03/01/2015 às 16h43min - Atualizada em 03/01/2015 às 16h49min

Extintor de incêndio obrigatório está em falta no mercado

Em alguns Estados está sendo aplicada a ‘Lei do Bom Senso’ com blitzens educativas até o final do mês de janeiro, prazo estimado para que o mercado seja reabastecido.

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) divulgou a Resolução 333/2009 que obriga os veículos automotores a circular equipados com extintores de incêndio com carga de pó ABC, a partir do dia 1.º de janeiro de 2015. Segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), a medida garante maior segurança aos motoristas e passageiros. Contudo, o equipamento está em falta no mercado em todo o Brasil.

 

De acordo com a nova resolução, os extintores com carga ABC são mais modernos e atendem todas as classes de incêndio. "O pó especial é capaz de combater princípios de incêndios em materiais sólidos, líquidos inflamáveis e equipamentos energizados", explica comunicado oficial do departamento.

 

Será considerada infração, caso o motorista esteja circulando sem equipamento obrigatório ou ineficiente, podendo também receber multa quem estiver com o extintor inoperante ou com equipamento em desacordo com o estabelecido pelo Contran.

O valor da penalidade é de R$ 127,69, mais cinco pontos na carteira de motorista. A fiscalização também poderá reter o veículo até que haja regularização. Mesmo com a falta do equipamento no mercado, não houve prorrogação do prazo. Em alguns Estados está sendo aplicada a ‘Lei do Bom Senso’ com a realização de blitzens educativas até o final do mês de janeiro, prazo estimado para que o mercado seja reabastecido.

 

Resolução do CONTRAN garante o fim das recargas de extintores veiculares.

Em 11 de Novembro de 2009, o Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN publicou a RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 333, DE 06-11-2009 que restabeleceu a vigência da RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 157, DE 22-04-2004 dando nova redação ao artigo 8º que fixou especificações para os extintores de incêndio, sendo equipamentos de uso obrigatório nos veículos automotores, elétricos, reboque e semi-reboque, de acordo com o artigo 105 do Código de Trânsito Brasileiro a Resolução do CONTRAN garante o fim das recargas de extintores veiculares.

O extintor do tipo ABC substitui os equipamentos com um ano de validade, em todos os veículos brasileiros. A resolução 333/2009 do CONTRAN já está em vigor. A medida garante o fim das recargas e obriga a troca do extintor no prazo de cinco anos, conforme sua validade ou uso. Ficou definido que o extintor de incêndio com carga de pó do tipo BC, deve ser substituído até 31 de dezembro de 2014, por extintor de incêndio novo com carga de pó do tipo ABC, obedecendo as especificações da tabela 2 do anexo da resolução em questão. 

Esta alteração no pó do extintor foi realizada tendo em vista o tipo de materiais os quais os veículos são fabricados. Num veículo existem líquidos inflamáveis – gasolina, álcool –(classe B), equipamentos elétricos energizados – bateria, parte elétrica – (classe C), mas também materiais sólidos – plásticos, tecidos, borrachas, estofamentos – (classe A). 

Foi o crescente emprego desses materiais sólidos na fabricação dos veículos que justificou a fabricação do extintor automotivo tipo ABC e a partir de 1 de janeiro de 2015, os veículos só poderão transitar com extintores de incêndio do tipo ABC, e o mesmo deve ser trocado de 5 em 5 anos (pó e casco) ou se o indicador da pressão estiver na faixa vermelha, ou se o lacre tiver rompido, ou se o casco tiver amassado ou enferrujado, ou se o extintor já tiver sido utilizado. 

Depois de expirada a validade de cinco anos, o extintor não é recarregável, sendo que o motorista deve descartá-lo e adquirir um novo. A diferença no preço é justificada pela maior durabilidade e garantia do produto.

 

Para melhor analise veja o comparativo:

►O extintor antigo custava em média R$ 23 por ano, agora passa a ser cobrado em média R$ 60 por 5 anos, se trocamos o extintor BC por 3 anos já atingimos os R$ 60 em relação ao ABC de 5 anos, o valor é relativamente pequeno ao consideramos a segurança que o equipamento proporciona. 

Segundo o Inmetro, órgão regulamentador do serviço de inspeção técnica e manutenção em extintores de incêndio, a partir de 1º de janeiro de 2015, a multa para o motorista que for flagrado sem o equipamento extintor adequado é de R$ 127,69 mais cinco pontos na CNH. :

Veja aqui a Resolução completa.

Fonte: Contran - CNM

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »