21/06/2024 às 19h21min - Atualizada em 21/06/2024 às 19h21min

A caminho da beatificação: "Irmã Vicenta foi um exemplo de humildade e caridade" destaca bispo de Leopoldina

Assessoria de Imprensa da Diocese de Leopoldina
Diocese de Leopoldina

A Sala de Imprensa da Santa Sé divulgou nesta quinta-feira, 20 de junho de 2024, um boletim de promulgação dos decretos do Discatério para as Causas dos Santos, que reconhece as “virtudes heróicas” da Irmã Vincenta Guilarte Alonso, FI. Durante a audiência do Pontífice com o cardeal Marcello Semeraro, prefeito do Discatério para as Causas dos Santos, foi promulgado o decreto.

Dom Edson Oriolo, bispo de Leopoldina, ao tomar conhecimento da notícia, pouco antes da Reunião Geral do Clero nesta quinta-feira (20), compartilhou com os presbíteros presentes a sua alegria, destacando que o reconhecimento das virtudes da Irmã Vicenta neste processo de beatificação e canonização é um marco significativo para a Diocese de Leopoldina, especialmente para as religiosas da Congregação Filhas de Jesus, que estão presentes nesta região desde antes da criação da diocese.

“Irmã Vicenta era uma pessoa de grande simplicidade e coração generoso. Como porteira do colégio, recebia as alunas com um sorriso acolhedor e palavras de incentivo. Sua fama como intercessora se espalhava, e muitos recorriam a ela em busca de orações. Com fé inabalável, ela rezava fervorosamente pelos outros, e suas preces eram atendidas, trazendo esperança e conforto a todos. Irmã Vicente nos ensina que, mesmo nos gestos mais simples, podemos fazer a diferença na vida das pessoas e espalhar a luz divina. Portanto, queridos irmãos e irmãs, convido a todos a visitarem a nossa Catedral de São Sebastião – em Leopoldina MG – para um momento de oração junto aos restos mortais desta mulher piedosa, exemplo de humildade e caridade”, destacou o bispo.


UM BREVE HISTÓRICO

Irmã Vincenta Guilarte Alonso, FI, nasceu no dia 21 de janeiro de 1879, em Rojas, Província de Burgos—Espanha. Veio em missão para o Brasil em 1911, vivendo em Pirenópolis (GO), onde contribuiu para a fundação de um colégio dedicado a educação de meninas, especialmente das crianças pobres.

Viveu em Leopoldina entre 1927 e 1960, trabalhando no antigo Colégio Imaculada Conceição, onde exerceu o ofício de vice-priora e porteira desta instituição de ensino da Congregação Religiosa Filhas de Jesus. Conhecida por ser muito piedosa e querida por todos, sendo carinhosamente considerada a “santinha do colégio”.

Irmã Vincenza faleceu no dia 06 de julho de 1960, após uma queda que lhe causou a quebra do fêmur. Foi sepultada no Cemitério Público Municipal Nossa Senhora do Carmo, em Leopoldina (MG). Hoje os seus restos mortais estão depositados em uma urna, localizada no interior da Catedral de São Sebastião, em Leopoldina (MG).

SOBRE O RECONHECIMENTO

O reconhecimento de que a Irmã Vincenza Guilarte Alonso viveu “virtudes heróicas” é a penúltima etapa para declaração de santidade, mas para tanto, é essencial comprovar um milagre atribuído à sua intercessão. O processo de beatificação é crucial no reconhecimento oficial de uma pessoa como santa pela Igreja Católica e segue várias etapas específicas.  Depois disso, para a beatificação, deve-se validar um milagre ocorrido através de sua intercessão. Após a beatificação, se um segundo milagre for comprovado, a Igreja pode então proceder com a canonização, que é a declaração final de santidade, reconhecendo oficialmente a pessoa como santa.

 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »