13/05/2024 às 12h20min - Atualizada em 13/05/2024 às 12h20min

CBA promove nova edição do Seminário Orientativo de Barragem na Zona da Mata mineira

Com apoio das Defesas Civis e Corpo de Bombeiros, ação visa a evolução da cultura de segurança de barragem

Assessoria de Imprensa CBA – Ideia Comunicação
Divulgação
Na busca pelo aprimoramento constante do sistema de gestão de segurança de barragem, a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) promoveu a terceira edição do Seminário Orientativo de Barragem nas suas Unidades de Mineração na Zona da Mata mineira. A ação aconteceu, respectivamente, no dia 7, na Unidade de Itamarati de Minas, e no dia 9, na Unidade de Miraí, reunindo moradores das Zonas de Autossalvamento (ZAS) e representantes das forças de segurança pública regionais.

Com apoio do Corpo de Bombeiros e das Defesas Civis Municipais e Regional, o encontro fortaleceu orientações sobre como agir preventivamente em eventuais situações de emergência.

O exercício é preventivo e visa reforçar e ampliar o conhecimento da população das ZAS sobre o Plano de Ação de Emergência de Barragem de Mineração (PAEBM). Complementando o Seminário, também é realizado o Simulado de Emergência de Barragem, que neste ano está previsto para agosto, além de uma série de interações com os moradores das ZAS realizadas durante todo o ano. O Seminário e o Simulado seguem as legislações vigentes (Resolução nº 95/2022, da ANM, e Lei Estadual nº 23.291, de 2019).

Morador da Comunidade Usina Maurício, em Itamarati de Minas, Ademir Augusto Rodrigues participa do Seminário desde sua primeira edição. Ele considera importante estar presente para saber das atualizações e obter mais informações sobre a barragem. “O evento foi muito bom. Cada vez que venho encontro novidades. Isso dá muita tranquilidade para nós que moramos próximo à barragem”, conta.

O gerente das Unidades de Mineração da CBA na Zona da Mata mineira, Christian Fonseca de Andrade, reforça que a cultura de segurança de barragem é um valor para a CBA, estruturada nos pilares de conservadorismo, disciplina, transparência e relacionamento. “O Seminário Orientativo é mais uma ação que compõe as boas práticas da Empresa, um momento de troca entre todos os atores do processo de gestão de segurança de barragem, especialmente com os moradores da ZAS, aproximando-os ainda mais da CBA e das suas respectivas Defesas Civis municipais”, afirma Christian.

Depoimento das autoridades

O comandante da 4ª Regional de Defesa Civil (Redec), tenente Izônio Márcio Buenos Ayres, elogiou o evento e a participação dos moradores da ZAS. “Percebemos uma expressiva participação da população. O Seminário anterior já tinha bastante pessoas, esse surpreendeu mais ainda. Isso mostra o engajamento da população da ZAS com o trabalho sério que a CBA vem executando na região. Tudo isso só reforça a credibilidade que a Empresa nos passa no dia a dia”, conta.

O coordenador da Defesa Civil de Muriaé, Leandro Cunha, frisa que o treinamento é muito importante para repassar informações e aproximar ainda mais da população da Zona de Autossalvamento. “O que traz tranquilidade para a população, para quem precisa saber o que fazer em caso de emergência, são eventos como esse e o esclarecimento de dúvidas, e a CBA está fazendo um excelente trabalho nesse sentido. Eu acompanho todo o trabalho, todos os Seminários, e sei que o treinamento está sendo efetivo”, relata.

Também presente em todas as edições do Seminário, o coordenador da Defesa Civil de Itamarati de Minas, Sebastião Megres Filho, fez um balanço positivo do encontro. “Foi muito produtivo. A CBA vem, cada vez mais, mostrando a preocupação e o cuidado com as pessoas que moram na ZAS e fazendo todo um planejamento para fazer um evento melhor a cada ano. A grande participação  dos moradores também foi muito importante. Nós, como Defesa Civil, aprendemos muito. Só temos a agradecer”, comenta.

Barragem Miraí

A barragem de Miraí, construída em etapa única, opera desde 2008 e atende aos mais altos critérios de segurança. O rejeito contido nela é composto de água, argila, areia e bauxita. A água da barragem é reutilizada no processo de beneficiamento. A Companhia conta também com uma Estação de Tratamento de Água – ETA, que realiza o tratamento da água que retorna para o Rio Preto atendendo aos parâmetros legais de lançamento e com qualidade superior do que a água do próprio rio. 
 
Barragem Itamarati de Minas

A barragem de Itamarati de Minas, construída em etapa única, iniciou sua operação em 1992, mantendo continuamente todos os controles e manutenção das suas estruturas e sistemas.  Atualmente, a CBA tem foco no desenvolvimento tecnológico para o reaproveitamento dos minerais armazenados, compostos, basicamente, por água, argila, areia e bauxita. 
 
Gestão de segurança de barragem

A CBA possui um sistema robusto de gestão de segurança de barragens (SIGBAR) que garante a integridade física de suas estruturas, contemplando rotinas de monitoramentos quinzenais, mensais e semestrais. Desde 2023 a Companhia possui o seu Centro de Monitoramento Geotécnico (CMG), em Itamarati de Minas, um ambiente físico projetado, estruturado e dedicado exclusivamente ao monitoramento de barragens e acionamento dos dispositivos de alerta e alarme, quando necessário, com equipe dedicada. O CMG recebe 24h/dia, 7 dias/semana dados provenientes da leitura dos instrumentos instalados nas estruturas de barramento.
 
As barragens também passam por auditorias externas periódicas, conduzidas por uma empresa independente especializada em geotecnia, e recebem fiscalizações de órgãos públicos responsáveis, possuindo todos os laudos técnicos exigidos por lei, que atestam a integridade e a segurança de suas estruturas.
 
Sobre a CBA

Desde 1955, a CBA - Companhia Brasileira de Alumínio atua de forma integrada, da mineração ao produto final, incluindo a etapa de reciclagem. Com capacidade de gerar 100% da energia consumida por meio de fontes renováveis, a CBA fornece soluções sustentáveis para os mercados de embalagens, transportes, automotivo, construção civil, energia e bens de consumo, além de ser líder em reciclagem de sucata industrial de alumínio.
 
Com a abertura de capital em 2021 (CBAV3), foi a primeira Companhia no segmento a ter ações negociadas na B3 e faz parte da carteira do ISE B3 - Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3 - desde o seu primeiro ano de elegibilidade. Com receita líquida de R$7,3 bilhões em 2023 e R$307 milhões de EBITDA ajustado no período, a CBA tem o compromisso de garantir a oferta de alumínio de baixo carbono em parceria com os stakeholders, desenvolvendo as comunidades em que está inserida e promovendo a conservação da biodiversidade.
 
Quer saber mais? Acesse www.ri.cba.com.br.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »