15/09/2017 às 16h03min - Atualizada em 15/09/2017 às 16h03min

Inaugurada mostra sobre a obra do artista plástico Luiz Raphael Domingues Rosa

Com curadoria da jornalista Márcia Vaz Barbosa, a exposição “Relembrando as cores: 10 anos sem o Mago” fica aberta à visitação pública até o dia 26 de dezembro

Fernanda Espíndola - especial para o jornal Leopoldinense

A 11ª Primavera dos Museus, um evento do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e que acontece simultaneamente em 900 museus de todo o país, entre 18 e 24 de setembro, colocou Leopoldina no circuito nacional em alto estilo com a Exposição “Relembrando as cores: 10 anos sem o Mago”, inaugurada no último dia 14 de setembro, no Museu Espaço dos Anjos. Com apoio da Secretaria Municipal de Cultura de Leopoldina, a mostra faz um passeio pela vida e obra do saudoso artista plástico leopoldinense Luiz Raphael Domingues Rosa e ficará aberta ao público até o dia 26 de dezembro.

Com curadoria da jornalista Márcia Vaz Barbosa, a exposição acontece em comemoração aos 10 anos de morte de Luiz Raphael e conta a trajetória e a genialidade do artista leopoldinense não apenas através de suas obras, mas também de telas e depoimentos de ex-alunos, mostrando assim o lado didático e paternal do “Mestre Fael”, como era carinhosamente conhecido em Leopoldina.

Alguns dos quadros expostos no Espaço dos Anjos

E o Espaço dos Anjos ficou pequeno para tanta gente. Ex-alunos, amigos, familiares e admiradores de Luiz Raphael fizeram questão de prestigiar a inauguração da Exposição e se emocionaram com as lembranças e a qualidade do acervo deixado pelo artista. Ex-aluna no curso de pintura por 10 anos, a aposentada Conceição Fajardo não conteve as lágrimas. “Esta é a primeira vez que retorno ao Espaço e estou muito emocionada porque conheci de perto a luta do Raphael para preservá-lo e transformá-lo num Centro Cultural. Muito mais do que aprender a arte da pintura, o Espaço era um local onde nos reuníamos para relaxar, confraternizar e estreitar laços de amizade. Era um ambiente acolhedor, de muita paz e harmonia e que me traz belas recordações. Luiz Raphael merece todas as homenagens”, disse Conceição Fajardo, emocionada.

Curadora da Exposição e amiga do artista, Márcia Vaz Barbosa mostrou-se satisfeita com o resultado do trabalho e com a receptividade do público. “Resolvi fazer essa Exposição em função dos 10 anos de seu falecimento e, principalmente, para homenageá-lo, afinal, se Leopoldina tem hoje um Museu é graças a ele e ao seu esforço por manter esse Espaço durante 22 anos com recursos próprios. Também porque ele era um grande artista, um amante de Leopoldina e que nos deixou belas obras que resgatam as paisagens da cidade e a memória das construções antigas. Estou feliz com a receptividade das pessoas. Quem conheceu o Raphael estava em festa e quem não o conhecia passou a gostar em função da qualidade do seu trabalho. Os depoimentos dos ex-alunos também foram importantes para que as pessoas pudessem vivenciar um pouco sobre a personalidade dele e como era estudar no Espaço dos Anjos”, completou a jornalista, que fez questão de salientar as diversas habilidades do amigo.

Mauricio Domingues Rosa, Márcia Vaz  Barbosa e Jussara de Almeida Thomaz

-Além de artista plástico, Raphael foi professor no Conservatório Estadual de Música Lia Salgado e em várias escolas estaduais, escreveu crônicas para o Jornal Via Popular, fez teatro, enfim, era um artista completo, com várias faces. Fiz esse trabalho com muito carinho e por ter essa dívida com ele, já que na última conversa que tivemos, combinamos de fazer alguns projetos juntos. Montei o projeto e apresentei à Prefeitura, que me recebeu de braços abertos. Tenho certeza de que o resultado foi positivo, porque recebi inúmeras mensagens, as pessoas foram muito participativas, inclusive quem não mora na cidade e fez questão de emprestar quadros para a Exposição. Tem muita coisa bacana para ser apreciada. Vale a pena conferir a Exposição, que vai até 26 de dezembro”.

A jornalista Márcia Vaz Barbosa foi a idealizadora do evento. 

Durante 22 anos, a casa onde morou o poeta paraibano Augusto dos Anjos serviu como atelier-escola de Luiz Raphael. Com recursos próprios e sem nenhuma ajuda do poder público, ele recuperou a antiga casa e preservou a memória do poeta ao resgatar um acervo de documentos e recortes de jornais da época, transformando o local numa referência para pesquisadores e escritores. Assim, criou, em 1983, o “Espaço dos Anjos”, e desde então se dedicou também a ensinar a arte do desenho e da pintura a inúmeros alunos. Tombado pelo patrimônio histórico do município em 1999, o Espaço foi transformado em Museu em outubro de 2012 e graças às doações da família do poeta, tem hoje um dos maiores acervos de Augusto dos Anjos. Atualmente, o local abriga também em sua área externa diversos eventos culturais, como apresentações musicais, teatrais e saraus literários.

A página da ALLA-Academia Leopoldinense de Letras e Artes destaca sobre o homenageado> Nascido em Leopoldina, Luiz Raphael Domingues Rosa tornou-se uma referência em matéria de preservação da alma coletiva da sua terra e também um sinônimo de alegria, animação carnavalesca, atenção e carinho por todos que deles se aproximavam.

Sua pintura trata da natureza da Zona da Mata e principalmente da cidade, com seus costumes, festas e cotidiano, mostrando céus, morros, rios, casas, becos, esquinas, quebradas, climas e sentimentos banhados de uma luz brilhante e calorosa.

Segundo Ernandes Fernandes, “sempre atento, Luiz Raphael fez de sua obra um constante documento das diversas faces e épocas de Leopoldina, tendo por isto o mérito dos precursores, daqueles que anteveem a necessidade das ações; e, paciente e deliberadamente ao longo dos anos, manteve viva a memória local”.

Um grande público compareceu na abertura da Exposição no Museu Espaço dos Anjos
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »