10/07/2017 às 10h04min - Atualizada em 10/07/2017 às 10h04min

EPAMIG faz demonstração de produção e criação de peixes durante Expoleo

Técnicos apresentam os sistemas de manejo Tanque Rede e Fluxo Contínuo para produtores e visitantes.

Edição: Luiz Otávio Meneghite
Área de piscicultura da FELP, em Leopoldina.
A EPAMIG estará presente na Expoleo 2017, até o dia 16 de julho, com plantão técnico com demonstração de produção e criação de tilápias e peixes ornamentais e apresentação dos sistemas de manejo Tanque Rede e Fluxo Contínuo. Especialmente na quinta-feira, 13 de julho, o Furgão de Tecnologias da EPAMIG marca presença com publicações e degustação de cafés especiais.

Para refrescar a memória

O Centro de Referência em Piscicultura Ornamental de Água Doce, inaugurado, no dia 3 de abril, no Campo Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais – EPAMIG -, em Leopoldina, surgiu com a função de atender a demanda de criadores e produtores por tecnologias para o incremento da atividade no município, na região e também no Estado.

Produtor Márcio Onibene forneceu peixes ornamentais para a nova unidade

Apesar de sediar o Centro de Referência, Leopoldina ainda não tem produtores de peixes ornamentais, segundo uma fonte do jornal junto à EPAMIG. A mesma fonte revelou que incentivar a produção de peixes ornamentais no município de Leopoldina é uma função que cabe à Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Leopoldina, com orientação técnica da EMATER e da EPAMIG.

No dia da inauguração, o presidente da EPAMIG, Rui Verneque, afirmou que o Centro de Referência tem como função gerar informações que contribuam para a consolidação da atividade no estado e, em especial, nos oito municípios produtores da região: Barão do Monte Alto, Eugenópolis, Miradouro, Muriaé, Patrocínio do Muriaé, Rosário da Limeira, São Francisco do Glória e Vieiras. “A inauguração deste espaço é um marco. Mas, o que vem a partir de agora será ainda mais importante, o impacto deste trabalho para a atividade e para os piscicultores da região”.

O secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, Pedro Leitão, ressaltou a importância do alinhamento com as demandas do setor produtivo. “Os números atuais das atividades agropecuárias, demonstram, mais uma vez, que vem do campo, do produtor rural o caminho para a recuperação da economia do país. E o nosso trabalho, da EPAMIG e do Governo de Minas Gerais é oferecer estruturas como esta e todo o suporte necessário”, afirmou.

Já o prefeito de Leopoldina José Roberto de Oliveira disse na oportunidade que: “sem dúvida, isso vai proporcionar um aumento no agronegócio para os leopoldinenses pois a piscicultura ornamental tem um mercado favorável em todo o Brasil e a Prefeitura de Leopoldina vai atuar no sentido de incentivar o interesse dos produtores rurais por mais essa opção produtiva,”assinalou.

O técnico da EMATER-MG lotado em Leopoldina, Cimar Onofre Barbosa, informou ao jornal Leopoldinense que “os ruralistas interessados em produzir peixes ornamentais devem procurar o escritório local da EMATER-MG manifestando o interesse em conhecer ou desenvolver esta atividade. A Emater-MG, em parceria com os técnicos desta área na EPAMIG, poderão visitar a propriedade e verificar a possibilidade ou potencial para a implantação do projeto. Ressaltamos que a piscicultura ornamental poderá se constituir numa excelente alternativa social e econômica para produtores do município, sobretudo para a agricultura familiar”, explicou

Como funciona o Centro de Referência

“Estamos começando o trabalho com variedades de quatro espécies de peixes ornamentais apontadas pelos piscicultores da região. O objetivo é fazer do Centro um local para a formação de profissionais, por meio de estágios e bolsas, e para o desenvolvimento e consolidação de tecnologias, que, posteriormente, serão repassadas, em publicações, treinamentos e eventos técnicos”, informa a pesquisadora da EPAMIG e coordenadora do Centro, Elizabeth Lomelino.

O professor da Universidade Federal de Ouro Preto Mauro Schettino de Souza, que coordena o projeto junto com a pesquisadora Elizabeth, avalia que o Centro vai melhorar a geração e a difusão de técnicas e informações que influenciarão no aumento da produtividade e da qualidade. “Cerca de 70% da produção de peixes ornamentais no Brasil está concentrada na Zona da Mineira. Entretanto faltam pesquisas, bibliografia e especialistas para atenderem a esses piscicultores, por exemplo, na busca por linhagens, matrizes qualificadas e rações balanceadas”, afirma.

Produtor de peixes ornamentais desde 1988 no município de São Francisco da Glória, Márcio Onibene, aposta na organização do setor para a oferta de melhores produtos. “O Centro é nossa esperança para a introdução de novas variedades, combate a doenças e desenvolvimento de rações que atendam às necessidades específicas de cada espécie”, comenta o piscicultor, que forneceu algumas das espécies e variedades para a nova unidade. Além da produção própria de cerca de 35 espécies, a empresa de Onibene comercializa variedades que compra de outros produtores da região. “Atualmente, trabalhamos com quase 200 espécies de peixe ornamental que são vendidas para várias regiões do país”.

O empreendedor Semir Campos produz cerca de 20 espécies de peixes ornamentais em aquários urbanos em Belo Horizonte. “Estou na transição de hobby para produção comercial. E busco informações e contatos para a estruturação do meu negócio”, conta o produtor responsável pelos peixes da espécie Guppy do Centro de Referência.

Fonte de informações: Assessoria de Comunicação da Epamig
Créditos de fotos: Erasmo Pereira/EPAMIG

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »