15/12/2014 às 09h28min - Atualizada em 15/12/2014 às 09h28min

Imóveis do Minha Casa, Minha Vida recebem nota 8,77

Os empreendimentos pesquisados são da primeira fase do programa MCMV (2009-2010), com unidades entregues até dezembro de 2012.

Os entrevistados atribuíram nota 8,62 para o aumento do bem estar, sem intenção de mudar do imóvel.

Os beneficiários do Minha Casa, Minha Vida (MCMV) atribuíram nota 8,77, numa escala de zero a dez, na avaliação do grau de satisfação com os imóveis do programa. O resultado foi divulgado no livro “Pesquisa de Satisfação dos Beneficiários do Programa Minha Casa Minha Vida”, lançado na manhã de sexta-feira, 12/12, pelo ministro das Cidades, Gilberto Occhi, em Brasília. “Esse resultado nos dá a certeza de que estamos no caminho certo”, afirmou o ministro.

A pesquisa, da Secretaria Nacional de Habitação do Ministério das Cidades em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), é resultado das entrevistas presenciais com 7.252 famílias que moram em 245.205 unidades habitacionais de 254 empreendimentos localizados em várias regiões do país.

Os empreendimentos pesquisados são da primeira fase do programa MCMV (2009-2010), com unidades entregues até dezembro de 2012. Os entrevistados atribuíram nota 8,62 para o aumento do bem estar, 7,81 para inserção urbana, 8,20 sobre o entorno da moradia, 8,62 para unidade habitacional e 9,44 sem intenção de mudar do imóvel.

O ministro Gilberto Occhi disse que alguns problemas apontados na pesquisa já foram corrigidos na segunda fase do programa. “Nós já melhoramos as condições de contratação, exigimos melhor inserção não apenas na área da saúde, como de coleta de lixo, área de lazer e transporte público”. Segundo ele, na terceira fase do MCMV, em estudo no Governo Federal, estão em avaliação outras demandas como a qualidade do imóvel e o trabalho social realizado após a instalação das famílias nas unidades habitacionais.

Para o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE), Marcelo Cortes Neri, a pesquisa analisa a visão do programa MCMV do ponto de vista dos beneficiários. “Uma pesquisa como essa nos ajuda a ver quais são os detalhes, desde condições de temperatura do imóvel, a vizinhança e a oferta de serviços públicos”, explicou Neri.

No livro, os pesquisadores fazem uma avaliação do contexto da politica nacional de habitação e da pesquisa. Também traçaram um perfil dos entrevistados e das famílias com o detalhamento da percepção dos atributos das moradias, aumento do bem estar, acesso a serviços públicos e sustentabilidade das famílias entre outros.

O evento aconteceu no auditório do Ministério das Cidades e contou com a presença da secretária Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, Inês Magalhães, a diretora de Desenvolvimento Institucional e Cooperação Técnica da Secretaria Nacional de Habitação, Junia Santa Rosa, o presidente do Ipea, Sergei Soares. Também estiveram no evento o presidente da Confederação Nacional dos Serviços (CNS), Luigi Nesse, e o senador Geraldo Magela (PT-DF).

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do Ministério das Cidades

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »