14/01/2015 às 15h31min - Atualizada em 14/01/2015 às 15h31min

O momento é ideal para iniciar a organização dos documentos

Fique atento! A desatenção e a omissão de rendimentos são os principais fatores que levam as pessoas a ficarem retidas na malha fina.

As festas de final de ano terminaram e um ano novo ano começou! Por que não organizar os documentos para a Declaração de Imposto de Renda? O prazo limite para a realização da declaração se estende até o final do mês de abril, como é habitual, porém os especialistas recomendam que o contribuinte já inicie a organização dos documentos, recibos e comprovantes, para não correr o risco de ser um dos incluídos entre os 30% que geralmente caem nas garras do Leão.

Segundo o presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, Marco Aurélio Cunha de Almeida, “deixar para a última hora não é uma boa ideia. É importante que todos estejam atentos aos prazos e, quanto antes a declaração for entregue, mais rapidamente a restituição será liberada”.

Este ano, o contribuinte terá mais um aliado para organizar a vida contábil. A Receita Federal criou um aplicativo para preenchimento de um “rascunho” da declaração de Imposto de Renda Pessoa Física. O programa disponível para smartphones e computadores promete facilitar a vida do contribuinte.

“O aplicativo auxiliará o contribuinte a organizar as informações e não perder nenhum dado importante que precisa ser declarado. A plataforma também é amigável e de fácil entendimento”, declara o presidente do CRCMG.

Para não perder os prazos, vários são os pontos de atenção! Seguem algumas dicas do CRCMG para que o acerto de contas com o “Leão” seja tranquilo e sem dores de cabeça:

· É necessário ter em mãos os documentos que comprovem os rendimentos recebidos ao longo do ano, Informes de Rendimentos fornecidos pelos empregadores, recibos de aluguéis e outros. As empresas têm o prazo legal até 28 de fevereiro para entregar aos funcionários.

·Um erro comum a todos os contribuintes é resultado da mudança de emprego dentro de um ano calendário. Muitas vezes o contribuinte esquece-se de incluir as informações referentes ao seu trabalho anterior ou pagos por fonte diversa àquela que paga seu salário com habitualidade.

·Os informes de rendimentos fornecidos por bancos são fundamentais. Para aquisição de automóveis ou bens imóveis, os comprovantes de compra e venda e contratos de financiamento também serão requisitados.

·Quando houver dúvida no preparo da declaração, aconselha-se que o contribuinte busque ajuda especializada. Erros na declaração podem acarretar em penalidades como multa e juros. Desta forma, o contribuinte poderá garantir a precisão das informações e evitar maiores constrangimentos.

O ideal é que os contribuintes procurem um profissional da Contabilidade sempre que houver dúvidas quanto à declaração e até mesmo para revisar os dados que foram lançados no aplicativo, reforça Marco Aurélio.

Fique atento! A desatenção e a omissão de rendimentos são os principais fatores que levam as pessoas a ficarem retidas na malha fina.

Link Comunicação Empresarial-Karen Gobbatto-Assessora de Comunicação
 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »