01/03/2018 às 10h49min - Atualizada em 01/03/2018 às 10h49min

Relatório detalha emissões setoriais de gases de efeito estufa em Minas Gerais

Essa é a primeira vez que a categoria “Mudança de uso da terra e florestas” é analisada pela Feam

Agência Minas

Estudo divulgado neste mês de fevereiro pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam) revela o panorama das emissões de gases de efeito estufa provocados por alterações no uso do solo em Minas Gerais.

Essa é a primeira vez que a categoria “Mudança de uso da terra e florestas” é analisada com base nos dados do relatório “Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa de Minas Gerais”, publicado em 2016.

O estudo, que tem referência em dados de 2014, aponta para redução de 49,4% na quantidade de dióxido de carbono emitida por esse setor, na comparação com números de 2011. As emissões estaduais caíram de 58,9 milhões de toneladas de dióxido de carbono (MtCO2) para 29,1 MtCO2, no intervalo.

O termo “uso do solo” se refere a formas de utilização da terra, a exemplo de aproveitamento para área urbana, pastagens, florestas, atividade agrícola, locais de mineração, entre outros. Pelos critérios ambientais, as mudanças nessas formas de uso interferem diretamente no aumento ou redução da emissão de gases geradores do efeito estufa.

Por meio do levantamento é possível inferir que o combate ao desmatamento exerceu grande influência para redução da taxa de emissões na categoria citada. O estudo mostra ainda que as unidades de conservação (federais, estaduais e municipais) são responsáveis pela remoção anual de cerca de 2,8 MtCO2, abrigando um estoque total de 2,3 bilhões de CO2.

Segundo o gerente de Energia e Mudanças Climáticas da Feam, Felipe Nunes, esse quantitativo representa o volume de dióxido de carbono sequestrado e mantido pelas áreas protegidas, o que revela a importância destas áreas para o equilíbrio climático. Minas Gerais possui, atualmente, 91 unidades de conservação estaduais abrangendo uma área de cerca de 2,3 milhões de hectares de terras.

Felipe Nunes explica que o pico de emissões de 2011 (58,9 MtCO2) se deve principalmente à mudança de uso da terra e ao desmatamento no bioma Cerrado. “Cerca de 120 mil hectares (ha) foram detectados como desmatamento, área de degradação florestal ou mudança para uso antrópico (que resulta da ação humana). Já nos anos seguintes, foi observada uma redução, com a marca de 45 mil ha em 2014”, afirma o gerente.

Já para os biomas Mata Atlântica e Caatinga detectou-se um padrão mais constante, com média anual de 7,4 mil ha e 1,5 mil ha, respectivamente, nos cinco anos estudados. Nunes ressalta que os padrões de redução identificados demonstram a importância do combate ao desmatamento para redução das emissões estaduais.

O relatório da Feam aborda, especificamente, as emissões e remoções do setor de Mudança de Uso da Terra e Florestas (LULUCF, na sigla em inglês para “Land Use, Land Use Change, and Forestry”), a partir de uma perspectiva histórica.

E permite, agora, a contabilização das emissões de todos os setores conforme orientação metodológica do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). O estudo está disponível na internet, no endereço www.feam.br/mudancas-climaticas/inventario-gee.

Emissões estaduais

As emissões por “Mudança de uso da terra e florestas” foram integradas aos demais setores já contabilizados anteriormente: Energia, Agropecuária, Processos Industriais e Uso de Produtos e Tratamento de Resíduos.

Felipe Nunes explica que todos os passos do estudo, inclusive a integração dos dados, atendem às recomendações do IPCC. Além disso, em conjunto, os dados permitem uma avaliação integrada do perfil de emissões ao longo do tempo, o que inclui a identificação de tendências e padrões.

Após a integração de todos os setores, observa-se que, exceto para os anos de 2011 e 2012, o setor de agropecuária tem sido responsável pela maior parte das emissões estaduais, com 32%, seguido do setor Energia, com 31%. Já nos anos 2011 e 2012, o setor Mudança de Uso da Terra e Florestas foi o maior contribuinte para as emissões estaduais, responsável por aproximadamente 32% e 29% das emissões, no período.

As emissões da população mineira no período de 2010 foram de 6,6 toneladas de CO2 por habitante. A taxa sofreu aumento de 32% em 2011, quando atingiu o valor de 8,7 toneladas por habitante. A partir de então, as emissões per capita sofreram uma redução de 17%, chegando a 7,2 tCO2 habitante em 2014.

Metodologia

Felipe Nunes explica que o estudo foi feito observando o período de 2010 a 2014 tendo em vista a limitação de informações espaciais para os anos de 2005 a 2009 e incertezas relacionadas aos dados de uso da terra no Brasil.

Ele observa que para calcular as emissões oriundas das transições de áreas com vegetação nativa foram levantados dados de alerta de desmatamento nos três biomas do território mineiro: Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga.

“Após análise de consistência e acurácia das diferentes bases georreferenciadas e matrizes de transição disponíveis, foram usados os dados geoespacializados produzidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (LAPIG) da Universidade Federal de Goiás, e do Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF)”, afirma.

Para estimar as remoções de CO2 promovidas por áreas florestadas, consideraram-se apenas florestas manejadas, ou seja, apenas unidades de conservação, excluindo-se as Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs).

Clique aqui para acessar o relatório.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »