26/08/2016 às 08h57min - Atualizada em 26/08/2016 às 08h57min

Compositor e intérprete carismático de nossos sambas: Zeca Pagodinho

POR WALDEMAR PEDRO ANTÔNIO
Com  diminutivo  no  nome e  um  belo  aumentativo  na  alma e  na  interpretação  do  nosso SAMBAZECA   PAGODINHO ,   nome  artístico  de  Jessé Gomes da Silva Filho,  nasceu  no  Rio  de  Janeiro ,  no dia  4  de  fevereiro de  1959 , é um  cantor  e  compositor  brasileiro ,  com  um  carisma inigualável , considerado  um  grande  nome  do  gênero  samba  e  pagode .  Começou sua carreira nas rodas de samba dos bairros de  Irajá  e  Del  Castilho subúrbios  do Rio de Janeiro . Além de  excelente  intérprete  e  compositor , é  responsável  por  tirar  do  ostracismo  grandes  compositores  de  sambas ,  dando-lhes  oportunidade para  amostra  de  seus  trabalhos através  de suas gravações , razão por  que  é  considerado  e  respeitado  por  todos  no  mundo  do  samba .  Sempre fiel a suas características de irreverência e jocosidade, Zeca  recebe também reconhecimento da crítica , de  artistas  e de compositores consagrados. Sua primeira  gravação  foi  em 1983, com o     samba   "  Camarão que dorme a onda leva", de sua autoria e de Arlindo Cruz, atendendo  a um convite de sua madrinha  Beth Carvalho. Este   samba  é  uma  bela  alusão ao desprezo  amoroso, sendo  interpretado, comparando  expressões  populares  com  o  tema  da canção que  faz uma  demonstração de  um  sentimento  amargurado , porém  com  uma  forte  mensagem   sobre  uma  possível  reação   em relação  a  um  descaso  do  amor  .
CAMARÃO  QUE  DORME  A  ONDA  LEVA “  [ “ /  Não pense que meu coração é de papel / Não brinque com o meu interior / Camarão que dorme a onda leva / Hoje é o dia da caça / Amanhã do caçador / (BIS) /  Não quero que o nosso amor acabe assim / Um coração quando ama é sempre amigo / Só não faça gato e sapato de mim / Pois é aquele que dá pão, também  dá castigo /  (BIS) / ( Não pense que meu coração )  / Não veja  meu sentimento como desdém / enquanto o bem existir o mal tem cura / A pedra é muito forte mas tem um porém, meu bem / A água tanto bate até que fura / A pedra é muito forte mas tem um porém, meu bem / A água tanto bate até que fura / (Não pense que meu coração) / . “  ]  . 



Serginho  Meriti  e  Eri  do  Cais  compuseram um belo  samba que  foi  um  sucesso  na  voz  de  Zeca  cujo eixo  semântico versa  sobre uma  linda  visão de otimismo  e  uma perseverança sobre a vida , expondo  , didaticamente , uma  receita  para vencer  as  agruras  em  que  vivemos  com  grande esperança  e  paciência :   “  DEIXA  A  VIDA  ME  LEVAR   “ .  [ “ / Eu já passei por quase tudo nessa vida / Em matéria de guarida / Espero ainda a minha vez / Confesso que sou de origem pobre / Mas meu coração é nobre / Foi assim que Deus me fez / E deixa a vida me levar (vida leva eu!) / Deixa a vida me levar (vida leva eu!) / Deixa a vida me levar (vida leva eu!) / Sou feliz e agradeço / Por tudo que Deus me deu / Só posso levantar as mãos pro céu / Agradecer e ser fiel / Ao destino que Deus me deu / Se não tenho tudo que preciso / Com o que tenho, vivo / De mansinho lá vou eu / Se a coisa não sai do jeito que eu quero / Também não me desespero / O negócio é deixar rolar / E aos trancos e barrancos, lá vou eu! / E sou feliz e agradeço / Por tudo que Deus me deu / Deixa a vida me levar (vida leva eu ! ) / Deixa a vida me levar (vida leva eu ! )  / Deixa a vida me levar (vida leva eu ! )  / Sou feliz e agradeço  /  Por tudo que Deus me deu / . “ ] .   


A  descoberta  sobre  a  verdade  do  amor  deixa  a  alma  da  pessoa  amada  em  grande  contentamento , permitindo  uma  sincera declaração de sua  paixão ,  pois  foi  no  samba  composto  por  Carlinho   Santana  e  Nélson  Rufino  que  Zeca  ilustrou  com  sua bela  interpretação ,  desfraldando  todos  os belos  sintomas presentes   no  sentimento  amoroso  manifestado  na  pura  “  VERDADE  “   .   [ “ /   Descobri  que te amo demais / Descobri  em você minha paz / Descobri  sem querer a vida / Verdade / Pra ganhar teu amor fiz mandinga / Fui à ginga de um bom capoeira / Dei rasteira na sua emoção / Com o teu coração fiz zoeira / Fui à beira de um rio e você / Uma ceia com pão, vinho e flor / Uma luz pra guiar sua estrada / Na entrega perfeita do amor / /Verdade / Descobri que te amo demais / Descobri em você minha paz / Descobri sem querer a vida / Verdade / Como negar essa linda emoção / Que tanto bem fez pro meu coração / A minha paixão adormecida / Teu amor, meu amor, incendeia / Nossa cama parece uma teia / Teu olhar uma luz que clareia / Meu caminho tal qual lua cheia / Eu nem posso pensar te perder / Ai de mim, esse amor terminar / Sem você, minha felicidade / Morreria de tanto penar / Verdade /  Descobri que te amo demais / Descobri em você minha paz / Descobri sem querer a vida / Verdade / . “   ]  .  

Conceitos  e  definições  sobre  o  AMOR  já passaram  pelas  minhas  vistas  em  situações  incontáveis ,  entretanto ,  me  curvo  sobre  a  conceituação  metafórica  desse Poeta  popular  conhecido  no mundo  do  samba  como ALMIR  GUINETO . Maravilhosa  descrição  feita  em  cada  verso de seu poema , demonstrando  as  ações líricas intrínsecas  em  cada  palavra  de  sua  poesia  . Responsável  por  levar  esta  obra  maravilhosa  a  todos  que  curtem  uma boa  música , ZECA  PAGODINHO ,  numa  expressão  que  coaduna  com  o  tema  da  canção ,         manifesta  um  sentimento  de  pureza  e respeito  à  intocável  criação  musical  :                       “   LAMA  NAS  RUAS  “ .   [ “ /  Deixa / Desaguar  tempestade, / Inundar a cidade, / Porque arde um sol dentro de nós. / Queixas, / Sabes bem que não temos / E seremos serenos. / Sentiremos prazer no tom da nossa voz. / Veja o olhar de quem ama. / Não reflete um drama, não. / É a expressão mais sincera, sim. / Vim pra provar que o amor, quando é puro, / Desperta e alerta o mortal. / Aí é que o bem vence o mal. / Deixa a chuva cair, que o bom tempo há de vir. / Quando o amor decidir mudar o visual / Trazendo a paz no sol. / Que importa se o tempo lá fora vai mal? / Que importa / Se há tanta lama nas ruas / E o céu é deserto e sem brilho de luar? / Se o clarão da luz / Do teu olhar vem me guiar, / Conduz meus passos / Por onde quer que eu vá. / (BIS) / .  “  ]  .

MONARCO  da Portela  está  presente  com seus  sambas em todas  as  gravações  de Zeca , porque , além do respeito e admiração , reconhece o valor  de  suas canções . Este samba fala  sobre  uma  ingratidão  amorosa de  alguém que , depois  de  receber  todo  carinho  e  amparo do  ente  apaixonado , vai  embora ,  abandonando   a  pessoa  amada  e  deixando-a  com  uma  enorme  sensação  de  perda , consequentemente , diante  de   uma  grande  desilusão ,  curtindo  a  dor  de  um  sentimento  de  paixão ,  com  o   seu  “  CORAÇÃO  EM  DESLINHO  “  .   [ “  /  Numa estrada dessa vida / Eu te conheci / Oh Flor! / Vinhas tão desiludida / Mal sucedida / Por um falso amor... / Dei afeto e carinho / Como retribuição / Procuraste um outro ninho / Em desalinho / Ficou o meu coração / Meu peito agora é só paixão / Meu peito agora é só paixão... / Tamanha desilusão / Me deste / Oh Flor! / Me enganei redondamente / Pensando em te fazer o bem / Eu me apaixonei / Foi meu mal... / Agora! / Uma enorme paixão me devora / Alegria partiu, foi embora /  Não sei viver sem teu amor / Sozinho curto a minha dor... / Sozinho curto a minha dor... / “  ]   . 

Ainda  de  MONARCO  e  RATINHO , grande  sucesso na interpretação de ZECA ,  um  samba  que faz  um relato  do comportamento  da  mulher  que , embora tendo todo amparo de seu  amado ,  dá   preferência à  orgia , optando  por  uma  vida  com bastante liberdade , deixando  o parceiro  inconformado  com  atitude  da  companheira  , dizendo  :   “   VAI   VADIAR  “  .  [ “ /  Eu quis te dar um grande amor  / Mas você não...se acostumou / A vida de um lar / O que você quer é vadiar / Vai vadiar, vai vadiar / Vai vadiar, vai vadiar (vai vadiar) / Vai vadiar, vai vadiar / Vai vadiar, vai vadiar / Agora não precisa se preocupar / Se passares da hora / Eu não vou mais lhe buscar / Não vou mais pedir / Nem tampouco implorar / Você tem a mania de ir pra orgia só quer vadiar / Você vai pra folia se entrar numa fria / Não vem me culpar, vai vadiar! / Vai vadiar, vai vadiar / Vai vadiar, vai vadiar (vai vadiar) / Vai vadiar, vai vadiar / Vai vadiar, vai vadiar / Quem gosta da orgia / Da noite pro dia não pode mudar / Vive outra fantasia / Não vai se acostumar / Eu errei quando tentei lhe dar um lar / Você gosta do sereno e meu mundo é pequeno / Pra lhe segurar / Vai procurar alegria / Fazer moradia na luz do luar, vai vadiar! / Vai vadiar, vai vadiar / Vai vadiar, vai vadiar / Vai vadiar, vai vadiar / Vai vadiar, vai vadiar./ “ ]  .

A  expressão “ pisar na  bola “ , parte  da  gíria  brasileira ,  pode  ser o  tema  desta  crônica  musical . Uma  verdadeira  Amélia , mulher irretocável ,  que cumpria  com  perfeição  os  caprichos do companheiro , até  que , depois  de  ele  armar  tanta  confusão  , ela  dispensou-o :  bem feito !     “ AQUILO  QUE  ERA  MULHER  “ .  [ “ /  Aquilo que era mulher / Pra não te acordar cedo, saia da cama na ponta do pé / Só te chamava tarde sabia teu gosto, na bandeja café / Chocolate, biscoito, salada de fruta.....suco de mamão / No almoço era filé mignom  / Com arroz a lá grega, batata corada um vinho do bom / No jantar era a mesma fartura do almoço  / E ainda tinha opção / É mais deu mole ela dispensou você / ...Chegou em casa outra vez doidão / ...Brigou com a preta sem razão / ...Quis comer arroz doce com quiabo / ...Botou sal na batida de limão / Deu lavagem ao macaco, banana pro porco, osso pro gato / Sardinha ao cachorro, cachaça pro pato / Entrou no chuveiro de terno e sapato, não queria papo / Foi lá no porão, pegou treisoitão / Deu tiro na mão do próprio irmão / Que quis lhe segurar, eu consegui lhe desarmar / Foi pra rua de novo, entrou no velório pulando a janela / Xingou o defunto, apagou a vela / Cantou a viúva mulher de favela, deu um beijo nela / O bicho pegou a polícia  chegou / Um  coro levou em cana  entrou / E ela não te quer  mais, bem feito / . “  ]  .  

Há  momentos  que  irritam  as  pessoas , quando  alguns  membros  da  sociedade  criticam  as  maneiras de  como se comportam  os  indivíduos  que  fogem  aos  padrões  impostos  pelo meio social em que estão inseridos .  Com  base  neste  gancho  temático ,  Sílvio  da  Silva  compôs  um  samba , sucesso na  interpretação  de  Zeca  Pagodinho  ,  que  reage  a  este  estado  de  coisas , não  dando  satisfação dos atos praticados  aos  que  criticam a  forma de  viver dos outros , rejeitando    certas   “  MANEIRAS  “ .   [ “  /  Se eu quiser fumar, eu fumo / Se eu quiser beber, eu bebo / Eu pago tudo que eu consumo / Com o suor do meu emprego / Confusão eu não arrumo / Mas também não peço arrego / Eu um dia me aprumo / Pois tenho fé no meu apego / Eu só posso ter chamego / Com quem me faz cafuné / Como o vampiro e o morcego / É o homem e a mulher / O meu linguajar é nato / Eu não estou falando grego  / Eu tenho amores e amigos de fato / Nos lugares onde eu chego / Eu estou descontraído / Não que eu tivesse bebido / Nem que eu tivesse fumado / Pra falar de vida alheia / Mas digo sinceramente / Na vida, a coisa mais feia / É gente que vive chorando / De barriga cheia / É gente que vive chorando /De barriga cheia / É gente que vive chorando / De barriga cheia . “ ]  . 

A  enorme  virtude  de  ZECA  PAGODINHO  não  é somente  prestigiar  novos  compositores da   MPB  , mas  também  valorizar  os  grandes  nomes  do  passado  ,  gravando  com  prazer  suas  obras,    deixadas  em  nosso  acervo  musical  excelentes  canções  . Prestigiando  o  grande  sucesso  de  uma  canção  composta  por  Mário  Rossi  e  Roberto  Martins  que versa  sobre  o  prazer  do  beijo aplicado amorosamente  nos  lábios  da  pessoa  amada  e  sentindo  um sabor  divinal ,  o  que leva o  amante  a implorar  :   “   BEIJA-ME   “    [ “ /  Beija-me! / Deixa o teu rosto / Coladinho ao meu / Beija-me! / Eu dou a vida / Pelo beijo teu / Beija-me! / Quero sentir o teu perfume / Beija-me com todo o teu amor / Se não eu morro de ciúme... / Ai! Ai! Ai! Que coisa boa! / O beijinho do meu bem / Dito assim parece à toa / O feitiço que ele tem / Ai! Ai! Ai! Que coisa louca! / O gostinho divinal / Quando eu ponho a minha boca / Nos teus lábios de coral... / “  ]  .

Ainda  prestigiando  compositores  do  passado ,  ZECA  PAGODINHO  interpreta  , com  muita  competência  vocal  ,  uma  composição  de  PIXINGUINHA  e  CÍCERO DE ALMEIDA  que  alerta  a  todos  sobre  o  perigo dos  galanteadores  em  forma  de  gavião que  tomam  as  mulheres  de  seus  maridos  , o  personagem  da  música  perdeu  a mulher  por  causa  do   “  GAVIÃO  CALÇUDO  “.     [ “ / Chorei, porque / Fiquei sem meu amor / O gavião malvado / Bateu asa foi com ela, / E me deixou / (bis) /  Quem tiver mulher bonita / Esconda do gavião / Ele tem unha comprida / Deixa os marido na mão / Mas viva quem é solteiro! / Não tem amor nem paixão / Mas vocês que são casado, / Cuidado com o Gavião! / ( repete  a  1ª. estrofe ) /  O culpado disso tudo é / O marido de agora, a muié / Anda na rua com as canelas de fora! / Gavião tomando cheiro, / Vem descendo sem demora / Pega muié pelo bico, / Bate asa e vai embora! / “  ]  . 

Forma  bem  cadenciada  de  uma  bela  declaração  de amor ,  expressa  em  vários  versos  pautados  em  lindas  metáforas , onde  ZECA  interpreta  este maravilhoso   samba de  Toninho  Geraes  e  Paulinho  Rezende   “  SEU  BALANCÊ  “  .  [ “ /   Quando o Canto da Sereia / Reluziu no seu olhar / Acertou na minha veia / Conseguiu me enfeitiçar... / Tem veneno o seu perfume / Que me faz o seu refém / Seu sorriso tem um lume / Que nenhuma estrela tem... / Tô com medo desse doce / Tô comendo em sua mão / Nunca imaginei que fosse / Mergulhar na tentação / Essa boca que me beija / Me enlouquece de paixão / Te entreguei numa bandeja / A chave do meu coração... / Seu tempero me deixa bolado / É um mel misturado com dendê / No seu colo eu me embalo / Eu me embolo / Até numa casinha de sapê / Como é lindo o bailado / Debaixo dessa sua saia godê / Quando roda no bamba querer / Fazendo um fuzuê... / Minha deusa esse seu encanto / Parece que veio do ilê / Ou será de um jogo de jongo / Que fica no corumbandê / Eu só sei que o som do batuque / É um truque do seu balance / Preta cola comigo porque / Tô amando você... / Lalaiá! Lalaiá! Lalaiá! / Lalaiá! Lalaiá! Lalaiá! / Lalaiá! Lalaiá! Lalaiá! / Lalaiá! Lalaiá! Lalaiá! / “  ]  .

    Diante  de  uma  soma  considerável  de  músicas ,  interpretadas  por  Zeca  Pagodinho  ,  o  “ Cantinho  Musical  “  lamenta  ter  limitado  , reconhecendo  e respeitando  o  imenso  quadro  de  suas  belas  canções ,  algumas  produções  resultantes  de  uma  triagem  bem aguçada  no  tesouro  musical  desse  artista  , símbolo de  nossa  época  no  mundo  do  SAMBA .  Esperamos   que  seleção  ,  embora  bem  reduzida  , tenha  agradado  a  todos  que  curtem  uma  boa  música .
 
  “  SER  ÍCONE   DE  GRUPOS  CARENTES  DE  PESSOAS  REPRESENTATIVAS   É  MUITO  FÁCIL  ;  A  VANTAGEM  É  SER  SÍMBOLO  DE  UM  GRUPO  COMPOSTO  DE  MUITAS  PERSONAGENS  SIMBÓLICAS .  O  MUNDO  DO  SAMBA  É  CONSTITUÍDO   DE  UMA  IMENSA  SOMA  DE  ILUSTRES  ARTISTAS ,  REPRESENTAÇÕES  ICÔNICAS  DE  NOSSAS  CANÇÕES .  NO  MEIO  DESSA  RIQUEZA  DE  TALENTOS  , SURGE  , COM  SEU  CARISMA  ,  ZECA  PAGODINHO , RECONHECIDO  POR  TODOS  SAMBISTAS  COMO   SÍMBOLO  DOS  SÍMBOLOS  E  O    EXPONENCIAL  DE  NOSSA  BELEZA  MUSICAL  :  O   S A M B A   !!!!
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »