28/05/2018 às 15h30min - Atualizada em 28/05/2018 às 15h30min

FAEMG divulga nota sobre movimento dos caminhoneiros

Movimentos de caminhoneiros na BR116 em Leopoldina (Foto: João Gabriel Baía Meneghite)
Desde o início, em 21 de maio, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (FAEMG) manifestou o seu apoio ao movimento dos caminhoneiros, por entender a justiça da causa. No entanto, a continuidade da paralisação, por período tão extenso, está provocando um efeito da maior gravidade, que é a desestruturação da economia brasileira.

No agronegócio, as perdas são incalculáveis. A falta de ração para os animais atingiu níveis insuportáveis, tanto do ponto de vista econômico quanto do bem-estar dos animais, expressados por relatos dos produtores. Aves estão praticando o canibalismo para sobreviver. Também milhares de suínos têm morrido diariamente. E ainda há o risco de esses animais mortos provocarem perigosos problemas sanitários, por falta de locais apropriados para serem enterrados. Além de tudo isso, milhares de litros de leite têm sido descartados por falta de coleta diária. É uma conta elevada que, no final, será paga pelo produtor rural e pela sociedade.

A situação chegou a um ponto de gravidade extrema. Precisaremos da colaboração de cada um para sairmos desse impasse. Isoladamente, o Governo Federal, bastante fragilizado, não tem condições de encontrar a saída para a crise. Precisamos da participação ativa dos estados, fazendo a revisão do ICMS, que é altíssimo, sobre os combustíveis. O Congresso Nacional também precisa desenvolver ações que contribuam para que o país volte à normalidade, assim como o Poder Judiciário e as categorias profissionais. É fundamental que estejamos todos juntos para encontrar uma solução urgente e evitar a falência da economia brasileira.
 
 
Roberto Simões
Presidente do Sistema FAEMG
Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »