21/09/2016 às 11h01min - Atualizada em 21/09/2016 às 11h01min

Um justo tributo ao cantor das multidões: Orlando Silva

POR WALDEMAR PEDRO ANTÔNIO
     O  CANTINHO  MUSICAL  sentiu-se  na obrigação de  homenagear a  mais  cristalina  voz  do  cancioneiro  brasileiro  e , também ,  presentear  uma geração que moldou  seus  ouvidos para  receber  belas poesias envoltas  na mais  perfeita  interpretação de  ORLANDO  SILVA  , o  “ CANTOR  DAS  MULTIDÕES “ , que  é  o  verdadeiro  ícone  de  nossas  serestas  e  o  mais  puro  representante , através de suas belas  canções , de  todos  aqueles  que  curtiram  e curtem  as  lindas  melodias e  a  pureza  das  expressões poéticas  que  perpetuam  em    um  saudosismo  musical .  
 
     Orlando Garcia da Silva   nasceu na rua General Clarindo, no bairro  do  Engenho  de  Dentro  ,  no  dia   3  de  outubro  de  1915  , foi  pela  crítica  musical considerado  um dos mais importantes  cantores  brasileiros da primeira metade  do  século  XX..  Bororó  apresentou-o  a  Francisco Alves, que , ouvindo  Orlando  cantar no interior de seu carro, decidiu  , imediatamente ,  lançá-lo em seu programa na rádio . Nos seis ou sete anos seguintes  ,  tornou-se  um  grande  sucesso,  reputado  , por muitos ,  como  a mais  bela  voz  do Brasil  .  

    
Passemos ao  desfile  de  joias  musicais de  diversos  compositores  da MPB na  mais  iluminada  e  segura  voz  do  “  CANTOR  DAS  MULTIDÕES “  .  Iniciaremos com uma  canção que Orlando  evitava cantar , porque  tocava  profundamente seu  coração em  uma imensa  saudade  de sua  querida  mãe , o  que , quando a interpretava , fazia-o debruçar  em  lágrimas . Pixinguinha  e  Otávio  de  Souza ,  em  um  lampejo  criativo , molduraram  , tendo  a  natureza  como  pano  de fundo ,  a imagem da beleza feminina com as  mais lindas  metáforas  amorosas , expressando  em  uma visão lírica e bela a  mais  divina  construção  do  amor  na  criação de  uma  musa  perfeita  comparada a uma  “  ROSA  “   .  [ “ / Tu és, divina e graciosa, estátua majestosa do amor / Por Deus esculturada e formada com ardor / Da alma da mais linda flor de mais ativo olor / Que na vida é preferida pelo beija-flor / Se Deus me fora tão clemente aqui nesse ambiente de luz / Formada numa tela deslumbrante e bela / O teu coração junto ao meu lanceado pregado e crucificado  / Sobre a rósea cruz do arfante peito teu / Tu és a forma ideal, estátua magistral oh alma perenal / Do meu primeiro amor, sublime amor / Tu és de Deus a soberana flor / Tu és de Deus a criação que em todo coração sepultas o amor / O riso, a fé e a dor em sândalos olentes cheios de sabor / Em vozes tão dolentes como um sonho em flor / És láctea estrela, és mãe da realeza / És tudo enfim que tem de belo / Em todo resplendor da santa natureza / Perdão, se ouso confessar-te eu hei de sempre amar-te / Oh flor meu peito não resiste / Oh meu Deus quanto é triste a incerteza de um amor  / Que mais me faz penar em esperar em conduzir-te um dia aos pés do altar / Jurar, aos pés do onipotente em preces comoventes de dor / E receber a unção da tua gratidão / Depois de remir meus desejos em nuvens de beijos / Hei de te envolver até meu padecer de todo fenecer / . “  ]  .  

O que nos alegra no panorama de nossos seresteiros é o solene sorriso de  felicidade , pela concentração harmoniosa no decorrer de uma canção e o discernimento de saber julgar a beleza da música quando executada .  AS VALSAS BRASILEIRAS  penetram em suas almas,  fazendo que eles  balancem no compasso musical . Os célebres  responsáveis por essa criação são muitos em nossa galeria musical .  CÂNDIDO  DAS  NEVES  ,  O  ÍNDIO  , foi mestre nas composições de suas canções que flutuam no pensamento saudosista dos amantes das serestas , comprovadas nesta maravilhosa valsa , com  um  toque  interpretativo  apreciável ,  plainando na   voz  de  ORLANDO  SILVA :   “   ÚLTIMA  ESTROFE  “  .     [ “ / A noite estava assim, enluarada / Quando a voz , já bem cansada / Eu ouvi de um trovador  um trovador/ Nos versos  que vibravam de harmonia / Ele , em lágrimas , dizia / Da saudade de um amor / Falava de um beijo apaixonado , / de um amor desesperado, / Que tão cedo teve fim / E , desses gritos e tormentos ,/ Eu guardei no pensamento / Uma estrofe que era assim / Lua  /  Vinha perto a madrugada / Quando, em ânsias, minha amada / Nos meus braços desmaiou / E o beijo do pecado / O teu véu estrelejado / A luzir glorificou / Lua / Hoje eu vivo sem carinho / Ao relento, tão sozinho / Na esperança mais atroz / De que cantando em noite linda /Essa ingrata volte ainda / Escutando a minha voz / A estrofe derradeira, merencória / Revelava toda a história / De um amor que se perdeu / E a lua que rondava a natureza / Solidária com a tristeza / Entre as nuvens se escondeu  / Cantor, que assim falas à lua /Minha história é igual à tua / Meu amor também fugiu / Disse eu em ais convulsos / E ele então, entre soluços / Toda a estrofe repetiu / . “ ]  .          

Mestre  PIXINGUINHA   compôs  um  choro-valsa  que fora adotado para abrir ou fechar com chave de ouro as reuniões musicais , tipo de um  ESQUENTA  para motivar as pérolas que passariam a conduzir , musicalmente , as  NOSSAS  SERESTAS . Mais tarde BRAGUINHA  recebeu a honra de ornamentar a bela música com uma brilhante poesia , que  juntas em uma   só , acrescentada à  magnífica voz  de  Orlando  Silva  , constituem o exponencial da nossa    MÚSICA POPULAR BRASILEIRA  .  “   C A R I N H O S O  “   [ “/ Meu coração, / Não sei por quê / Bate feliz / Quando te vê / E os meus olhos ficam sorrindo / E pelas ruas , vão te seguindo / Mas mesmo assim, / Foges de mim .../ Ah , se tu soubesses / Como eu sou tão carinhoso / E o muito , muito que te  quero / E como é sincero o meu amor / Eu sei que tu não fugirias / Mais de mim, /Vem , vem , vem , vem . / Vem sentir o calor / dos lábios meus / À procura dos teus / Vem matar esta paixão / Que me devora o coração / E , só assim , então, / serei feliz ... bem feliz... / “ ] .  

A escultura da beleza de uma mulher sempre foi um pretexto temático para os bons artistas  , com finalidade de expor , ao mundo , a imagem perfeita que Deus criou / . “   ]   .  Com  uma  interpretação intocável de  Orlando  Silva  ,  Benedito  Lacerda  e  Aldo  Cabral criaram  uma  canção que  denota  toda  uma  melancolia acentuada de  depressão, motivada  pela  perda  de uma  paixão , expressando  todo  seu  lamento e tristeza em sua  despedida  a  um “  AMIGO   LEAL  “  . [ “ /  Escute meu grande amigo / Preste atenção no que digo / Vim despedir-me de ti / Trocamos um abraço forte / Desejos de boa sorte / E incontinenti eu parti / A tristeza mal contendo / Até hoje vou vivendo / Como meu destino quer / Esse amigo até agora / Não sabe que vou-me embora / Por causa de uma mulher / Para não cometer um erro / Preferi este desterro / Com toda resignação / Para eles a vida é bela / Hoje ele vive com ela / E ela no meu coração / “  ]   .  

Benedito  Lacerda e  Aldo  Cabral  completaram  o  drama  de  “ AMIGO  LEAL  “ ,   dando  uma  resposta  à  satisfação tirada  na  música  anterior pelo  amigo ,  compondo  a  canção :   “    AMIGO  INFIEL  “  .   [ “ /  Escute " amigo leal, / Teu sofrimento é igual,  / Ao que hoje trago comigo, /  Usaste de lealdade,/ / Dentro da nossa amizade,  / Mas eu não fui teu amigo.  / Numa paixão incontida,  / Roubei-te a mulher querida,/ Sem que soubesses talvez, /  Com dinheiro e falsidade, / Por uma felicidade, / Fiz a desgraça de três, /  Perdoa-me bom amigo, /  Meu perdão será o abrigo, /  Do remorso deste drama,  / Meu desengano eu já tive,  / Hoje comigo ela vive,  / Mas é a ti que ela ama./ “  ]  .  

É  muito  comum  em  temas  musicais a  abordagem de  promessas  amorosas  e  não  cumpridas por  uma  das  partes .  Tomando o eixo significativo do que foi  exposto , Marino  Pinto  compôs um   samba , interpretado por  Orlando   Silva ,  que cobrava  a  jura  de  um  grande  amor “  AOS  PÉS  DA  CRUZ  “  .   [ “ /  Aos pés da Santa Cruz / Você se ajoelhou / E em nome de Jesus / Um grande amor / Você jurou / Jurou mas não cumpriu / Fingiu e me enganou / Pra mim você mentiu / Pra Deus você pecou / (bis) / O coração tem razões / Que a própria razão desconhece / Faz promessas e juras / Depois esquece / Seguindo esse princípio / Você também prometeu / Chegou ate a jurar um grande amor / Mas depois me esqueceu / “ ] .   

Uma  grande  expectativa temática de  perder  seu  grande  amor   inspirou  Mário  Lago  e  Roberto  Martins comporem , com  grande  maestria , uma  canção que  retrata  exatamente a  desenlace  e  o  lamento de  alguém  que  está  preste  à  separação de  um  sentimento  amoroso , solicitando  uma  aproximação com  simples ato de  “ DÁ-ME  TUAS  MÃOS  “. [  “  /  Por que tanta pressa de chegar ao fim? / Por que terminar o nosso amor assim / Se eu não revelei / Tudo que sonhei / E nem tu disseste / Tudo para mim? / Dá-me tuas mãos, por favor / Põe os teus olhos nos meus / E eles virão quanta dor / Vai me causar este adeus / Ficou tão triste o luar / Vendo acabar o nosso amor / Tudo te manda ficar / Dá-me tuas mãos, por favor / .   “  ]   .

Pedro  Caetano  e Claudionor Cruz , em um lampejo divino e frutos de suas  competências  , compuseram  uma linda valsa  cujo tema é  uma  abordagem sobre o  pessimismo da  personagem denotando uma  imensa  derrota diante  do  destino , sendo  sucesso na voz de  ORLANDO  SILVA  :  “  CAPRICHO  DO  DESTINO  “ .    [ “ / Se Deus um dia / Olhasse a terra / E visse meu estado / Na certa compreenderia / O meu trilhar desesperado / E tendo ele em suas mãos /O leme do destino / Não deixar-me-ia / A cometer desatinos / É doloroso / Mas infelizmente é a verdade / Eu não devia nem sequer /Pensar numa felicidade / Que não posso ter / Mas sinto um revolta / Dentro de meu peito /  É muito triste não se ter direito/  Nem de  viver / Jamais consegui um sonho ver concretizado / Por mais modesto e banal sempre me foi negado / Assim meu Deus francamente devo desistir / Contra os caprichos da sorte eu não devo insistir / Eu quero fugir ao suplício a que estou condenado / Eu quero deixar esta vida onde eu fui derrotado / Sou um covarde bem sei que o direito é levar a cruz até o fim / Mas não posso é pesada demais para mim / . “  ]  . 

Esta maravilhosa música  é  uma valsa composta por  J. CASCATA  e  LEONEL  AZEVEDO ,  tendo por tema o sofrimento de  amor pela perda da  pessoa amada ,  mensagem  levada no  canto  maravilhoso e   na  interpretação  bela  e  emocionante de  ORLANDO  SILVA“   LÁBIOS   QUE  BEIJEI   “ .    [ “ /  Lábios que beijei, / Mãos que eu afaguei/ Numa noite de luar, assim.../ O mar na solidão bramia, / E o vento , a soluçar , pedia / Que fosses sincera para mim/ Nada tu ouviste / E , logo , partiste / Para os braços de outro amor /Eu fiquei chorando / Minha mágoa  cantando / Sou a estátua perenal  da dor /   Passo os dias soluçando com meu pinho / Carpindo a minha dor, sozinho / Sem esperanças de vê-la jamais / Deus tem compaixão deste infeliz / Porque sofrer assim / Compadecei-vos dos meus ais. / Tua imagem permanece imaculada / Em minha retina cansada / De chorar por teu amor. / Lábios que beijei / Mãos que afaguei / Volta vem curar a minha dor. “ ]  .

Orlando  Silva  ,  com  sua  voz brilhante e aveludada , interpretou uma  das  mais  lindas  valsas  do  nosso  cancioneiro , composta  por  Benedito  Lacerda  e  Mário  Lago . A música  é  um  lamento  expresso pela  perda  de  um  grande  amor , arruinado pelo  destino  e  pela  ingratidão  da  mulher  amada que  busca incessantemente novos  amores , fazendo  lembrar que , dentre  todas as paixões  dela ,  ele  é o   “  NÚMERO   UM   “ . [ “ / Passaste hoje ao meu lado / Vaidosa e de braço dado / Com outro que te encontrou / E eu relembrei comovido / Um velho amor esquecido / Que meu destino arruinou. / Chegaste na minha vida / Cansada e desiludida / Triste mendiga de amor / E eu, pobre com sacrifício, / Fiz um céu do teu suplício / Pus  riso na tua dor. / Mostrei-te um novo caminho / Onde com muito carinho / Levei-te uma ilusão / Tudo  porém foi inútil / Eras no fundo uma fútil / E foste de mão em mão / Satisfaz tua vaidade / Muda de dono à vontade / Isto em mulher é comum / Não guardo frios rancores / Porque entre os teus mil amores / Eu sou o número um / . “  ]  . 

Custódio  Mesquita   e   Mário Lago  compuseram um  fox-trot   onde aborda uma traquilidade amorosa mesmo  sendo  iludido pela  pessoa amada sempre  acreditando nas  falsas declarações do  amor com  certa  serenidade na  convicção de  que não existe    :   “ NADA  ALÉM “ . [ “ /  Nada  além / Nada além de uma ilusão / Chega bem / E é demais para o meu coração / Acreditando em tudo que o amor / Mentindo sempre diz / E vou vivendo assim feliz / Na ilusão de ser feliz / Se o amor / Só nos causa sofrimento e dor / É melhor / Bem melhor a ilusão do amor / Eu não quero e não peço /  Para o  meu coração / Nada além de  uma  linda ilusão / . “]  .    


Estabelecendo  uma  bela  comparação  metafórica ,  Fernandinho e  José  Marcílio criaram um samba-canção que foi  sucesso na voz de Orlando  Silva . Na  canção nota-se  uma relação entre o coqueiro e suas palmeiras  caídas  com a  perda  de   um  grande  amor , inspirado em um   “  COQUEIRO  VELHO  “ .   [ “ /  Coqueiro velho / Abatido pelos anos / Ninguém sabe os desenganos / Dessas folhas descoradas, caídas, vencidas / Somente a palmeira coitada / Que a ventania malvada levou / Separando sem dó duas vidas / Você foi a minha palmeira / De folhas bem verdes / Um verde esperança / Foi mera visão passageira / De um doirado sonho de criança / Tal qual o coqueiro abatido / Magoado eu tenho o meu coração / Que no samba procura a bonança / Da tempestuosa desilusão / . “   ]   . 

Hábito  muito  comum  nos  tempos de seresta era  fazer   belas  declarações de  amor  junto  à  janela  da  mulher  amada , aproveitando  o  ambiente noturno para comparação dos atributos femininos a  um cenário que  a  própria  natureza oferecia .  Diante  desse  tema que  Freire  Júnior  compôs esta linda  canção , ornamentada pela  voz  plena de emoções  de  Orlando  Silva  em   “   MALANDRINHA  “ .   [ “ / A lua vem surgindo cor de prata / No alto da montanha verdejante / A lira de um cantor em serenata / Reclama na janela a sua amante / Ao som da melodia apaixonada / Das cordas de um sonoro violão / Confessa um seresteiro à sua amada / O que dentro lhe dita o coração / Ò linda imagem de mulher que me seduz / Ah se eu  pudesse tu estarias num altar / És a rainha dos meus sonhos, és a luz / És malandrinha não precisas trabalhar / Acorda minha bela namorada / A lua nos convida a passear / Seus raios iluminam toda a estrada / Por onde nós havemos de passar / A rua está deserta, ò vem querida / Ouvir bem junto a mim, o som do pinho / E quando a madrugada, já surgida / Os pombos voltarão para seus ninhos. / . “  ]   . 

No  carnaval  de  1939 , Orlando Silva ,  que   gravava também  músicas  carnavalescas , identificou-se muito  com uma  marcha-rancho composta por  Benedito  Lacerda  e  Humberto  Porto ,  grande  sucesso  entoado nos  salões , em  que estabelece  uma bela comparação , utilizando as  flores   como  personagem na  tentativa  de  amenizar  a  triste perda da   “  JARDINEIRA  “  .   [ “ /  Oh jardineira / Por que estás tão triste / Mas o que foi que te aconteceu? / Foi a camélia / Que caiu do galho / Deu dois suspiros / E depois morreu / Vem jardineira / Vem meu amor / Não fique triste /  Que  este mundo é  todo  teu / Tu  és  muito  mais bonita / Que  a  camélia que  morreu  ...... / . “  ]  .

  O  Cantinho  Musical  lamenta  profundamente  encerrar a  apresentação de  algumas  belas  canções interpretadas por  uma  voz  aveludada e  muito  emotiva do  CANTOR  DAS  MULTIDÕES , uma  vez  que deixa  de expor várias outras  joias  musicais relacionadas no  acervo  de  ORLANDO  SILVA .  Entretanto  ,  sabe-se  perfeitamente  que  a triagem feita com  muito  carinho  selecionou os  sucessos  que estão perpetuados  na  memória  de  todos que amam excessivamente a  beleza  de  sua  voz  ! 

 “ O  PASSADO  DE  GLÓRIA  DAS  BELAS  CANÇÕES  TORNOU-SE,  ATUALMENTE , ALGO  MUITO  DISTANTE  E  ,  INFELIZMENTE , INACESSÍVEL .  OS  SENTINELAS  DE  PLANTÃO DA  MPB  REVIVEM  A  PUREZA  MUSICAL  ATRAVÉS  DA  MARAVILHOSA  VOZ  DE  ORLANDO  SILVA QUE , QUANDO  OUVIDA , COLOCA  O  CORPO  EM  EQUILÍBRIO , HARMONIZANDO-O  COM  UM  CENÁRIO  DA  LEMBRANÇA  !!  “
 
Waldemar   Pedro   Antonio                                      email :  wpantonio@terra.com.br
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »