30/04/2014 às 09h10min - Atualizada em 30/04/2014 às 09h10min

LEOPOLDINA – 160 ANOS

Centro da cidade no final da década de 60 logo após a demolição da estação ferroviária ( Fotografia gentilmente cedida por Herlaine Freire Bella)

Autor

Confesso que não participei da festa do Primeiro Centenário da Cidade, mas tenho que caçoar, sem fazer troça, porque não estive presente apenas porque não encontrei um cavalo prá sair da roça. Assim, não vi a festa dos 100 anos, os discursos dos políticos, as casas enfeitadas e o desfile da Banda de Fuzileiros Navais, todos iguais. Mas lhes conto, garanto e provo que vi os 60 anos diferentes que vieram depois prá gente.

Nestes 60 anos, para começo de conversa, vi o êxodo rural, que no país todo foi igual. Esta política de entulhar a cidade de gente sem provê-la com as condições mínimas para uma vida descente. Vi muito menino saindo do Grupo Novo para ficar velho noutras paragens, por não querer limitar a vida às telas que circundavam o Botelho Reis. E vi construir muito meio fio e calçamento, inclusive o da Rua do Sapo que ficou uma uva, pois o cavalo passou a não mais atolar em dia de chuva.

Nestes 60 anos frequentei escola, barbearia, armazém, padaria, clube, oficina e boteco. Aplaudi as paradas com a fanfarra do Ginásio e a Banda do Manuel Reco-Reco. Percorri campos de futebol e pelada. Dei boas pedaladas por estradas que ligavam nada a coisa nenhuma. Mais de uma. De bicicleta subi e desci ruas e avenidas em rotina séria ou, divertida. Joguei bola, botão, bafo e bola de gude o quanto pude. Fiz footing na Praça da Bandeira e no Jardim. Até o fim. Vi a demolição de muita casa bacana e o sumiço das porteiras com o nome das Casas Pernambucanas. Vi briga de moleque, de bêbado e de política. E muita intriga da era paleolítica. Vi que até o marco de abertura da Rio-Bahia, inaugurado pelo Presidente Getúlio, sumiu sem fazer barulho. E que não julguem ser isto normal, embora no Rio de Janeiro tenha sumido até as pesadas vigas da perimetral.

Nestes 60 anos, ouvi o apito da fábrica de tecido tirando o pessoal dos seus lares, até o silenciar de vez os seus teares. Vi fechar a fábrica de saco e muita coisa mais ir pelos ares. Vi a Casa Ema, o prédio ainda está lá, vender sapato vulcabrás, tênis kichut e, chapéu panamá. E, prá gente da roça, sem luxo, chapéu de palha, calça de brim, botina rinchadeira, alpargatas roda, pólvora, chumbinho e cartucho. E a padaria Lamarca vender bolacha e guloseima gostosa de fazer todo moleque ficar meio prosa.

Nestes 60 anos ouvi a Rádio Sirena com sua proposta de cultura serena e, a ZYK-5, do José Brando e Xamego, sem medo, botar fogo na pira com roteiro mais caipira. Dei boas gargalhadas no Cine Brasil, com Mazzaropi em Candinho, Zé Periquito, O Noivo da Girafa, Tristeza do Jeca e, inté Jeca Tatu.“Acorda Jeca! Sei lá de corda, muié!...” No Cine Alencar vi a rapaziada e a juventude, em geral atitude, assistindo filme na “torrinha”, sem ver título ou revista, porque o que menos interessava naquele momento era a cara do artista.

Nestes 60 anos vi a Igreja São José sair do chão para esconder a caixa d’água que existia no morro ao lado e abastecia a cidade com a água da Pinguda. Mais no alto vi os pioneiros que se aventuraram no salto do morro do Cruzeiro para enfeitar com asas nosso céu de brigadeiro. Vi as duas igrejas do Rosário, a antiga e a nova e, um rosário de justificativas para tal e qual mudança alternativa. E vi com muita tristeza a Maria Fumaça sair dos trilhos arrancada pela opção automobilística que hoje engarrafa as estreitas ruas da cidade. O que foi, neste tempo, a mais terrível e verdadeira maldade!

Vi tudo isto e muito mais. E vivi boa parte destes 60 anos pensando na Atenas da Mata que se espalhou pelo vale do Feijão Cru. Uma cidade antiga, bonita, limpa e pacata, cercada de morros e mata. Com ruas de terra e as suas serras que não são mais as mesmas. Com seus caminhos e descaminhos de 160 anos de vida a nos suportar. Uma cidade para se amar e, na medida do possível, contribuir para que tenha dias melhores para se orgulhar. Parabéns, Leopoldina.

 


Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »