02/11/2014 às 22h40min - Atualizada em 02/11/2014 às 22h40min

Decreto veda trânsito de carretas sobre ponte

Estrutura está em perigo por causa de carretas transportando areia retirada do Rio Pomba para Juiz de Fora e Ubá na antiga estrada Leopoldina x Cataguases.

Luiz Otávio Meneghite
Engenheiro José Márcio Gonçalves Lima, Secretário Municipal de Obras de Leopoldina.

“Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, diz o antigo ditado popular que pode ser aplicado na situação em que se encontra uma ponte de cimento localizada na antiga ligação por estrada de terra entre os municípios de Leopoldina e Cataguases, na altura da fazenda Bonsucesso.

O intenso tráfego no local, de imensas carretas trucadas pesando acima de 40 toneladas, transportando areia retirada do Rio Pomba para cidades como Juiz de Fora e Ubá, abalou a estrutura da ponte, que já apresenta trincas,

A situação da ponte é tão crítica, que o engenheiro José Márcio Gonçalves Lima, secretário municipal de Obras da Prefeitura de Leopoldina, orientou o prefeito José Roberto de Oliveira a baixar um decreto, que ganhou o número 3.707, de 20 de outubro de 2014, estabelecendo condições sobre o trânsito de veículos na ponte de concreto armado localizada nas proximidades da propriedade do Sr. Alcir Queiros, próximo a uma antiga Escola Municipal.

No texto legal assinado pelo prefeito de Leopoldina foi levado em consideração o que estabelece o Código de Trânsito Brasileiro e o fato da estrada vicinal conhecida como estrada velha de Cataguases estar dentro da circunscrição do Município de Leopoldina e ainda a avaliação técnica da Secretaria de Obras de Leopoldina.O CTB estabelece que cabe ao Município sinalizar o trânsito local.

O decreto, que entrou em vigor no dia 24 de outubro de 2014, quando foi publicado na edição nº 1357, do Diário Oficial dos Municípios Mineiro, veda o trânsito de veículos pesados, em especial as carretas e caminhões trucados com peso total superior a 12  toneladas pela ponte de concreto armado existente no trecho próximo à Fazenda Bonsucesso. O ato estabelece que a via deverá ser sinalizada de modo a orientar os usuários quanto às restrições de uso.

O infrator estará sujeito às penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro, sem prejuízo das sanções administrativas, cíveis e criminais aplicáveis em caso de dano contra o patrimônio público, privado e risco à coletividade.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »