01/01/2019 às 12h52min - Atualizada em 02/01/2019 às 12h52min

As obras que a população de Leopoldina quer ver concluídas em 2019 – Capítulo I

R$2,5 milhões foram prometidos para construir novo Pronto Socorro Municipal junto à Casa de Caridade Leopoldinense cujas obras estão paralisadas.

Luiz Otávio Meneghite
Obra do Pronto Socorro paralizada
A todo momento chegam à redação do Jornal Leopoldinense, mensagens via e-mail’s, facebook, telefonemas e contatos pessoais, contendo reivindicações, sugestões e reclamações dos leitores. A maioria vem de pessoas que desejam ver a sua rua, o seu bairro e, enfim, a sua cidade melhor.

Para alguns leitores, Leopoldina não precisa de novas obras públicas, bastando concluir o que já foi iniciado e paralisado por razões diversas, a principal delas, a falta de recursos.

O governante, melhor que o público, sabe que o momento de dificuldade financeira por que passa o país, o estado e o município vai demorar a ser superado. O estrago feito não vai permitir que a luz no fim do túnel seja avistada tão cedo. As datas de certos acontecimentos certificam que os erros não são recentes, começaram bem antes.

Não existe passe de mágica e mesmo os mais lindos sonhos, por mais que desejemos vê-los materializados, serão irrealizáveis se medidas drásticas não forem adotadas e os pés não forem mantidos firmes no chão.

Pessoalmente, há cerca de dois anos, tive oportunidade de falar com o Prefeito José Roberto de Oliveira, durante uma visita à redação do Jornal Leopoldinense que Leopoldina não precisa de obras novas e sim concluir o que já foi iniciado e de resto cuidar do que já existe. Na ocasião ele estava acompanhado de dois de seus Secretários que ouviram em silêncio o que eu disse.


R$2,5 milhões foram prometidos para construir novo Pronto Socorro Municipal


O Secretário de Saúde Antônio Jorge no ato de assinatura da liberação dos recursos

Um exemplo de obra iniciada e paralisada em Leopoldina é a construção do novo Pronto Socorro Municipal. Em visita oficial a Leopoldina onde foi recebido pelo prefeito José Roberto de Oliveira e vários prefeitos da região, no dia 07 de junho de 2013, quando era Governador do Estado Antônio Junho Anastasia, o Secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais, Antonio Jorge de Souza Marques, garantiu o aporte de mais R$ 2.5 milhões do Tesouro Estadual para financiar o projeto de construção e instalação do novo Pronto Socorro de Leopoldina junto ao hospital da Casa de Caridade Leopoldinense. 

"Com esse aporte de recursos vamos garantir um atendimento de urgência mais qualificado. Esse investimento alavanca o início de um grande plano diretor de investimento para o hospital de Leopoldina, com foco na Urgência e Emergência", afirmou o secretário, ao pedir aos gestores municipais presentes no Salão Nobre da Prefeitura de Leopoldina, que tivessem entendimento que o sucesso depende do desprendimento dos prefeitos. “É preciso pensar regionalmente; é preciso desprendimento dos gestores", afirmou.

Infelizmente, ainda que a obra tenha sido iniciada, com alicerces e colunas prontas ela está há muitos anos paralisada e pode se transformar num elefante branco. Torçamos para que não. Em outro capitulo abordaremos o trânsito de Leopoldina, seus problemas e soluções sugeridas. O espaço para manifestações das autoridades está aberto.

Fonte>Arquivo do Jornal Leopoldinense e fotos de João Gabriel Baia Meneghite e Kalon Moraes
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »