07/04/2017 às 20h49min - Atualizada em 07/04/2017 às 20h49min

A voz de um trovador sentimental demais: Altemar Dutra

WALDEMAR PEDRO ANTÔNIO
      O  Cantinho  Musical  fará  neste  artigo  um   tributo  a  uma  voz  que  tornou-se  bem  identificada pelos  ouvintes  que  sentiam  em  suas  melodias uma  mensagem  emotiva  do  amor , o  que representou  o  rótulo  desse  magnífico  cantor  cujo  nome  é   “  ALTEMAR  DUTRA  “.

      Altemar Dutra de Oliveira  nasceu  em  Aimorés, no  dia   6 de outubro de 1940  e  faleceu  em  Nova Iorque, no  dia  9 de novembro de 1983,  foi um cantor e compositor  brasileiro.  Iniciou sua carreira na Rádio Difusora de  Colatina, no  Espírito  Santo , localidade para onde sua família havia se mudado, cantando uma música de  Francisco  Alves . Antes de completar sua maioridade, seguiu para o  Rio  de  Janeiro  , levando uma carta de apresentação para o compositor  Jair  Amorim , que o encaminhou a amigos do meio artístico. Tentou a sorte como crooner em boates e casas de espetáculos. Por volta de 1963, foi levado por Jair Amorim para o programa Boleros Dentro da Noite, na Rádio Mundial, e,no mesmo ano, Joãozinho, do Trio  Irakitan, levou-o para a Odeon, onde foi contratado. Logo atingiu os primeiros lugares nas paradas de sucesso com  “ Tudo de Mim “  de  Evaldo  Gouveia  e Jair Amorim , tornando-se conhecido em todo o Brasil  e  foi  progressivamente  destacando-se no gênero musical bolero. De fato, veio a ser aclamado como o "rei do bolero" no Brasil.

   
Começaremos,  a  partir  deste  instante,  apresentar  algumas  relíquias  musicais  que  se  enriqueceram com  a  magnífica  voz  de  ALTEMAR  DUTRA .  Iniciaremos  com  um  grande  sucesso que  é  a verdadeira  receita  para  alguém  julgar-se  sentimental  , o  que  faz  , ao  achar  seu  amor  ,  tornar-se  um  belo  romântico :   “  SENTIMENTAL  DEMAIS  “ .              [ “ / Sentimental eu sou / Eu sou demais / Eu sei que sou assim / Porque assim ela me faz / As músicas que eu / Vivo a cantar / Têm o sabor igual / Por isso é que se diz / Como ele é sentimental / Romântico é sonhar / E eu sonho assim / Cantando estas canções / Para quem ama igual a mim / E quem achar alguém / Como eu achei / Verá que é natural / Ficar como eu fiquei / Cada vez mais / Sentimental. / . “  ]  .


Outro  sucesso  de  Altemar  Dutra , composição  de  Jair  Amorim  e  Evaldo  Gouveia ,  é  esta  bela  canção que  relata  todo  o  sofrimento  amoroso  vivido  no  passado  pela  perda  de um  grande amor e  que,  arrependida,  volta  para  retomar  o  relacionamento , entretanto  a  proposta  é  rejeitada  , porque  chega  de  todo  sofrimento  causado  pela   partida  e pelo  o  abandono  de  uma  vida  a  dois :                              “  QUE  QUERES  TU  DE  MIM  “ .  [ “ / Que queres tu de mim / Que fazes junto a mim / Se tudo está perdido amor / Que mais me podes dar / Se nada tens a dar / Que a marca de uma nova dor / Loucura reviver / Inútil se querer / O amor que não se tem / Porque voltaste aqui / Se estando junto a ti / Eu sinto que estou sem ninguém / Que pensas tu que eu sou / Se julgas que ainda vou / Pedir que não me deixes mais / Não tenho que pedir / Nem sei o que pedir / Se tudo que desejo é paz / Que culpa tenho eu / Se tudo se perdeu / Se tu quiseste assim / E então que queres tu de mim / Se até o pranto que chorei / Se foi por ti não sei / . “  ]  .

Ainda  dessa  bela  dupla  de  compositores ,  Evaldo  Gouveia  e  Jair  Amorim , a  canção  representa  uma  viagem  musical para  o  passado em  profundo  sonho,  mesclando  as  atitudes  e  sentimento  dos  trovadores  medievais  com  a  essência  dos  nosso  seresteiros  que  entoavam  suas  lindas  modinha  pelas  ruas  do  Rio  de  Janeiro , sendo  admirados  pelos  lampejados  olhares  das  mocinhas  da época , venerando  as  poesias  expressas  em  cada  verso  cantados   “  TROVADOR  .      [ “ / Sonhei que eu era um dia um trovador / Dos velhos tempos que não voltam mais / Cantava assim a toda hora / As mais lindas modinhas / Do meu Rio de outrora / Sinhá mocinha de olhar fugaz / Se encantava com meus versos de rapaz / Qual seresteiro ou menestrel do amor / A suspirar sob os balcões em flor / Na noite antiga do meu Rio / Pelas ruas do Rio / Eu passava a cantar novas trovas / Em provas de amor ao luar / E via então de um lampião de gás / Na janela a flor mais bela em tristes ais / . “  ]  .

Esta  canção  versa  sobre  a  separação  de  pessoas  que  se  amavam e  de  repente  houve  o  desenlace .  Ao  saber  do deboche  humilhante  de  alguém  que  já  não  tecia  mais  um  sentimento  de outrora  ,  matando  totalmente  a  ilusão  de  quem  tinha  a  esperança  de  um  novo  relacionamento , mas  chega-se à  conclusão de  que                   “  SOMOS  IGUAIS  “ .  [ “ / Acabei de saber / Que você riu de mim / E depois perguntou / Se eu vivi, se eu morri / Já que tudo acabou / Eu sei lá se você / Quis de fato saber / Pelo sim, pelo não / Abro o meu coração / É melhor lhe dizer / Eu sou o mesmo que você deixou / Eu vivo aqui onde você viveu / Existe em mim o mesmo amor / Aquele amor que nunca mais foi meu / Por que viver a me humilhar assim? / Por que matar esta ilusão em mim? / Você e eu somos iguais / Não mudamos jamais. / . “  ]  . 

Este  bolero que  é  uma  composição  de  Ervin Drake/irving Graan/jimmy Shirl/al Stillman  versão  feita  por   Oswaldo Santiago  expressa  um  enorme  sentimento  de  crença  como  retribuição  de  um puro  amor , comparado  sentimentalmente   com  os  fenômenos  naturais .   “  CREIO   EM   TI   “ .  [ “ /  Creio em ti ao ver / Que a chuva cai e faz / A flor nascer / Creio em ti pois sei / Que enquanto é noite aqui / É dia ali / Creio em ti porque / Me deste o riso e a dor / Me deste o Amor, do meu amor / Creio em ti, creio em ti / Se há paz sobre nós / Se o véu descer / Eu creio em ti / Se a tempestade / A terra abalar / Eu creio em ti / Cada vez que neste mundo / Eu escutar / Alguém cantar / Alguém chorar / Direi então / Creio em ti / . “  ]  .   



Sérgio Bittencourt  ,  nesta  linda  peça  musical  , mescla  dois  planos  do  amor :  o  do  menino  e  do  adulto  em  uma  busca  incessante de  métodos  apaixonantes,   para  a  reconquista  da  pessoa  sonhada  e  amada  ,  através  da  canção :  “   MODINHA “  .   [ “ /  Olho a rosa na janela / Sonho um sonho pequenino / Se eu pudesse ser menino / Eu roubava essa rosa / E ofertava todo prosa / À primeira namorada / E nesse pouco ou quase nada / Eu dizia o meu amor / O meu amor / Olho o sol findando lento / Sonho um sonho de adulto / Minha voz na voz do vento / Indo em busca do teu vulto / E o meu verso em pedaços / Só querendo o teu perdão / Eu me perco nos teus braços / E me encontro na canção / Ai, amor, eu vou morrer / Buscando o teu amor / Ai, amor, eu vou morrer / Buscando o teu amor / . “  ]  .

Esta   linda  versão do   bolero  composto  por Armando Manzanero   e  interpretado  por  Altemar  Dutra  é um  belo   depoimento  sobre  aprendizagem  do  amor ,  em  uma  expressão  de  contentamento  e  agradecimento à  pessoa  amada      “  CONTIGO  APRENDI  “ .   [ “  / Contigo aprendi / Que existem novas e melhores emoções / Contigo aprendi / A conhecer um mundo novo de ilusões / Aprendi / Que a semana já tem mais de sete dias / Fazer maiores minhas poucas alegrias / E ser feliz eu contigo aprendi / Contigo aprendi / Que existe luz na noite mais escura / Contigo aprendi / Que em tudo existe um pouco de ternura / Aprendi / Que pode um beijo ser mais doce e mais profundo / Que posso ir amanhã mesmo desse mundo / As coisas boas eu contigo já vivi / E contigo aprendi / Que eu nasci no dia em que te conheci / . “  ]  .


Lamartine Babo e Francisco Mattoso  compuseram  esta  valsa  que se  tornou  grande  sucesso  na  voz  de  Altemar  Dutra . A  canção  faz  uma  referência , através  de  um sonho ,  ao  ambiente  de  um  baile  onde  se  pratica  a  pureza  do  amor  entre  os  casais .  Toda  a  beleza  ilusória, expressa  descritivamente  na  música,  se  desfaz  após  o  despertar  do  sonhador .  “  EU  SONHEI  QUE  TU  ESTAVAS  TÃO  LINDA  “.  [ “  / Eu sonhei que tu estavas tão linda / Numa festa de raro esplendor, / Teu vestido de baile lembro ainda, / Era branco, todo branco, meu amor. / A orquestra tocou umas valsas dolentes, / Tomei-te aos braços, fomos bailando / Ambos silentes, / E os pares que rodeavam entre nós / Diziam coisas, trocavam juras / A meia voz. / Violinos enchiam o ar de emoções / E de desejos uma centena de corações. / Pra despertar teu ciúme / Tentei flertar alguém, / Mas tu não flertaste ninguém, / Olhavas só para mim, / Vitórias de amor cantei, / Mas foi tudo um sonho, acordei. / . “  ]  . 

Grande  sucesso  esta  canção  composta  por  Moacyr  Franco  e  interpretada  com  enorme  emoção  por  Altemar  Dutra .  Seu  tema  versa  sobre  o  amor  e  o  desejo  de  sentir   as  mesmas  emoções  e  afeto  da  pessoa  amada que,  apesar  de  ter  deixado  muita  saudade pela  ausência      “  EU  NUNCA  MAIS  VOU  TE  ESQUECER  “ .  [ “  / Se eu tivesse o coração que dei / Tivesse ainda a ilusão bem sei / Coragem pra recomeçar no amor / Bobagem pois amor assim só um / Agora é vida sem razão porque / Tentando orar eu só rezei você / A sua ausência mais e mais me invade / Pediu amor e devolveu saudade / Eu nunca mais vou te esquecer / Eu nunca mais vou te esquecer, meu amor /. “  ]  .




Em  uma  perfeita  declaração  amorosa, a  canção  desenvolve  situações  comuns  de  nossas  vidas ,  entretanto  a  força  desse  amor  supera  todos  os  problemas  que  poderão  surgir para  bloquear  os  sentimentos  de  um  apaixonado , caracterizado  e  manifestado  no  puro          “   HINO   AO   AMOR  “  . [ “ /  Se o azul do céu, escurecer, / E a alegria na terra, fenecer, / Não importa, querida, / Viverei, do nosso amor. / Se tu és, o sol dos dias meus, / Se os meus beijos, sempre, forem teus, / Não importa, querida, / O amargor das dores, desta vida. / - Um punhado de estrelas, no infinito irei buscar, / E a teus pés esparramar, / Não importa os amigos, risos, crenças e castigos, / Quero apenas, te adorar. / Se o destino, então nos separar, / Se distante a morte, te encontrar, / Não importa, querida, / Porque eu morrerei, também. / Quando enfim. a vida terminar, / E de um sonho, nada mais restar, / Num milagre, supremo, / Deus fará no céu, te encontrar /  (BIS ) . “  ]  .  



Encerrando  a  apresentação  das  peças  maravilhosas  interpretadas  por  ALTEMAR   DUTRA ,   o  Cantinho  Musical  selecionou  uma  canção que,  em  depoimento  do próprio  cantor,  declara  que  gostaria  de  ser  lembrado  com  esta  música,  composta  por  Evaldo  Gouveia  e  Jair  Amorim que  explicita as desavenças  que  ocorrem  entre  casais, motivadas   por  coisas  banais , condenando  o  rompimento de  uma  relação  amorosa , movida  por   “  BRIGAS  “ .  [ “ /  Veja só / Que tolice nós dois / Brigarmos tanto assim / Se depois / Vamos nós a sorrir / Trocar de bem no fim / Para que maltratarmos o amor / O amor não se maltrata não / Para que se essa gente o que quer / É ver nossa separação / Brigo eu / Você briga também / Por coisas tão banais / E o amor / Em momentos assim / Morre um pouquinho mais / E ao morrer então é que se vê / Que quem morreu fui eu e foi você / Pois sem amor / Estamos sós / Morremos nós / . “  ]  .

   “   OS  CANTOS  DORIDOS  OU  ESPLÊNDIDOS  SOBRE  O  AMOR,  QUANDO  EXECUTADOS  COM  O  SENTIMENTO  DA  ALMA,  SÃO    MANIFESTAÇÕES  SINCERAS  DE  DOR  E  ALEGRIA   DOS  AMANTES . ALTEMAR  DUTRA , COMO  INTÉRPRETE  MUSICAL ,  ENCANTA  E  CANTA   VERDADEIRAS  MENSAGENS  DA  PAIXÃO  EXPRESSAS  EM  SUAS  CANÇÕES  “



 
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »