12/11/2018 às 14h56min - Atualizada em 12/11/2018 às 14h56min

Detentos da Zona da Mata participam do Festival da Canção em Viçosa

Geraldao canta e diretor geral do Presidio de Vicosa no violão (Fotos: Bernardo Carneiro)
A 4ª edição do Festival da Canção Prisional (Festipri) reuniu na última sexta-feira (9/11) seis detentos de unidades prisionais de Viçosa, Conselheiro Lafaiete, Juiz de Fora e Cataguases na antiga estação de trem de Viçosa, atual Estação Cultural Hervê Cordovil. A dupla Charles Patrício Nascimento e Alan Willian Mariano, da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Conselheiro Lafaiete, conquistou o primeiro lugar com a música “Deus quando quer ele não desiste”, sobre fé e esperança em uma nova vida. Charles e Alan ainda levaram o prêmio de Melhor Intérprete.

Esse foi o sexto e último evento do Festipri de 2018. Outras cinco regiões do estado sediaram o festival: Norte de Minas, Sul de Minas, Triângulo Mineiro, Vale do Rio Doce e Região Metropolitana de Belo Horizonte. O projeto foi criado em 2015 para que a população carcerária de Minas Gerais mostre seus talentos musicais, desenvolva a autoestima, o senso de responsabilidade e o espírito de cidadania.


Para o diretor de Ensino e Profissionalização da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), Lucas Eduardo Pereira Silva, a arte tem o poder de transformação do ser humano. “Ofertamos e incentivamos atividades culturais e educacionais por acreditarmos no potencial dessas pessoas. O Festipri faz com que elas sejam enxergadas pela sociedade”, explica.

As três melhores apresentações, suas respectivas unidades prisionais e o melhor intérprete foram contemplados com um troféu. A cada edição do festival o troféu recebe o nome de um homenageado, de acordo com a escolha da unidade que recebe o evento. Desta vez, o prêmio levou o nome do músico José do Espírito Santo Sant´Anna, conhecido como Zé Boia.
 


Escolhidos

A Apac Feminina de Conselheiro Lafaiete conquistou o segundo lugar, por meio da recuperanda Joyce Aparecida dos Santos; e o terceiro lugar ficou com o Presídio de Cataguases, na voz de Rafael Souza da Silva, acompanhado por dois agentes de segurança penitenciários, um no clarinete e outro no cajón, e ainda uma psicóloga no teclado.

A dupla do primeiro lugar falou sobre a emoção do prêmio com um trecho da própria música: “... eu louvo ao Senhor e agradeço a Deus por lembrar-se de mim, pelo amor, pelo que estamos aqui, pois eu amo a minha vida e a coisa mais linda de se ver,  com os olhos cheios de som, o dia amanhecer”.

No júri havia vereadores, músicos e professores de música; Marina Carvalho Sant’Anna, uma das filhas do homenageado José do Espírito Santo Sant´Anna; e ainda o detento Fabrício dos Santos Leocádio, do Presídio de Viçosa, responsável pela criação de instrumentos musicais, feitos de papelão, que decoraram o palco da Estação Cultural Hervê Cordovil.

O músico e vereador Geraldo Luis Andrade, conhecido por Geraldão, um dos membros do júri, e o diretor-geral do Presídio de Viçosa, Vinícius Roque Coutinho, também mostraram seus talentos musicais, com sucessos da MPB, enquanto os votos eram apurados. “O evento tocou o coração de todos. É uma ótima iniciativa para levar cultura e arte àqueles que cumprem pena no Sistema Prisional”, avalia Geraldão.



SEGOV - Governo de Minas - Central de Imprensa

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »