10/04/2019 às 14h31min - Atualizada em 10/04/2019 às 14h31min

Projeto de leopoldinense leva noções de primeiros socorros a escolas públicas.

A estudante de Enfermagem e idealizadora do projeto Ana Carolina Carraro Tony, afirma que a iniciativa também colabora para pesquisas na área.

Ação leva para as escolas manequins nos quais são exemplificadas as simulações ensinadas para alunos e professores (Foto Divulgação)
Reconhecido por suas ações educativas, o projeto “Primeiros socorros no ensino básico”, do Grupo de Estudos e Pesquisa Avançada em Enfermagem (Gepae), da faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) alia a prática à necessidade de treinamento básico de primeiros socorros de professores e funcionários de escolas públicas, conforme estabelece a Lei 13.722/18. A medida gera integração e troca de saberes entre a comunidade e os alunos da Enfermagem.

A ação consiste em levar para as escolas manequins nos quais são exemplificadas as simulações ensinadas para alunos e professores. De acordo com o coordenador do grupo e professor Fábio Carbogim, as ações partem, no primeiro momento, de aprender observando. “São técnicas que se deve seguir, passo a passo, em uma situação de parada cardíaca ou engasgo. São habilidades psico-motoras que são desenvolvidas na perspectiva construtivista”.
 
O projeto foi criado em agosto de 2018, quando a Lei 13.722/18 foi instituída após um acidente em São Paulo que culminou com a morte de uma criança por engasgo. Até o momento o projeto visitou três escolas e, nesta semana, apresentará os procedimentos à Escola Municipal Tancredo Neves, no Bairro São Pedro.
 
A leopoldinense Ana Carolina Carraro Tony estudante de Enfermagem e idealizadora do projeto, afirma que a iniciativa também colabora para pesquisas na área. “Nós aplicamos a didática e, em seguida, aplicamos um pós-teste para avaliar se o conteúdo foi bem absorvido, se aprenderam. Com o resultado discutiremos o assunto durante meu trabalho de conclusão e, futuramente, gerar mais estudos e pesquisas nesta área”.
 
A graduanda em enfermagem Ana Stephany Santos está no projeto desde o início e destaca sua importância. “Minha grande motivação é poder colocar na prática a ação do enfermeiro enquanto educador, uma interface importante e muito presente na minha futura profissão. Aprendemos a ensinar e sensibilizar os alunos para a necessidade de se apropriar do conhecimento e salvar vidas.”
 

De acordo com Carbogim, o projeto é bem recebido pelos alunos. “Há relatos de crianças que já vivenciaram situações de engasgo em casa. Alguns relatam situações de parada cardíaca e que não souberam como atuar. Então elas ficam muito motivadas e bem envolvidas em todo o processo, até porque trazemos os manequins e simulamos as situações. É bem realístico e todos se envolvem, inevitavelmente”.
 
Interessados em receber a visita do grupo nas escolas devem entrar em contato pelo e-mail do coordenador do projeto ([email protected]).
 
Fonte> UFJF Notícias

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »