09/04/2016 às 07h56min - Atualizada em 09/04/2016 às 07h56min

As rosas exalam e exaltam a presença do doce

Nascido em 11 de outubro de 1908, no bairro do Catete , registrado com o nome de  ANGENOR DE OLIVEIRA  , iluminado  pelo olhar divino e batizado pelo mundo do samba  como CARTOLA  , faz jus ao apelido que , ao mesmo tempo, significa um saboroso doce do Nordeste do Brasil e parte da elegância de um vestuário que se combina com fraque. Pelo constante uso de um chapéu - coco para se proteger do cimento ,quando era servente de obra, ganhou, dos colegas de trabalho, o apelido de CARTOLA, motivo suficiente para ser rotulado como  uma das maiores expressões no mundo do samba .

       Poeta de primeira linha , Cartola consegue conviver , harmoniosamente , com a veia musical como cultor de sambas ritmados e lentos  e como escritor de imagens filosóficas  expressas  em forte misticismo . Foi considerado pelos críticos musicais como o maior sambista da Música Popular Brasileira .

      Cartola curtiu sua infância no bairro do Catete e lá aprendeu com o pai a tocar cavaquinho e violão. A família passa por muita dificuldade financeira , sendo obrigada a mudar-se para o morro de Mangueira. Lá ,conheceu os grandes baluartes do samba e , em pouco tempo, já era considerado um apêndice daquele celeiro de grandes poetas . Foi um dos fundadores da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, tendo sugerido nome para a escola e as cores verde e rosa , símbolo da Agremiação. Compôs o primeiro samba-enredo :  “ Chega de Demanda “. No início da década de 40 , desaparece do cenário musical carioca, sendo encontrado , lavando carro em Ipanema ,por Sérgio  Porto , mais conhecido como Stanislaw Ponte Preta, colocando  o grande sambista da Música Popular Brasileira  novamente no cenário musical . Posteriormente, sua companheira , Zica , recebe uma proposta para alugar um espaço na rua da Carioca, 53 , onde poderia vender sua comida . Dessa proposta surgiu o mítico Zicartola , lugar que , além de Cartola , projetou vários sambistas esquecidos e serviu de palco para as primeiras  apresentações de Paulinho da   Viola .  Sua produção artística  edifica um perfeito quadro musical que se perpetuou no cenário da Música Popular Brasileira . Chegou o momento de desfilarmos o estojo de jóias  raras , fruto de uma bela criatividade que só pode ser justificada pela luminosidade de Deus .

Inicialmente, não poderíamos deixar de apresentar e , até mesmo , iniciar com “ As  Rosas Não Falam “, uma das mais belas e conhecidas composições musicais . Tudo passa pela hipótese da perda da amada e sua ida à sepultura  da esposa , na esperança de com ela falar  e na certeza de que deve chorar de saudade, pois sabe que não voltará , então queixa-se às rosas no jardim do túmulo  .  [“  Bate outra vez / Com esperança o meu coração / Pois já vai terminando o verão enfim / Volto ao jardim / Com a certeza que devo chora / Pois bem sei que não queres voltar / Para mim / Queixo-me às rosas / Mas que bobagem as rosas não falam / Simplesmente as rosas exalam / o perfume que rouba de ti, ai... / Devias vir para ver os meus olhos tristonhos / E quem sabe sonhavas meus sonhos por fim .”] .

Outra pérola é “ O Mundo é Um Moinho”. Dizem que se tratava de um conselho de Cartola para uma enteada que pretendia sair de casa e viver uma vida livre, na verdade a letra é , para as mocinhas ,  um lembrete sobre a transitoriedade da vida .  [  “  Ainda é cedo, amor, / Mal começaste a conhecer a vida / Já anuncias a hora de partida / Sem saber mesmo o rumo que irás tomar ./ Presta atenção, querida, / Embora eu saiba que estás resolvida / Em cada esquina cai um pouco a tua vida / Em pouco tempo não serás mais o que és./ Ouça-me bem , amor, / Presta atenção o mundo é um moinho ,  / Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos / Vai reduzir as ilusões a pó /Presta atenção, querida , / De cada amor tu herdarás só o cinismo /Quando notares , estás à beira do abismo / Abismo que cavaste com teus pés . “   ] . 

Em seu tesouro musical encontramos muitas joias que justificam o considerável nível de inspiração poética. Há expresso em seu poema uma exaltação à sua querida escola de samba , pela maneira como os componentes humildes e pobres recebem , na  “Sala de Recepção  “ , os inimigos como se fossem irmãos .  [ “   / Habitada por gente simples e tão pobre / Que só tem o sol que a todos cobre / Como pode, Mangueira, cantar? /Pois então saiba que não desejamos mais nada / A noite , a lua prateada / Silenciosa  ouve nossas canções /  Tem lá no alto um cruzeiro / Onde fazemos nossas orações  / E temos orgulho de ser os primeiros campeões /  / E digo e afirmo que a felicidade aqui mora / E as outras escola até choram / Invejando a tua posição / Minha Mangueira essa sala de recepção / Aqui se abraça  inimigo / Como se fosse irmão .”  ]  . 

Cartola  simboliza , nesta canção , o Sol como um novo amor cuja esperança o faz sorrir diante da vida , na expectativa de ter uma alegria amorosa : “ O Sol  Nascerá “  [ “ A sorrir / Eu pretendo levar a vida / Pois sonhando/ Eu vi a mocidade perdida / ( BIS ) / Finda tempestade / O sol nascerá / Finda esta saudade / Hei de ter outro alguém para amar /. “ ] .  





Com imensa dificuldade em criar uma música pela ausência de inspiração, por  excessiva saudade da amada , o mestre da arte musical , em parceria com Elton Medeiros , relata o tema em forma de canção “ Peito Vazio “  [ “ Nada consigo fazer/ Quando a saudade aperta / Foge-me a inspiração / Sinto a alma deserta / Um vazio se faz em meu peito / E de fato eu sinto / Em meu peito um vazio / E faltando as suas carícias / As noites são longas / E eu sinto mais frio / Procuro afogar no álcool  / A tua lembrança /Mas noto que é ridícula / A minha vingança  / Vou seguir os conselhos / De amigos /E garanto que não beberei/ Nunca mais /E com o tempo / Essa imensa saudade que sinto / Se esvai / .” ] .  

A natureza promove um belo cenário de tranquilidade e alegria no morro , demonstrado em uma aquarela pintada pelo sol . Foi o quadro inspirador  para o poeta criar “  Alvorada “  [ “ Alvorada / Lá no morro que beleza/ Ninguém chora não há tristeza / Ninguém sente dissabor /. O sol colorindo é tão lindo, é tão lindo / E a natureza sorrindo, tingindo, tingindo ( a alvorada ) / Você também me lembra a alvorada / Quando chega iluminando / Meus caminhos tão sem vida / Mas o que me resta é tão pouco / Ou quase nada, do que ir assim, vagando / Nesta estrada perdida /. “  ]  . 

Com um senso de liberdade e uma enorme facilidade de apreciar a natureza, Cartola compôs ] .“ Preciso me Encontrar “ .  [  “ Deixe-me ir , preciso andar / Vou por aí a procurar / Rir pra não chorar /  ( BIS ) /  Quero assistir ao sol nascer, / Ver as águas dos rios correr, / Ouvir os pássaros cantar. /Eu quero nascer quero viver... / Deixe-me ir. /Preciso andar. /Vou por aí a procurar /Rir pra não chorar. /Se alguém por mim perguntar, /Diga que eu só vou voltar / Depois que eu me encontrar.../ “ ]  

A imensa satisfação do Poeta com a possível presença da mulher amada, espantando a tristeza ,  faz o Sol espelhar muitas felicidades , pedindo :  “ Corra e Olhe o Céu “ [  Linda / Te sinto mais bela / Te fico na espera/ Me sinto tão só /Mas o tempo que passa / Em dor maior , bem maior /  Linda no que se apresenta / O triste se ausenta / Fez-se a alegria / Corra e olhe o céu / Que o sol vem trazer bom dia / Ai corra e olhe o céu / Que o sol vem trazer bom dia / . “  ]  .

Desiludido pela infelicidade que lhe causou seu primeiro amor pela efemeridade do sentimento amoroso , o Poeta expressa veementemente seu desejo : “ Não  Quero Mais Amar a Ninguém “  [ “ Não quero mais / Amar a ninguém / Não fui feliz / O destino não quis / O meu primeiro amor / Morreu como a flor /Ainda em botão / Deixando espinhos /Que dilaceram meu coração / Semente de amor sei que sou desde nascença, / Mas sem ter a vida e fulgor, eis minha sentença, / Tentei pela primeira vez um sonho vibrar, / Foi beijo que nasceu e morreu, sem se chegar a dar,. /(bisa a primeira parte) / Às vezes dou gargalhada ao lembrar do passado, / Nunca pensei em amor, nunca amei nem fui amado, / Se julgas que estou mentindo, jurar sou capaz, / Foi simples sonho que passou e nada mais / . “ ] .  

Há nesta canção uma pérola musical motivada como resposta  à pergunta da segunda esposa de Cartola ,  Dona Zica , indagando se existiu , no passado , algum amor comparado ao dela . Eis a sutileza da resposta em forma de um samba sincopado : “ TIVE , SIM “  .  [“ Tive , sim / Outro grande amor antes do teu / tive,sim / O que ela sonhava era os meus sonhos e assim / Íamos vivendo em paz /  Nosso lar , em nosso lar sempre houve alegria / Eu vivia tão contente / como contente ao teu lado estou / Tive, sim / mas comparar com o teu amor seria o fim / Eu vou calar / Pois não pretendo , amor , te magoar ! “  ]  .

Cartola  personifica , poeticamente , o seu violão , transferindo para o instrumento toda sensibilidade amorosa do ser humano . “ Cordas de Aço “ [ “ Ah! Estas cordas de aço/ E este minúsculo braço / Do violão que os dedos meus acariciam /Ah! Este bojo perfeito / Que trago junto ao meu peito / Só você , violão, / Compreende porque perdi toda alegria /  E no entanto meu pinho / Pode crer, eu adivinho / Aquela mulher / Até hoje está nos esperando / Solte o teu tom da madeira / Eu você e a companheira / A madrugada iremos pra' casa cantando /.“ ].   

Com uma frieza admirável, o mestre ,  expressa , em formato  poesia,  cenário de uma separação amorosa na canção “ Acontece “  [ “ Esquece nosso amor vê se esquece / Porque tudo no mundo acontece/ E acontece porque não sei mais amar /Vai chorar vai sofrer/ E você não merece / mas isso acontece / Acontece que meu coração ficou frio / E o nosso ninho de amor está vazio / Se eu ainda pudesse fingir que te amo / Ah, se eu pudesse / Mas não posso, não devo fazê-lo / Isso não acontece / . “ ]. 

Todo um lamento poético expresso em um pedido de perdão por não ser feliz no amor . Nesta canção o Poeta manifesta a confirmação de um sentimento dolorido , através de um termo  : “ SIM “   [ “ Sim / Deve haver um perdão / Para mim /Senão não sei qual será / O meu fim / Para ter uma companheira / Até promessas fiz /Consegui um grande amor / Mas eu não fui feliz / E com raiva para os céus / Os braços levantei / Blasfemei / Hoje todos são contra mim / Todos erram neste mundo / Não há exceção / Quando voltam a realidade / Conseguem perdão / Porque é que eu , Senhor / Que errei pela vez primeira / Passo tantos dissabores / E luto contra a humanidade inteira /. “ ].

Camuflando toda dor do poeta com um simples sorriso , para não expor seu sofrimento através das lágrimas , denota enorme engano em : “ Quem me Vê Sorrindo “  [  “  Quem me vê sorrindo / Pensa que estou alegre / O meu sorriso / É por consolação / Porque sei conter / Para ninguém ver / O pranto do teu coração /  O que eu sofri por esse amor, talvez / Não compreendeste e se eu disser não crês / Depois de derramado, ainda soluçando / Tornei-me alegre, estou cantando  /  {  Quem me vê sorrindo... } / Compreendi o erro de toda humanidade / Uns choram por prazer e outros com saudade / Jurei e a minha jura jamais eu quebrarei / Todo pranto esconderei / {  Quem me vê sorrindo...  } / . “ ]  .

Com a alma bem tranqüila , o Poeta faz um relato satisfatório sobre os sentimentos caracterizados no  pranto do povo de Mangueira  a respeito da possibilidade de sua morte   [ “ Pranto do Poeta “ . [ Em Mangueira / Quando morre / Um poeta / Todos choram / Vivo tranquilo em Mangueira porque / Sei que alguém há de chorar quando eu morrer / Mas o pranto em Mangueira / É tão diferente / É um pranto sem lenço / Que alegra agente / Hei de ter um alguém pra chorar por mim / Através de um pandeiro ou de um tamborim . “ ]. 

O acompanhamento musical com seu amigo violão transforma a tristeza do adeus  no contentamento festivo do retorno da mulher amada , preparando com imensa alegria a :  “ Festa da Vinda “  [ “ Eu e meu violão/ Vamos rogando em vão/ O teu regresso / Se soubesses como choro / E como peço / Pra que nosso fracasso/ Se transforme  em sucesso / Apesar de todo erro espero ainda/ Que a festa do adeus / Seja a festa da vinda / Já perdi tantos amores / Não notei diferença / Pensei que passavam séculos / Sem a sua presença / Misturada entre as pedras preciosas / do mundo / Com um simples olhar / A você não confundo / . “ ]  .    E outras maravilhas musicais que não foram citadas    
       Cartola construiu , esteticamente , seus sambas com certa ginga do povo simples do Morro de Mangueira  e ritmou-os com  a batucada que aqueles sambistas cadenciavam através  de suas  almas e das batidas de seus corações  . Ainda com suas belas  canções , criou um lugar de encontro  na música brasileira , expressando uma mistura de raças , um compartilhamento de esperança e uma solidariedade  com sotaque de samba , mas de conteúdo universal , eminentemente humano.
        O  CANTINHO  MUSICAL curva-se em  desculpas pelo pequeno demonstrativo musical e por outras maravilhas que não foram citadas , motivado pela limitação de espaço da coluna e pela imensidão da brilhante produção poética do nosso    MESTRE   CARTOLA “
 
 
“  OS  ADEPTOS  DA  BOA  POESIA  CADENCIADA  POR  UMA  HARMONIA  MUSICAL  DEVEM  TODO  SEU  ENCANTO  PELOS  CANTOS  DE  CARTOLA  ,  PORQUE  É  POR  MEIO  DE  SUAS  CANÇÕES  QUE  A  MAIS  DIVINA  EXPRESSÃO  POÉTICA  PERFURA  A  ALMA  DOS  BONS  APRECIADORES  DA  BOA  MÚSICA  .
 
WALDEMAR  PEDRO  ANTONIO                                             E-MAIL   [email protected]
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »