29/03/2022 às 19h51min - Atualizada em 29/03/2022 às 19h51min

Escadão da Catedral continua com rachaduras e o bosque parece abandonado

O local também é utilizado para práticas de exercícios, muitas vezes com monitoramento de personal trainer

Luiz Otávio Meneghite
Rachaduras bem visíveis em toda a extensão do escadão (2)
Batizada oficialmente como Alameda Dom Delfim Ribeiro Guedes, em homenagem ao primeiro Bispo da Diocese de Leopoldina e popularizada como ’Escadão da Catedral’ aquela via pública apresenta há anos enormes rachaduras no sentido longitudinal colocando em risco as pessoas que por ela transitam ou se exercitam.

Construída no segundo governo do prefeito Francisco Barreto de Faria Freire (1967-1970), o ‘Escadão’ tem 140 degraus que levam a Catedral de São Sebastião. Trata-se um ponto turístico e local muito aprazível, para conhecer, passear e se deliciar do ar fresco. O local também é utilizado para práticas de exercícios, muitas vezes com monitoramento de personal trainer

Ao longo do ‘Escadão’, em suas laterais, haviam sido plantadas palmeiras imperiais, sendo que umas pegaram e outras não e não houve o replantio nem a manutenção. No seu entorno existe a Praça Pio XII cujo bosque há anos está com aspecto de abandono e uma curiosa ‘Pira’ está com a sua base se soltando dando a impressão de que pode tombar a qualquer hora. O jornal Leopoldinense publicou matérias a respeito nos últimos anos, sem que fosse tomada nenhuma medida pelo poder público.


Escadaria vista da torre da Catedral  (Foto: Luciano Baía Meneghite -25/05/2012)


Escadão em construção (Fotografias gentilmente cedidas por 
Herlaine Freire Bella)

Memória Leopoldinense



A foto ao lado, cedida por Herlaine Freire Bella para a seção Memória Leopoldinense, mantida no site do Jornal Leopoldinense por Luciano Baia Meneghite,  registra os saudosos funcionários municipais Eloy Rodrigues Netto, Antônio Furtado “Barão”,  Wesceslau Werneck e o ex-prefeito Bené Guedes carregando a imagem do Padroeiro São Sebastião na então recém construída escadaria da Catedral. Hoje a escada apresenta rachaduras em toda sua extensão e falta de jardinagem no seu entorno.




O que pensa o prefeito Pedro Augusto

Durante a campanha eleitoral de 2020, o Jornal Leopoldinense entrevistou todos os candidatos a prefeito concedendo a todos eles o mesmo espaço e oferecendo a oportunidade de responder as mesmas perguntas. Veja abaixo o que respondeu o prefeito eleito Pedro Augusto Junqueira Ferraz.



JL - Por que importantes espaços de lazer e turismo estão abandonados, como por exemplo, o Horto Florestal?

Pedro Augusto – Nossos espaços de lazer, como o Horto Florestal e o Morro do Cruzeiro, por exemplo, estão totalmente abandonados. Temos uma cidade que não se preocupa em manter de maneira adequada as praças e espaços públicos destinados ao turismo. Entendemos que a gestão também deve se preocupar com o aspecto paisagístico e de lazer da cidade. Os leopoldinenses merecem uma cidade florida, com jardins bem cuidados. Faz parte de nosso projeto fazer de Leopoldina uma cidade bonita, assim como já fizemos na Exposição Agropecuária, em que levamos para o evento um projeto paisagístico com flores e plantas. O sucesso foi extraordinário. 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »