixeira, Antônio Rodrigues Gomes e a propriedade limitava-se, ainda, com o Rio Pomba.

Conforme já se viu nesta série, Genoveva Maria de Jesus era proprietária da Fazenda Santana do Pomba, cuja sede ficava no local onde mais tarde foi construída a Estação Vista Alegre da Estrada de Ferro Leopoldina.

De Mariana Pereira Duarte era a Fazenda Recreio, vizinha dos Aquino Cabral da Fazenda Santa Cruz. Felisberto Antônio de Souza era proprietário de um pequeno sítio de 15 alqueires. Assim como Felisberto, o vizinho Joaquim Dias Neto também não declarou o nome da propriedade de 40 alqueires que levou a registro na mesma época. Francisco Antônio de Almeida Gama era vizinho de Bento Rodrigues Gomes pela propriedade que denominou Circuito, nome também da volta que o Rio Pomba faz pouco antes de atingir Vista Alegre, sendo aí também localizada a propriedade de Francisco Bernardino Machado. Os outros dois vizinhos citados por Bento foram Antônio Joaquim Teixeira, que registrou 200 alqueires no Ribeirão do Bagre e o seu irmão Antônio Rodrigues Gomes.

Na Divisão requerida por Antônio Sabino Damasceno Ferreira aos 07 de dezembro de 1889 para demarcação dos limites de sua fazenda Estrela [4], consta que

“Aos 25 dias de novembro de 1871, nesta fazenda dos Bagres, no alto de um espigão na divisa das fazendas dos Bagres e Fortaleza [...] ordenou o Juiz que fosse cravado o marco para começo da divisa entre João Gualberto Damasceno Ferreira e Joaquim Antônio de Oliveira. [...]”

Considerando que a Fazenda Fortaleza foi formada por João Gualberto Ferreira Brito, pai de João Gualberto Damasceno Ferreira, e que tal fazenda representou o legado paterno recebido por João Gualberto Damasceno, é possível concluir que a fazenda Cachoeira do Bagre, formada por Bento Rodrigues Gomes, estendia-se desde as proximidades do Rio Pomba, onde divisava com a fazenda Santana dos Miranda, até a altura da Fazenda Fortaleza.
 
Os filhos
 
Bento Rodrigues Gomes e Ângela Joaquina de Jesus tiveram os filhos a seguir.

1) João Rodrigues Ferreira cc Messias Esméria de Almeida, filha de Manoel Antônio de Almeida e Rita Esméria de Jesus. Tiveram quinhão da fazenda Feijão Cru do pai de Messias, e foram condôminos e confrontantes da Constança; 2) Mariana Vitoria de Jesus cc Francisco Izidoro Ferreira Brito, filho de Joaquim Ferreira Brito e Joana Maria Macedo; 3) Francisco Rodrigues das Chagas cc Francisca Cândida da Gama. Residiram na fazenda Cachoeira Alta do Bagre, do pai de Francisco, na divisa com terras de Francisco Antônio de Almeida e Gama que pode ter sido familiar de Francisca; 4) Rita Flausina de Jesus cc João Ferreira de Macedo que também pode ser meio irmão da sogra; 5) Maria nasceu entre 1817 e 1822, e faleceu na infância; 6) Joaquim Rodrigues Gomes cc Ana Flausina de Nazareth; 7) Fidelis Rodrigues Gomes cc Mariana Leopoldina de Lacerda, filha de Francisco Pinheiro Corrêa de Lacerda e Mariana Maria de Macedo; 8) Ana Catarina de Jesus cc Evencio José Fabrício da Fonseca, filho de Bernardo José da Fonseca e Ana de Souza da Guarda; 9) Vicente Rodrigues Ferreira cc Luciana Francelina da Anunciação, filha de Antônio Rodrigues Gomes e Rita Esméria de Almeida; 10) Calisto Roiz nasceu entre 1825 e 1827 e faleceu na infância; 11) Theodoro Roiz nasceu entre 1828 e 1833 e também faleceu na infância; e, 12) Bernardo Rodrigues Gomes cc Tereza Maria de Brito e segunda vez com Rita Silvéria de Almeida, filha de João Rodrigues Ferreira Brito e Messias Esméria de Almeida. No segundo casamento residia no Monte Redondo, em terras que teriam sido de Manoel Antônio de Almeida, avô materno de Rita. Talvez a primeira esposa fosse irmã da segunda.

O Trem de História encerra aqui a história conhecida dos dois irmãos pioneiros de Leopoldina que, entretanto, poderão vir a ser citados quando forem abordados seus vizinhos. Na próxima viagem um outro personagem virá. Até lá!
 
Fontes consultadas:
1 - Inventário de Bento Rodrigues Gomes processo 38404388 COARPE – TJMG.
2 - Registro de Terras de Leopoldina. Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114, termo 59.
3 - Arquivo Público Mineiro. Carta de Sesmaria de 19 de setembro de 1821, SC 384 p. 107v.
4 - Divisão amigável da Fazenda Estrela processo 38401585 COARPE-TJMG.
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »