24/06/2021 às 08h38min - Atualizada em 24/06/2021 às 08h38min

Secretaria de Saúde de Minas disponibiliza kits intubação para a Casa de Caridade

Apesar de crítica, a situação dos insumos para sedação nos hospitais está estável, segundo a Secretaria.

Agência Minas
Foto de Fábio Marchetto
A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais envia, esta semana, 11.600 medicamentos do kit intubação para 99 unidades de saúde, em 82 cidades, entre elas a Casa de Caridade Leopoldinense. Semanalmente, a SES-MG tem disponibilizado os insumos de acordo com monitoramento de estoques periódicos. Os remédios são direcionados a instituições que se encontram com níveis de disponibilidade de medicamentos considerados críticos.

Os itens estão sendo encaminhados para complementar a sedação dos pacientes em tratamento da covid-19. Os municípios irão receber 7.970 unidades de propofol e 3.630 de dexmedetomidina. Os sedativos são suficientes para atender os pacientes por até cinco dias.

“Os critérios para a distribuição de cada item foram pactuados com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems)”, detalha o diretor de Medicamentos Básicos da SES-MG, Jans Bastos Izidoro.

Ainda de acordo com o diretor, apesar de crítica, a situação dos kit’s intubação nos hospitais está estável. “Continuamos em alerta e diante da escassez no mercado de medicamentos, a SES-MG tem buscado aproveitar oportunidades de mercado para que não ocorra falta de sedativos em Minas Gerais”, afirma. 

Clique aqui e confira a relação das unidades hospitalares que receberam os medicamentos.

Monitoramento

A SES-MG, juntamente com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG), faz o levantamento periódico dos quantitativos dos prestadores e fornecedores de medicamentos e insumos das unidades hospitalares. 

Também é monitorado o abastecimento de fármacos nas redes públicas e privadas de assistência médico-hospitalar, que devem informar regularmente à SES-MG sobre estoques disponíveis de medicamentos e insumos.

O monitoramento é feito a partir da autodeclaração e preenchimento de formulário. Assim que cada remessa chega ao estado, o resultado do monitoramento semanal é analisado para distribuição aos hospitais em situação mais crítica e conforme disponibilidade do estoque. A sugestão de distribuição é validada junto a uma comissão da SES-MG e do Cosems-MG. 

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »