27/11/2021 às 11h01min - Atualizada em 27/11/2021 às 11h01min

Reclamações de mau atendimento gera requerimentos sobre o funcionamento do CAPS em Leopoldina

Vinícius Queijinho indagou como é feito o atendimento a pessoas que estão em crise e por que os portadores de doenças mentais estão sendo encaminhados para a CCL

Centro de Atenção Psicossocial – CAPS localizado no bairro São Cristóvão
Localizado no Bairro São Cristóvão, o Centro de Atenção Psicossocial – CAPS está sendo alvo de uma fiscalização realizada pelo vereador Vinícius Queijinho. O parlamentar apresentou requerimentos solicitando informações e documentos referentes ao funcionamento da unidade.

As solicitações foram encaminhadas ao Prefeito Municipal Pedro Augusto Junqueira Ferraz, com cópia para o Secretário Municipal de Saúde, Márcio Vieira Machado e para a Superintendente de Saúde Mental, Laura Monteiro Junqueira.

Através dos requerimentos, o vereador indagou o número de pacientes que são atendidos diariamente, os recursos que utilizados para pagamento da alimentação dos pacientes, a relação de funcionários, se esses são efetivos ou contratados e se há algum processo seletivo em andamento.

Vinícius Queijinho indagou como é feito o atendimento a pessoas que estão em crise e perguntou por qual motivo os portadores de doenças mentais estão sendo encaminhados para a Casa de Caridade Leopoldinense durante a semana. Ele também questionou se a equipe multidisciplinar está de acordo com as exigências e qual a frequência das reuniões de matriciamento, indicador que o Ministério da Saúde exige para o repasse das verbas.

O vereador perguntou se a equipe de plantão noturno está completa, se o CAPS funciona como hospital para os doentes que necessitam de acompanhamento e por que os pacientes com diagnóstico crônico estão sendo dispensados do atendimento no CAPS e encaminhados às Unidades de Estratégia de Saúde da Família para acompanhamento.

Vinícius Queijinho solicitou ainda informações sobre as atividades terapêuticas que são oferecidas pelo CAPS e como estão sendo feitos os atendimentos às pessoas de outros municípios. Outros questionamentos são referentes aos repasses de verbais federais e estaduais e ao processo seletivo 12/2021 que ainda não nomeou os aprovados.

O autor dos requerimentos também fez referências à Residência Terapêutica, solicitando prestação de contas desde o dia 1º de janeiro até a presente data, os nomes dos médicos e os horários de atendimento, quais os recursos que são utilizados na compra de alimentos e por que as visitas não são permitidas.

Por fim, Vinícius Queijinho solicitou que seja encaminhada à Câmara cópias das folhas de ponto dos servidores do CAPS referentes aos dias 14, 15 e 16 de novembro do presente ano.    

Vinícius Queijinho, em seu pronunciamento, explicou que recebe muitas demandas de diversas áreas no município. Ele afirmou que, em virtude da pandemia, aumentou o número de pessoas com depressão e com dependência química. O vereador informou que encaminhou algumas pessoas para o CAPS, pois entende que a unidade recebe recursos estaduais e federais, além de possuir uma equipe de profissionais com capacidade de atender a essas pessoas, porém os pacientes estão sendo orientados a procurar os postinhos de saúde. Ele comentou que, recentemente, uma equipe do SAMU direcionou um paciente para o CAPS, mas os funcionários orientaram que a pessoa fosse levada ao Hospital. O vereador frisou que ninguém assume a responsabilidade, os dependentes químicos não estão recebendo o apoio que precisam do CAPS e estão nas ruas, envolvendo-se em furtos a residências.

Diante de reclamações sobre o mau atendimento na unidade, o vereador informou que esteve visitando o CAPS por duas vezes para verificar a veracidade das reclamações. Por isso, elaborou os requerimentos, cujas respostas serão utilizadas no processo de fiscalização que está realizando em torno do atendimento do CAPS à população de Leopoldina.

Em seguida, os requerimentos foram aprovados por unanimidade e encaminhados ao Chefe do Poder Executivo que, segundo o que determina a Lei Orgânica do Municipal, tem um prazo de dez dias úteis para encaminhar as respostas ao Poder Legislativo.

Fonte> Câmara Municipal de Leopoldina

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »