19/02/2016 às 13h13min - Atualizada em 19/02/2016 às 13h13min

Semana dos poemas de Vinícius de Moraes

Um  dos  ícones  na  relação  dos  poetas  brasileiros  e  de  enorme  projeção  no  público  é  , indubitavelmente ,  VINÍCIUS  DE  MORAES  ,  uma  personalidade  presente  no  quadro  cultural  da  música  e  da  literatura ,  marcada por  uma  densa  e  maravilhosa  atmosfera  de  lirismo  .  Agente  obstinado  das  grandes  emoções  ,  VINÍCIUS  observa  o mundo  que o  envolve  sentimentalmente  e  constrói  suas  poesias .  Seu  lirismo ,  pautado  em  seus  poemas  amorosos  ,  evidencia  a  dessacralização  do  amor  , caracterizado  profundo  sentimento  de  posse  ,  aceitando  as limitações  amorosas .

O  CANTINHO  POÉTICO   reserva  ,  em  seu  espaço  semanal  , lugar  para  uma  bela  exposição   das  poesias  do     “  POETINHA  “  ,  Vinícius  de  Moraes  . Desfilaremos  alguns  poemas  bastante  conhecidos  daqueles  que  apreciam  as  boas  poesias  . 

 

SONETO  DA  SEPARAÇÃO

De  repente   do  riso  fez-se  o  pranto
Silencioso  e  branco  como  a  bruma
E das bocas  unidas  fez-se  a  espuma  
E  das  mãos  espalmadas  fez-se  o  espanto.

De  repente  da  calma  fez-se  o  vento  
Que  dos  olhos  desfez  a  última  chama 
E  da  paixão  fez-se  o  pressentimento  
E  do  momento  imóvel  fez-se  o  drama  .

De  repente  ,  não  mais  que  de  repente  
Fez-se  de  triste  o  que  se  fez  amante  
E  de  sozinho  o  que  se  fez  contente .

Fez-se  do  amigo  próximo  o  distante 
Fez-se  da  vida  uma  aventura  errante  
De  repente  ,  não  mais  que  de  repente 

"SONETO  DA  FIDELIDADE"

De  tudo  ,  ao  meu  amor  serei  atento  
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

 Que  mesmo  em  face  do  maior  encanto  
Dele  se  encante  mais  meu  pensamento  .

Que  vivê-lo  em  cada  vão  momento  
 E  em  seu  louvor  hei  de  espalhar  meu  canto 
 E  rir  meu  riso  e  derramar  meu  pranto  
 Ao  seu  pesar  ou  seu  contentamento .

 E  assim  ,  quando  mais  tarde  me  procure  
Quem  sabe  a  morte  ,  angústia  de  quem  vive  
 Quem  sabe  a  solidão  ,  fim  de  quem  ama 

 Eu  possa  me  dizer  do  amor  ( que  tive ) :
 Que  não  seja  imortal  ,  posto  que  é  chama  
 Mas  que  seja  infinito  enquanto  dure .

VINÍCIUS  DE  MORAES  teve  como  parceiro  musical  ANTÔNIO  CARLOS  JOBIM  com  quem  compôs ,  
para  suas  melodias  ,   vários poemas  em  que  expressam   sentimentos  associados  ao  amor  e  à  saudade  .
 
"CHEGA  DE  SAUDADE"

Vai  ,  minha  tristeza
E  diz  a  ela  
Que  sem  ela  não  pode  ser 
Diz-lhe  numa  prece  
Que  ela  regresse 
Porque  eu  não  posso  mais  sofrer
Chega  de  saudade 
A  realidade  é  que  sem  ela  
Não  há  paz ,  não  há  beleza  
É  só  tristeza  ,  e  a  melancolia    
Que  não  sai  de  mim  ,  não  sai  de mim  
Não  sai  .



 
Mas  se  ela  voltar 
Se  ela  voltar ,  que  coisa  linda  
Que  coisa louca 
Pois  há  menos  peixinhos  a  nadar  no  mar 
Do  que  os  beijinhos  que  eu  darei 
Na  sua  boca ...
Dentro  dos  meus  braços 
Os  abraços  hão  de  ser 
Milhões  de  abraços  apertado  assim 
Colado  assim ,  calado  assim 
Abraços  e  beijinhos  e  carinhos  
Sem   ter  fim 
Que  é  pra  acabar  com  esse  negócio  
De  viver  longe  de  mim .
   


Outra  canção  em  parceria  com  ANTÔNIO  CARLOS  JOBIM  que  foi  o primeiro  sucesso  da  dupla  ,  devido  à   inclusão  do  samba  no  filme  “  ORFEU   NEGRO   “   :

“ FELICIDADE ”

Tristeza  não  tem  fim 
Felicidade  sim  ... 

A  felicidade  é  como  a  pluma  
Que  o  vento  vai  levando  pelo  ar 
Voa  tão  leve 
Mas  tem a  vida  breve 
Precisa  que  haja  vento  sem  parar .

A  felicidade  do  pobre  parece
A  grande  ilusão  do  carnaval 
A  gente  trabalha  o  ano  inteiro  
Por  um  momento  de  sonho 
Pra  fazer  a  fantasia 
De  rei , ou  de  pirata ,  ou  jardineira 
E  tudo  se  acabar  na  quarta-feira

Tristeza  não  tem  fim  
Felicidade  sim  ...


A  felicidade  é  como  a  gota  
De   orvalho  numa  pétala  de flor
Brilha  tranquila     
Depois  de  leve  oscila 
E  cai  como  uma  lágrima  de  amor 

A  minha  felicidade  está  sonhando 
Nos  olhos  de  minha  namorada
É  como  esta  noite 
Passando , passando 
Em  busca  da  madrugada
Falem  baixo  por  favor ...
Pra  que  ela  acorde  alegre  como  o  dia 
Oferecendo  beijos  de  amor  

Triste  não  tem fim 
Felicidade  sim  ... 

 

"SERENATA DO ADEUS"

Ai ,  a  lua  que  no  céu  surgiu 
Não  é  a  mesma  que  te  viu 
Nascer  dos  braços  meus  ...
Cai  a  noite  sobre  o  nosso  amor  
E  agora  só  restou  do  amor 
Uma  palavra  :  adeus ...

Ah ,  vontade  de  ficar 
Mas  tendo  de  ir  embora ...
Ai , que amar é se ir morrendo 
Pela  vida  afora
É  refletir  na  lágrima 
O  momento  breve
De  uma  estrela  pura  
Cuja  luz  morreu  ...



Ó  mulher ,  estrela  a  refulgir 
Parte ,  mas  antes  de  partir 
Rasga  meu  coração  ...
Crava  as  garras  no  meu  peito  em  dor 
E  esvai  em  sangue  todo  o  amor 
Toda  a  desilusão  ... 

Ah ,  vontade  de  ficar 
Mas  tendo  de  ir  embora  ...
Ai , que  amar  é  se  ir  morrendo
Pela  vida  afora 
É  refletir  na  lágrima
O  momento  breve
De  uma  estrela  pura  
Cuja  luz  morreu 
Numa  noite  escura 
Triste  como  eu  ...


“O POETA E A ROSA”
  ( com direito a passarinho )

Ao  ver  uma  rosa  branca
O  poeta  disse :  Que  linda !
Cantarei  sua  beleza
Como  ninguém  nunca  ainda !

Qual  não  é  a  sua  surpresa
Ao  ver ,  à  sua  oração  
A  rosa  branca  ir  ficando 
Rubra  de  indignação .

É  que  a  rosa ,  além  de  branca 
( Diga-se  isso  a  bem  da  rosa ... ) 
Era  da  espécie  mais  franca 
E  da  seiva  mais  raivosa .

_  Que  foi ? balbucia  o poeta 
E  a  rosa  :  _  Calhorda  que  és !
Para  de  olhar  para  cima !
Mira  o  que  tens  a  teus  pés ! 

E  o  poeta  vê  uma  criança 
Suja ,  esquálida ,  andrajosa 
Comendo  um  torrão  da  terra 
Que  dera  existência  à  rosa  .


_  São  milhões ! _  a  rosa  berra
Milhões  a  morrer  de  fome  
E  tu ,  na  tua  vaidade 
Querendo  usar  do  meu  nome !...

E  num  acesso  de  ira 
Arranca  as  pétalas , lança-as
Fora ,  como  a  dar  comida 
A  todas  essas  crianças .

O  poeta  baixa  a  cabeça .
_  É  aqui  que  a  rosa  respira ...
Geme  o  vento .  Morre  a  rosa .
E  um  passarinho  que  ouvira 

Quietinho  toda  a  disputa 
Tira  do  galho  uma  reta  
E  ainda  faz  um  cocozinho 
Na  cabeça  do  poeta  .


“SE  TODOS  FOSSEM  IGUAIS  A  VOCÊ"

Vai  tua  vida 
Teu  caminho  é  de  paz  e  amor ;
A  tua  vida  
É  uma  linda  canção  de  amor  ;
Abre  teus  braços  e  canta  a  última  esperança .
A  esperança  divina  
De  amar  em  paz  .

Se  todos  fossem  iguais  a  você  
Que  maravilha  viver !
Uma  canção  pelo  ar 
Uma  mulher  a  cantar 
Uma  cidade  a  cantar 
A  sorrir ,  a  cantar ,  a  pedir 
A  beleza  de  amar
Como  o  sol ,  como  a  flor ,  como  a  luz 
Amar  sem  mentir  nem sofrer ; 

 Existiria  a  verdade 
Verdade  que  ninguém  vê 
Se  todos  fossem  no  mundo  iguais  a  você . 

"A   ROSA  DE  HIROXIMA"

Pensem  nas  crianças
Mudas  telepáticas
Pensem  nas  meninas
Cegas  inexatas
Pensem  nas  mulheres
Rotas  alteradas
Pensem  nas  feridas
Como  rosas  cálidas
Mas  oh !  não se  esqueçam
Da  rosa  da  rosa
Da  rosa  de  Hiroxima
A  rosa  hereditária
A  rosa  radioativa
Estúpida  e  inválida
A  rosa  com  cirrose
A  antirrosa  atômica
Sem  cor  nem  perfume
Sem  rosa  sem  nada .

 

Com   toda  sua alma  entregue  aos  temas  amorosos  ,   ainda  sobram  espaços  na  bela  memória de  VINÍCIUS  DE  MORAES  para  uma  bela  dedicação  às  poesias  para  crianças .  “   POEMAS   INFANTIS  “  representam  momentos  de  pureza  e  amor  que se fixaram  em nossas lembranças .


“O  ELEFANTINHO “

Aonde  vais ,  elefantinho 
Correndo  pelo  caminho 
Assim  tão  desconsolado ?
Andas  perdido ,  bichinho
Espetaste o  pé  no  espinho
Que  sentes  ,  pobre  coitado ?
_ Estou  com  um  medo  danado
Encontrei  um  passarinho !

"A FOCA"

Quer  ver  a  foca
Ficar  feliz ?
É  pôr  uma  bola 
No  seu  nariz .

Quer  ver  a  foca  
Bater  palminha ?
É  dar  a  ela 
Uma  sardinha .

Quer  ver  a  foca
Fazer  uma  briga  ?
É  espetar  ela 
Bem  na  barriga ! 

"A   CASA"

Era  uma  casa
Muito  engraçada
Não  tinha  teto
Não  tinha  nada
Ninguém  podia
Entrar  nela  não
Porque  na  casa
Não  tinha  chão
Ninguém  podia
Dormir  na  rede
Porque  na  casa
Não  tinha  parede
Ninguém  podia
Fazer  pipi
Porque  penico
Não  tinha  ali
Mas  era  feita  
Com  muito  esmero 
Na  rua  dos  bobos  
Número  Zero  .


"AS   ABELHAS"

A   AAAAAAABELHA  mestra
E    aaaaaaa  abelhinhas 
Estão   tooooooodas   prontinhas 
Pra   iiiiiiir   para  festa .
Num  zune  que  zune 
Lá vão  pro  jardim 
Brincar  com  a  cravina 
Valsar  com  o  jasmim .

Da  rosa  pro  cravo 
Do  cravo  pra  rosa 
Da  rosa  pro  favo
Volta  pro  cravo .

Venham  ver  como  dão  mel  
As  abelhinhas  do  céu  !

 

 

 

 

 

Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »