22/12/2015 às 10h14min - Atualizada em 22/12/2015 às 10h14min

Diz o provérbio sem ter a vergonha de ser feliz: Filho de peixe 'Gonzaguinha é'.

            O  CANTINHO  MUSICAL  ,  orgulhosamente ,  apresenta um brilhante compositor , que teve , acidental e  prematuramente  ,  sua  passagem  para o outro lado , no auge de sua carreira artística e de sua juventude. Rotulado com um diminutivo para expressar  um gigante da MÚSICA  POPULAR  BRASILEIRA ,   Luiz Gonzaga  do Nascimento  Júnior , mais conhecido como  GONZAGUINHA , é filho adotivo do cantor e compositor Luiz Gonzaga , o GONZAGÃO . Caracterizado por sua postura crítica à ditadura militar no  Brasil ,  teve censuradas várias canções pelo sistema  de opressão que policiava todas as músicas daqueles compositores que mantinham uma resistência contra a vigilância dos censores do regime  . Fundador do Movimento Artístico Universitário  ( MAU ) , com outras expressões artísticas da MPB , Gonzaguinha desponta com seus sucessos em maravilhosa escala de ascendência musical .  Na  metade da década de 70 , no começo da abertura política no  Brasil  ,  inicia uma nova visão poética em suas belas criações , compondo poesias melódicas admiráveis  de tom mais aprazível para o público da época .  Grandes intérpretes  da  MPB  gravaram , com muito sucesso , suas composições  que estão perpetuadas na memória dos que apreciam a boa música.

     No  quadro de suas produções artísticas   , há uma coletânea preciosa de lindas canções  em que O  Cantinho Musical  selecionará algumas conhecidas em uma  triagem cuidadosa .  Iniciaremos    com uma indagação poética sobre o valor  e  a  beleza  de  viver   na singela e pura resposta da criança  que não tem a vergonha de ser feliz , sendo:    “   O  QUE  É  ?  O  QUE  É  ?  “ 
 
  [ “ /  Eu fico com a pureza das resposta das crianças : / É a vida !  É bonita / E é bonita ! / Viver e não ter a vergonha de ser feliz / Cantar , cantar e cantar / A beleza de ser um eterno aprendiz / Eu sei / Que a vida devia ser bem melhor e será / Mas isso não impede que eu repita / É bonita , é bonita e é bonita ! / E a vida ? E a vida o que é , diga lá , meu irmão ? / Ela é a batida de um coração ? / Ela é uma doce ilusão ? / Mas e a vida ? Ela é maravilha ou é sofrimento ? / Ela é alegria ou lamento ? /

O que é ? O que é , meu irmão ? / Há quem fale que a vida da gente é um nada no mundo , / É uma gota , é um tempo / Que nem dá um segundo / Há quem fale que é um divino mistério profundo / É o sopro do criador numa atitude repleta de amor / Você diz que é luta e prazer / Ele diz que a vida é viver / Ela diz que melhor é morrer / Pois amada não é , e o verbo é sofrer / Eu só sei que confio na moça / E na moça eu ponho a força da fé / Somos nós que fazemos a vida / Como der ou puder ou quiser / Sempre desejada por mais que esteja errada , / Ninguém quer a morte , só saúde e sorte , / E a pergunta roda , e a cabeça agita . / Eu fico com a pureza das respostas das crianças : / É a vida ! É bonita e é bonita ! / É a vida ! É bonita e é bonita ! / .  “ ]  .  

Se na visão  filosófica a arte é a imitação da vida  e da natureza , então está delineada na homenagem feita por Gonzaguinha  à mulher cujo nome é Sílvia Buarque , mais conhecida como Dina  que o criou desde menino  , através da letra maravilhosa de uma canção em  que narra sua história no morro de São Carlos . O eixo semântico da música versa sobre a onírica ansiedade de conhecimento do mundo na expectativa de um futuro  melhor , criando uma trajetória épica como se fora o sonho de um guerreiro na busca de suas conquistas , agindo   “  COM  A  PERNA  NO  MUNDO  “ .  
 
  [ “ / Acreditava na vida / Na alegria de ser / Nas coisas do coração / Nas mãos um muito prazer / Sentava bem lá no alto / Pivete olhando a cidade / Sentindo o cheiro do asfalto / Desceu por necessidade / O Dina / Teu menino desceu o São Carlos / Pegou um sonho e partiu / Pensava que era um guerreiro / Com terras e gente a conquistar / Havia um fogo em seus olhos / Um fogo de não se apagar / Diz lá pra Dina que eu volto / Que seu guri não fugiu / Só quis saber como é / Qual é / Perna no mundo sumiu /

E hoje / Depois de tantas batalhas / A lama dos sapatos / É a medalha / Que ele tem pra mostrar / Passado / É um pé no chão e um sabiá / Presente / É a porta aberta / Futuro é o que virá , mas , e daí ? / Ô ô ô e a / O moleque acabou de chegar / Ô ô ô e a / Nessa cama é que eu quero sonhar / Ô ô ô e a / Amanhã bato a perna no mundo / Ô ô ô e a / È que o mundo é que é meu lugar / . “  ]   . 

Uma pequena pausa para expressar  , com  belos recursos poéticos , um tema lírico- amoroso que se desenrola no bailado sonoro de um bolero , simbolizando o pedido de continuidade de um imenso amor , para que se renove   a cada momento nos passos de  dois-pra-lá  e  dois-pra-cá ,  na certeza de que “  COMEÇARIA  TUDO  OUTRA  VEZ  “ .   
 
  [ “ /  Começaria tudo outra vez , se preciso fosse , meu amor / A chama no meu peito ainda queima , saiba , nada foi em vão /  A cuba-libre  da coragem em minha mão / A dama de lilás machucando o coração / A febre de sentir seu corpo inteiro coladinho ao meu / E então eu cantaria a noite inteira / Como eu já cantei e cantarei / As coisas toda que já tive , tenho e sei que um dia terei / A fé no que vira e a alegria de poder olhar pra trás / E ver que voltaria com você / De novo a viver nesse imenso salão /

 Ao som desse bolero , a vida , vamos nós / E não estamos sós , veja , meu bem / A orquestra nos espera , por favor / Mais uma vez , recomeçar / . “  ]  .  

Ainda apresentando canções que versam sobre o sentimento amoroso  , esta música descreve , em um verdadeiro devaneio do amor , a coragem brutal e alucinada de um personagem para declarar sua  imensa paixão à pessoa amada . Gonzaguinha  constrói , em um jogo maravilhoso de palavras míticas  , a confissão amorosa ,  manifestada poeticamente  em   “    EXPLODE  CORAÇÃO  “
 
  [ “ /  Chega de tentar dissimular / E disfarçar e esconder / O que não dá mais pra ocultar / E eu não posso mais calar / Já que o brilho desse olhar / Foi traidor e entregou o que você tentou conter / O que você não quis desabafar e me cortou / Chega de temer , chorar , sofrer , sorrir , se dar / E se perder e se achar e tudo isso que é viver / Eu quero mais é me abrir / E que essa vida entre assim como se fosse o sol / Desvirginando a madrugada / Quero sentir a dor dessa manhã / Nascendo , rompendo , rasgando /

Tomando meu corpo e então eu / Chorando , sofrendo , gostando , adorando , gritando / Feito louco , alucinado e criança / Sentindo o meu amor se derramando  / Não dá mais pra segurar / Explode coração / . “  ]  .  

Gonzaguinha
demonstra nesta canção um drama conjugal  explícito ,  inspirado em fatos , contados a ele , passados  com o cantor e amigo  Agnaldo Timoteo  que vivia um romance perturbado e cheio de desencontros e brigas . A letra da música fala de uma personagem  com excessivas  dores graças ao amor , clamando paz no relacionamento à pessoa amada através de um   “  GRITO  DE  ALERTA  “  .  
 
  [ “ / Primeiro você me azucrina , me corta a cabeça / Me bota na boca um gosto amargo de fel / Depois vem chorando desculpas , assim meio pedindo / Querendo ganhar um bocado de mel / Não vê que então eu me rasgo , engasgo , engulo , / Reflito e estendo a mão / E assim nossa vida é um rio secando / As pedras cortando e eu vou perguntando : até quando ? / São tantas coisinhas miúdas , roendo , comendo , / Arrasando um pouco com nosso ideal / São frases perdidas num mundo de gritos e gestos /

Num jogo de culpas que faz tanto mal / Não quero a razão pois eu sei o quanto  estou errado / O quanto já fiz destruir / Só sinto no ar o momento em que o copo está cheio / E que já não dá mais pra engolir / Veja bem , nosso caso é uma porta entreaberta / Eu busquei a palavra mais certa /  Vê se entende o meu grito de alerta / Veja bem , é o amor agitando meu coração / Há um lado carente dizendo que sim / E essa vida da gente gritando que não / .  “  ]   . 

Revoltado com tanto desrespeito ao ser humano ,  Gonzaguinha manifesta , nesta canção ,  toda a sua agonia diante de tanto descaso , gritando  por melhores momentos na vida do cidadão brasileiro  e expressando um verdadeiro desabafo relacionado aos direitos constitucionais que devem ser respeitados  para o exercício de sua cidadania , através da mensagem :  “  É  “  .
 
  [ “ /  É ! / A gente quer valer o nosso amor / A gente quer valer nosso suor / A gente quer valer nosso humor / A gente quer do bom e do melhor ... / A gente quer carinho e atenção / A gente quer calor no coração /  A gente quer suar , mas de prazer / A gente quer é ter muita saúde / A gente quer viver a liberdade / A gente quer viver felicidade ... / É ! / A gente não tem cara de panaca / A gente não tem jeito de babaca / A gente não está / Com a bunda exposta na janela / Pra passar a mão nela ... /

 É ! / A gente quer viver pleno direito / A gente quer viver todo respeito / A gente quer viver uma nação / A gente quer é ser um cidadão / A gente quer viver uma nação ... / É! É! É! É! É! É! É! / . “  ]  .   

Gonzaguinha extrapola todo panorama  mítico nesta canção , levando-nos a uma inferência que concilia duas bases da linda poesia : PALAVRA  e  VIDA  .  A manifestação do poema reflete que  “  dizer é viver “ representado no significado  da palavra “ sangrar “ , conotando justamente  “ dizer a própria vida “ por inteiro , por intermédio de um agrupamento de termos líricos , pedindo ou  implorando , por caridade , ouvir  suas palavras que provam o que é improvável : o sentimento , o que se expressa na canção  “   SANGRANDO  “ .  
 
  [ “ /  Quando eu soltar a minha voz / Por favor entenda / Que palavra por palavra / Eis aqui uma pessoa se entregando / Coração na boca / Peito aberto / Vou sangrando / São as lutas dessa nossa vida / Que eu estou cantando / Quando eu abrir minha garganta / Essa força tanta / Tudo que você ouvir / Esteja certa / Que estarei vivendo / Veja o brilho dos meus olhos / E o temor nas minhas mãos / E o meu corpo tão suado / Transbordando toda nossa emoção / E se eu chorar / E o sal molhar o meu sorriso /

 Não se espante , cante / Que o teu canto é a minha força / Pra cantar / Quando eu soltar a minha voz / Por favor , entenda / É apenas meu jeito de viver / O que é amar / “ .  ]   

Marcado por um posicionamento de esquerda e por uma convicção ideológica , Gonzaguinha compõe várias canções contra o comportamento austero da política  durante o período da Ditadura Militar no Brasil . O canto poético que apresentaremos expressa   , em suas linhas , uma referência  à resistência do movimento estudantil à repressão militar , não temendo a força do poder de um  regime opressivo  , saindo em busca de uma “ manhã desejada “  ,  conclamando  todos em :     “  E  VAMOS  À  LUTA ! “ . 
 
  [ “ /  Eu acredito é na rapaziada / Que segue em frente e segura o rojão / Eu ponho fé é na fé da moçada / Que não foge da fera e enfrenta o leão / Eu vou à luta com essa juventude / Que não corre da raia a troco de nada / Eu vou no bloco dessa mocidade / Que não ta na saudade e constrói / A manhã desejada / Aquele que sabe que é negro / O coro da gente / E segura a batida da vida o ano inteiro / Aquele que sabe o sufoco de um jogo tão duro / E apesar dos pesares ainda se orgulha de ser brasileiro /

 Aquele que sai da batalha / Entra no botequim , pede uma cerva gelada / E agita na mesa logo uma batucada / Aquele que manda o pagode / E sacode a poeira suada da luta e faz a brincadeira / Pois o resto é besteira / E nós estamos pelai ... /  Eu acredito é na rapaziada ...... /  . “  ]  . 

Com uma singeleza poética para declarar seu mais puro amor à mulher amada  , utilizando  caracteres  que desenvolvem em uma relação amorosa , Gonzaguinha compõe uma linda canção  , exteriorizando  todo tipo de desejo que se evidencia nos sentimentos do amor , demonstrando a transformação da inocência de um menina  à maturidade da mulher amada  , como cena inacabada de um   “  INFINITO  DESEJO  “
 
  [ “ / Ah , infinito delírio chamado desejo / Essa fome de afagos e beijos / Essa sede incessante de amor / Ah , essa luta de corpos suados / Ardentes e apaixonados / Gemendo na ânsia de tanto se dar /  Ah, de repente o tempo estanca / Na dor do prazer que explode  / É a vida , é a vida , é a vida , e é bem mais / Esse teu rosto sorrindo / Espelho do meu vulcão da alegria /  Te amo , te quero , meu bem não me deixe jamais / E eu sinto a menina brotando da coisa linda / Que é ser mulher / Oh santa madura inocência / O quanto foi bom e pra sempre será /  E o que mais importa é manter essa chama /  Até quando eu não mais puder / . “   ] 

  .   Uma bela canção de muito otimismo e bastante esperança expressa na poesia de Gonzaguinha que representa uma apologia à fé dos homens que sonham com toda beleza e harmonia da vida na perspectiva de tudo se tornar realidade  , manifestada  na sabedoria de um menino  , propondo , poeticamente , muita coragem na conquista em um amanhã maravilhoso  com uma bela  mensagem musical  :  “  NUNCA  PARE  DE  SONHAR  .   
 
  [ “ / Ontem um menino que brincava me falou / Hoje é a semente do amanhã / Para não ter medo que este tempo vai passar /  Não se desespere nem pare de sonhar / Nunca se entregue, nasça sempre com as manhãs / Deixe a luz do sol brilhar no céu de seu olhar / Fé na vida , fé no homem ,  fé no que virá / Nós podemos tudo , nós podemos mais /  Vamos lá fazer o que será /. “ ]  . 

 

Em uma bela visão lírico-amorosa , Gonzaguinha compõe uma canção repleta de expressões que traduzem os mais puros  sentimentos , estruturados em uma linguagem poética que envolve o amor de alguém , na esperança de retornar aos braços da pessoa amada . Na ânsia de não perdê-la , declara apaixonadamente    “   ESPERE POR MIM , MORENA  “ . 
 
  [ “ / Espere por mim , morena / Espere que eu chego já / O amor por você , morena / Faz a saudade me apressar / ( BIS ) / Tire um sono na rede / E deixa a porta encostada / Que o vento da madrugada / Já me leva pra você / E antes de acontecer o sol / A barra vir quebrar /  Estarei nos teus braços / Para nunca mais voar / E nas noites de frio / Serei o teu cobertor / Quentarei o teu corpo / Com  meu calor ./  Ah , minha santa , te juro / Por Deus Nosso Senhor / Nunca mais , minha morena , / Vou fugir do teu amor . /Espere por mim , morena , / Espere que eu chego já  / O amor por você , morena , / Faz a saudade me apressar . / ( BIS ) / “  ]  .


        O   CANTINHO  MUSICAL  , cuidadosamente , fez uma triagem minuciosa  das belas canções que mais se identificam com os amantes das poesias de GONZAGUINHA , contidas  em um vasto repertorio de músicas , compostas com muito sentimento , competência e amor à arte de expressar-se por meio de palavras que manifestam e , ao mesmo tempo , camuflam o que pensou e o que quis dizer .

      “   AS  DORES  PROFUNDAS  , CONTIDAS NOS CORAÇÕES  DOS QUE COMUNGAM COM A BOA MÚSICA  , MANIFESTAM-SE NA TRISTE  EFEMERIDADE DA VIDA QUE ABRIU UMA GRANDE FERIDA  EM NOSSAS ALMAS  COM A PASSAGEM PREMATURA  DE UM DOS GRANDES COMPOSITORES DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA   “
 
Link
Tags »
Leia Também »
Comentários »