21/03/2018 às 15h56min - Atualizada em 21/03/2018 às 15h56min

Governador participa da formatura de 91 investigadores da Polícia Civil de Minas Gerais

Policiais atuarão na capital mineira e no interior do Estado; ao todo, a corporação recebeu mais de 1.600 novos investigadores nos últimos quatro anos

SEGOV - Governo de Minas - Central de Imprensa

Fotos: Omar Freire/Imprensa MG
O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, participou nesta quarta-feira (21/3), no auditório JK, na Cidade Administrativa, da formatura de 91 novos investigadores da Polícia Civil e da entrega da Medalha Gilberto Porto, concedida aos alunos com melhor classificação no curso.  Nos últimos quatro anos, mais de 1.600 novos investigadores foram nomeados para atuar na capital mineira e no interior do Estado.

Os novos integrantes vão reforçar as ações da Polícia Civil, majoritariamente nas cidades do interior do Estado. A adesão desses novos policiais vai possibilitar maior agilidade na solução de crimes e melhoria da segurança pública, uma das demandas da população recebida pelos Fóruns Regionais de Governo. 

Fernando Pimentel elogiou o comprometimento dos novos investigadores e afirmou que o ingresso deles na carreira da Polícia Civil é um anseio da sociedade mineira. 

“É uma alegria para vocês, mas também para nós. E aí eu não falo como governador, falo como cidadão de Minas Gerais. Cada novo policial que se integra à carreira é uma força a mais para Minas Gerais na área da segurança pública. Então, como cidadão, tenham certeza que Minas Gerais inteira está muito feliz com a chegada de vocês”, afirmou o governador.



Pimentel também destacou que a área da segurança tem apresentado desempenho superior ao do restante do país, com registro de queda dos índices de criminalidade em todo o Estado graças ao esforço da atual gestão, apesar de todas dificuldades financeiras e da crise política nacional.

“Isso, é claro, tem a ver com o esforço, o trabalho e o empenho de cada um dos policiais civis, e também, claro, da Polícia Militar e do corpo de agentes prisionais. É a dedicação de cada um desses servidores públicos, com o apoio do Governo, ainda que com dificuldade, mas se esforçando para equipá-los com equipamento de primeira qualidade, para treiná-los de maneira adequada e dar-lhes o apoio necessário nos seus embates com a criminalidade”, afirmou.

Os formandos serão distribuídos em postos de trabalho de acordo com critérios técnicos e objetivos que compreendem, dentre outras coisas, nota classificatória do concurso, análise da demanda de novos policiais em cada região, índice de criminalidade e o tamanho da população de cada município.

Durante quatro meses os policiais passaram pelo curso de formação da Academia de Polícia Civil (Acadepol). A função do investigador é, entre outras, colher as impressões digitais para identificação civil e criminal, captar e interceptar dados, comunicações e informações, assegurar a custódia provisória de pessoas no curso dos procedimentos policiais, realizar inspeções e operações policiais e promover a mediação de conflitos.