03/08/2017 às 09h55min - Atualizada em 03/08/2017 às 09h55min

Artigo sobre Luiz Ayrão e Agepê

WALDEMAR PEDRO ANTÔNIO
Luiz Ayrão e Agepê
O  Cantinho   Musical  desfilará  neste  espaço  as  canções  de  dois  cantores  e  compositores  que  têm  em  seus  corações  o  símbolo  da  “  Águia  Portelense  “   e   que  contribuíram  com  suas  obras  para  o  enriquecimento   do  mundo do  samba  , ora  cantando  , ora  compondo  lindas  músicas  que  hoje  fazem  parte  do cancioneiro  da  MPB  :   “  LUIZ  AYRÃO  e   AGEPÊ  “ .

           Luiz Gonzaga Kedi Ayrão   é um cantor e compositor brasileiro , nasceu no bairro do Lins de Vasconcelos, no Rio de Janeiro , no  dia 19 de janeiro de 1942 . Aos 20 anos, através de seu tio compositor, conheceu vários artistas de renome  . Nesse ambiente, Ayrão desenvolveu o gosto pela música e seus cadernos, cheios de composições, faziam  sucesso .  Nessa época, veio morar no seu bairro, aquele que iria se tornar o maior ídolo da então chamada Música Jovem: Roberto Carlos, surgindo então uma grande afinidade. Em 1962 teve sua primeira composição gravada, "Só por Amor", interpretada por  Roberto   Carlos ,  que  logo  depois, também viria a gravar, no ano de 1966, "Nossa Canção", considerado o primeiro sucesso romântico do cantor.

     “   ..... O samba fez milagre / Reabriu meu coração para a Portela entrar...”

   
   A  partir  de   agora  desfilaremos  algumas  canções  de  Luiz  Ayrão  em  uma  breve  seleção  dentro  da  coletânea  de  seu  cancioneiro .  Iniciaremos  com  uma  composição  de  Sidney  da  Conceição , Lourenço e  Augusto  César   que  fez  grande  sucesso  na  voz  de  Ayrão  com  um  tema  em  que  há  um  pedido  de  reconciliação  de  uma  paixão  que  se  esvaiu  no  tempo  ,  sendo  também  uma  demonstração   de  todo  desejo  que  circula  a  vida  de  “  OS   AMANTES  “  .   [ “ / Qualquer dia, qualquer hora / A gente se encontra / Seja onde for  / Pra falar de amor  / (bis) / Pra matar a saudade da felicidade / Dos instantes que juntos passamos / E promessas juramos / Reviver os momentos de sonhos e de paixão, / Das palavras loucas, vindas do coração / Meu amor / Ah! Se eu pudesse te abraçar agora / Poder parar o tempo nessa hora / Pra nunca mais eu ver você partir / (bis) “   ]  .


Esta  canção  de  composta  por   Luiz  Ayrão  aborda  um  tema  de  infidelidade  amorosa  e  a  resistência  de  alguém  que  rejeita  totalmente  a  oferta  de  um  amor  proibido  para  evitar  conseqüências  que  ocorrerão em  situações  perigosas  de    “  BOLA  DIVIDIDA  “  .  [ “  / Será que essa gente percebeu, que essa morena desse amigo meu / Tá me dando bola tão descontraída, só que eu não vou em bola dividida / Pois se eu ganho a moça eu tenho o meu castigo / Se ela faz com ele, vai fazer comigo / E vai fazer comigo exatamente igual / E ela é uma morena sensacional / Digna de um crime passional / E eu não quero ser manchete de jornal / (Por isso é que eu pergunto:) / Será que essa gente percebeu que essa morena desse amigo meu / Tá me dando bola tão descontraída / Só que eu não quero que essa gente diga / Esse camarada se androginou / A moça deu bola a ele / E ele nem ligou / . “  ]  .  


Uma  das  glórias  musicais  de  Luiz  Ayrão  está  expressa  nesta  obra  que  foi  um  enorme  sucesso  na  voz  do  rei  Roberto  Carlos  e  que fala  sobre  uma  canção  que  simbolizará  o  amor depois  da  partida  da  amada ,  enfatizando  toda  paixão  através  da   “  NOSSA   CANÇÃO  “  .    [ “ / Olhe aqui, presta atenção / Esta é a nossa canção / Vou cantá-la seja onde for / Para nunca esquecer o nosso amor / Nosso amor / Veja bem, foi você / A razão e o porquê / De nascer esta canção assim / Pois você e o amor que existe em mim / Você partiu e me deixou / Nunca mais você voltou / Pra me tirar da solidão / E até você voltar / Meu bem eu vou cantar / Essa nossa canção/ . “  ]  . 



Aproveitando a  linda  homenagem  que  a  Portela  dedicava  às  mulheres  do  Brasil  ,      Luiz  Ayrão  , nesta  canção ,  expressa  seu  verdadeiro  sentimento,  criando  uma  obra  que  fez  muito  sucesso  ,  dedicando  um  belo  canto  onde  usa  uma  intertextualidade de  outras  canções  sobre  elas  ,  exaltando  e  valorizando ,  verdadeiramente ,  em  cada  verso  da  música ,  a  importância  e  a  beleza  da   “  MULHER  À  BRASILEIRA  “ .  [ “  / Coisa linda, maravilhosamente bela / É o tema que a Portela esse ano escolheu / Mulher: avó, a mãe, a irmã, a companheira / Branca, negra, índia, guerreira / o carnaval é seuLinda morena, loirinha, dos olhos claros de cristal / mulata que o cabelo que não nega / são as rainhas do meu carnaval / Lá, laiá... / No campo ou nas cidades, / no morro ou no asfalto / nas mais diversas atividades / a mulher vai falando mais alto / com raça, talento e um jeitinho à brasileira / faz muito mais que fez oculta a história inteira / por ontem, por hoje, por amanhã / coisa linda o Brasil é seu fã / Vai, vai, Portela / mais charmosa e mais faceira / exaltar na passarela / a mulher brasileira / . “  ]  . 


Encerrando  esta  triagem  musical  de  Luiz  Ayrão  ,apresentaremos  um  maravilhoso  samba  onde  ele  abre seu  coração  portelense  , em  uma  demonstração  de  carinho  e  muito  amor  pela  escola  de  sua  paixão  :    “  PORTA  ABERTA  “ .                [ “ / Pela porta aberta / De um coração descuidado / Entrou um amor em hora incerta / Que nunca deveria ter entrado / Chegou, tomou conta da casa / Fez o que bem quis e saiu / Bateu a porta do meu coração / Que nunca mais se abriu / E por isso / Por isso a nostalgia tomou conta de mim / Mas um amigo percebeu e disse assim : / Para que tanta tristeza? Rapaz / Acabe com ela e vem comigo conhecer / A Portela, Portela / Fenômeno que não / Se pode explicar / Portela, Portela / Uma corrente faz a gente sem querer sambar / É ela, é ela / O novo amor a quem eu quero / Agora me entregar / O samba fez milagre / Reabriu meu coração para a Portela entrar / O samba fez milagre e reabriu meu coração  a Portela entrar / . “  ]  .

      Abriremos  agora  o  espaço  para  identificação  desse cantor  e  compositor  reconhecido  e  admirado  no  mundo  do  samba  :  “  AGEPÊ  “ . 

           Nome artístico de Antônio Gilson Porfírio,  nasceu  no  Rio de Janeiro,  em 10 de agosto de 1942 , falecendo  em   30 de agosto de 1995, foi um cantor  e  compositor  brasileiro. O nome artístico decorre da pronúncia fonética das iniciais do nome verdadeiro "AGP".  A carreira fonográfica teve início em 1975 quando lançou o compacto com a canção  “ Moro onde não mora ninguém “ ,  mas  a  confirmação  artística  veio na verdade nove anos depois, com o estrondoso sucesso de  “ Deixa eu te amar “ , que fez parte da trilha sonora da telenovela Vereda Tropical . Foi integrante da ala dos compositores da Portela, contendo um repertório eclético, e teve no compositor Canário o mais frequente parceiro.   Era o símbolo do som romântico, quase empregando letras maliciosas ou abertamente eróticas, de cunho sutilmente machista. Considerado brega, era desprezado pelas rádios FM, ridicularizado pela crítica e hostilizado por roqueiros e intelectuais.


 “  MORO  ONDE  NÃO  MORA  NINGUÉM   “ .

    
Passemos  agora  a  apresentação  de  algumas  canções  que  fizeram  sucesso  na  interpretação  de  AGEPÊ .  Iniciaremos  com  uma  composição  de  Agepê  ,  Canário e  Zé  Catimba cujo  tema  é  uma  declaração apaixonada  em   que  é  mesclado   o  desejo  da  carne   com  o  sentimento   amoroso  expressos em  cada  passagem  da  canção  na  certeza  de  que  amará   “  DE  TODAS  AS  FORMAS   “  .   [ “ /  Me  dê a posse do teu corpo / Descobre o rosto / Tira o véu / Pra dar mais vida a minha vida / Me dê sua boca com gosto de mel / Eu te amarei de todas as formas / E amar assim meu bem / É um mar de rosas (2x) / É te ver tão dengosa me dando carinho / Ó doce musa felina da minha paixão / É paixão / É paixão, uma força estranha me faz delirar / O desejo me chama querendo te amar / És a dona sozinha do meu coração / (BIS) / .  “   ] . 


Outra  canção  que  rotula   verdadeiramente     Agepê  é   uma  parceria  com  Ismael   Camillo  e  Mauro  Silva  apresentando  em  seus  versos  uma  linda  declaração  amorosa ,  exaltando , com  expressões  metafóricas ,  um  belo  sentimento  em  que   compara  alguns  lindos  fenômenos da  natureza  com   a  beleza  da  mulher  desejada , daí  o  pedido  apaixonante  de    “  DEIXA  EU  TE  AMAR  “ .   [ “ /  Quero ir  na fonte do teu ser / E banhar-me na tua pureza / Guardar em pote gotas de felicidade / Matar saudade que ainda existe em mim / Afagar teus cabelos molhados / Pelo orvalho que a natureza rega / Com a sutileza que lhe fez a perfeição / Deixando a certeza de amor no coração / Deixa eu te amar / Faz de conta que sou o primeiro / Na beleza desse teu olhar / Eu quero estar o tempo inteiro / (bis) /  Quero saciar a minha sede  / No desejo da paixão que me alucina / Vou me embrenhar nessa mata só porque / Existe uma cascata que tem água cristalina / Aí então vou te amar com sede / Na relva, na rede, onde você quiser / Quero te pegar no colo  / Te deitar no solo e te fazer mulher / Quero te pegar no colo  / Te deitar no solo e te fazer mulher / Deixa eu te amar / Faz de conta que sou o primeiro / Na beleza desse teu olhar / Eu quero estar o tempo inteiro / . “  ]  .  


Agepê  interpretou  uma  linda  canção  composta  por  Toninho  Geraes  e  Serginho  Beagá   que  fala  da  perda  de  uma  paixão  que  foi  se  formando  pouco  a  pouco    em  uma  linguagem  figurada e , diante  do  quadro  formado  pela  separação ,  pede  ao  vento   uma  aproximação  da  mulher  amada  :                “   ME   LEVA  “  .  [ “ / Tudo nasceu de brincadeira / Nas cordilheiras da ilusão / Veio num vento sem destino / Amor menino fez paixão  / Foi me invadindo pouco a pouco / Me deixou louco de prazer / Depois sumiu no mesmo vento / Fiquei aos poucos sem você / Deixou marcado o seu sorriso / Que não me deixa te esquecer  / E me tirou do paraíso / Sem um sentido pra viver / Me leva  / oh, vento / Me leva pra ela / Me leva / Me faça ficar junto dela / É desse amor que eu preciso / Preciso e não posso esquecer / Eu faço de tudo no mundo / Pra não te perder / . “  ]  .

Apresentaremos  agora  outra  composição  de   Agepê  e  Canário  que  fez  muito  sucesso  nas  paradas  musicais .  O  tema  dessa  canção  é  a  descrição  minuciosa  de  um  lugar  tranquilo ,  demonstrando , com  detalhes  em  cada  verso   ,  os  quadros   de  um  ambiente   calmo  e  belo  para  viver  em  contato com  a  natureza   onde  impera  a  paz  perfeita  :  “  MORO  ONDE  NÃO  MORA  NINGUÉM   “ .   [ “ / Moro onde não mora ninguém / Onde não passa ninguém / Onde não vive ninguém / É lá onde moro / E eu me sinto bem / Moro onde moro ..../  Não tem bloco na rua / Não tem carnaval / Mas não saio de lá / Meu passarinho me canta a mais linda / Cantiga que há / Coisa linda vem do lado de lá / Coisa linda vem do lado de lá / Moro onde moro ... (eu também moro...) /  Uma casinha branca / No alto da serra / Um coqueiro do lado / Um cachorro magro amarrado / Um fogão de lenha, todo enfumaçado / É lá onde moro / Aonde não passa ninguém / É lá que eu vivo sem guerra / É lá que eu me sinto bem / . “  ]  . 


Encerrando  a  apresentação  musical  desse  cantor  e  compositor  portelense ,  escolhemos  uma  canção  que  expressa  linda  ternura  em  uma  declaração  amorosa ,  tornando  a  música  altamente  sentimental  onde  impera em  cada  verso  o  pedido  apaixonante   e  delicioso  através de   manifestações  verbais  líricas :              “  MOÇA  CRIANÇA “.  [ “ /O seu andar tem jeito de moça criança / A sua trança negra tem fita amarela / Me amarro nela, pelo seu olhar / Me ligo no sorriso dela / Que faz a minha tristeza ter fim / Me amarro nela, pelo seu olhar / Me ligo no sorriso dela / Que faz a minha tristeza ter fim / Ai! Quem me dera se ela gostasse de mim / Eu seria seu, dando o meu melhor amor / Por toda vida milhões de alegrias teriam de ser / Diferente a gente iria viver / Mas pra quê sonhar, viver no mundo de esperança / Se ela é que nem criança, usa trança / E não quer me amar /  “ ]  .

    O  Cantinho  Musical  selecionou  alguns  sucessos  dessa  dupla  portelense  baseado  nos  temas  que  expressavam  um  lirismo  amoroso quer  dedicado  à  mulher  amada  quer dedicado   à  escola  de  seus  corações ,  na  esperança  de  que  a  triagem  agradaria  aos  que  curtem  as  canções  desses  dois  intérpretes  !
 
    “  UMA  DAS  TEMÁTICAS  DESENVOLVIDAS  NOS  SAMBAS  VERSA  SOBRE  O  AMOR   EM  VÁRIAS  CIRCUNSTÂNCIAS : PERDA  DO  RELACIONAMENTO  AMOROSO ;  TRAIÇÃO  CONSUMADA ;  LIRISMO  DESCRITIVO  DA  BELEZA  DA  AMADA ;  PEDIDO  INCARECIDO  E  HUMILDE  DO  REATAMENTO DE  UMA  PAIXÃO  DESFEITA .  NAS  CANÇÕES  COMPOSTAS E  INTERPRETADAS  POR  LUIZ  AYRÃO   E   AGEPÊ ,  ESTES  CARACTERES   ESTÃO  PRESENTES  COM  MUITO  SENTIMENTO  EM  CADA  VERSO   CRIADO  E   CANTADO    POR  ELES    !!!  “
 
Waldemar   Pedro   Antonio                        e-mail :   wpantonio@terra.com.br
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »