04/10/2021 às 15h50min - Atualizada em 04/10/2021 às 15h50min

173 – Pioneiros de Leopoldina – Fazendas Santa Cruz e Natividade

A viagem de hoje do Trem de História tem como destino uma fazenda formada em 265 alqueires registrados[1] por José Tomaz de Aquino Cabral, seu filho Carlos Augusto de Aquino Cabral e seu genro Sebastião Gomes Teixeira Jalles. E cujos confrontantes eram João Gualberto Ferreira Brito (fazenda Fortaleza), Antonio Rodrigues Gomes (Águas Vertentes), José Ferreira Brito (Dois Irmãos), Francisco da Silva Barbosa (Boa Vista dos Barbosas) e Mariana Teresa Pereira Duarte (Recreio).

Segundo declaração[2] de Antonio Carlos da Silva Teles Faião, uma de suas propriedades foi comprada de José Tomaz de Aquino Cabral, num total de 140 alqueires, área esta não incluída nos 265 alqueires do registro acima mencionado.

Comparando-se os registros de 1856 com as divisões de propriedades nas décadas seguintes, observa-se que os Aquino Cabral teriam adquirido, inicialmente, terras que se estendiam da margem direita do rio Pomba até o córrego Santa Cruz e que a venda para Teles Faião teria sido da parte norte da propriedade.

Conforme mencionado no texto anterior, a propriedade adquirida dos Aquino Cabral por Teles Faião teve como primeiro nome Barra das Laranjeiras. Mas em 1876, quando Carlos Augusto de Aquino Cabral, marido de Vicencia Antonia filha de Teles Faião, requereu a divisão amigável[3] da Barra das Laranjeiras ela já era denominada Fazenda Natividade.

Registre-se que este processo de divisão esclareceu mais alguns pontos sobre os domínios dos Aquino Cabral e Teles Faião uma vez que a planta[4] da fazenda, desenhada pelo agrimensor Manoel Maximiano de Souza Muniz estabeleceu a localização da propriedade, suas confrontações e a área encontrada que foi de 80 alqueires e meia quarta.

Considerando que naquele momento não havia divisas entre as fazendas Santa Cruz e Natividade, entende-se que a diferença de 60 alqueires corresponde à área entre elas que teria sido vendida a diversos compradores, cujos títulos não foram citados no processo.

Vale lembrar que foram convocados para o julgamento desse processo: João José Dutra, seu irmão José Tomaz e seu cunhado José Joaquim Pires filho (sucessores da fazenda Recreio); Antonio José de Oliveira (sogro de herdeira da Águas Vertentes); Antonio Garcia de Novaes (sucessor da fazenda Saudades); Antonio Manoel de Barros Alvim (sucessor da Santana dos Miranda); e, José Pereira de Melo que parece ter sido o comprador de parte das terras da Barra das Laranjeiras.

O distrito de Campo Limpo, hoje Ribeiro Junqueira, foi criado dois anos depois da abertura do processo. E em 1882 o que restava da fazenda Natividade foi incorporado à área do novo distrito.

Em março de 1891, quando foi criado o distrito de paz[5] denominado Vista Alegre, no município de Leopoldina, a propriedade de Carlos Augusto de Aquino Cabral constou do Decreto como vizinha da unidade administrativa que, ao que se sabe, não teria sido instalada. De todo modo, a informação corrobora a citação do proprietário como um dos proprietários de quinhão da fazenda Santana dos Miranda que foi submetida a um processo de Retombo[6] em 1890.

Ainda quanto à fazenda Santa Cruz, registre-se que após o falecimento do condômino José Tomaz de Aquino Cabral, antes de fevereiro de 1878, seu filho Carlos Augusto vendeu 27 alqueires de sua legítima para Sérgio José Pinheiro. Este comprador pediu a demarcação da propriedade, em março de 1880 e o processo[7] envolveu, além do requerente, cinco condôminos que haviam adquirido partes da fazenda.

Importante observar que, à exceção do comprador Sérgio Pinheiro, de quem não se tinha notícia em Leopoldina até então, os demais envolvidos confirmam a opinião de um sociólogo que se manifestou sobre as práticas sociais no Brasil de meados dos oitocentos, contestando impressão de viajante estrangeiro do início daquele século.

Em viagens pela província mineira, o francês Auguste de Saint-Hilaire havia descrito seus habitantes de forma não muito generosa. Gilberto Freyre a ele se referiu para afirmar que, em meados do século XIX, as Minas não eram mais terra de gente aventureira, mas de uma estável sociedade agrária. E declarou[8] que “A província quase toda passara […] a pacatamente agrícola. Suas condições morais que, ao tempo da febre do ouro haviam sido péssimas, melhoraram com essa nova situação ao mesmo tempo econômica e social.”

Assim o demonstra a composição do condomínio da Fazenda Santa Cruz quarenta anos depois da propriedade ter sido fundada. Um dos quinhões havia sido adquirido por Antonio Ferreira Neto e seu pai João Gonçalves Neto, da fazenda Residência não muito longe dali; outro pertencia a João José Dutra nascido na vizinha fazenda Recreio.

Sebastião Gomes Teixeira Jalles, além de sócio da propriedade era também casado com uma filha do sócio falecido. E Josué de Vargas Corrêa já ali vivia há muitos anos, pois sua primeira esposa era sucessora da vizinha fazenda Águas Vertentes. Além deles, os confrontantes da propriedade também reafirmam as palavras de Gilberto Freyre no sentido de que as cidades mineiras não eram mais pouso de aventureiros, mas residência de famílias de agricultores em estabilidade social.

Em 1885 a fazenda Santa Cruz voltou a ser demarcada[9], a requerimento do condômino Sebastião Gomes Teixeira Jalles. Agora com uma área de 189 alqueires, entre seus proprietários já não estava João Gonçalves Neto, mas seu filho Joaquim Eleotério. João José Dutra também não era mais proprietário.

Sebastião Jalles era um português estabelecido com casa comercial no Rio de Janeiro, tinha negócios em São Fidélis (RJ) na época em que se casou com a filha de José Thomaz de Aquino Cabral. Mais tarde levou a família para a então capital do país, onde faleceu em 1895. Sua esposa também faleceu no Rio de Janeiro em 1911. E o que restava da antiga fazenda Santa Cruz foi dividido em diversas pequenas propriedades que continuaram dedicadas à agricultura por muito tempo.

Aqui o Trem de História faz mais uma parada. Retornará na próxima edição, com algumas informações sobre a fazenda Recreio, cujo nome não tem vínculo direto com o município vizinho.
 
Fontes consultadas:
 
[1] Registro de Terras de Leopoldina (Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114), nº 3.
[2] Registro de Terras de Leopoldina (Arquivo Público Mineiro, Seção Colonial, TP 114), nº 8.
[3] Divisão da fazenda Natividade. Processo 38404852 – COARPE – TJMG.
[4] Idem, img 10
[5] Leis Mineiras, Decreto nº 406.
[6] Divisão e demarcação de terras da fazenda Santana dos Miranda. Processo 38402032 COARPE/TJMG. img 269
[7] Divisão da fazenda Santa Cruz. Processo 38403537 COARPE – TJMG.
[8] FREYRE, Gilberto. Vida social no Brasil nos meados do século XIX. 4.ed. São Paulo: Global, 2008. p.57
[9] Divisão judicial da fazenda Santa Cruz. Processo 38405655 COARPE – TJMG. img 2-3
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »