15/11/2015 às 08h55min - Atualizada em 15/11/2015 às 08h55min

Desabrigados se reúnem com prefeito e pedem construção de 'nova Bento'

Ministério Público afirma que Samarco Mineração está seguindo as recomendações

Nathália Lacerda/ Luiza Muzzi
O Tempo
População quer

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) já está analisando o plano de ação entregue pela Samarco Mineradora solicitado pelo órgão que explica como a empresa irá proceder no atendimento às vítimas do rompimento das barragens Fundão e Santarém.

O documento foi entregue ao promotor público Guilherme Meneghin na tarde da última sexta-feira, às 17h30, faltando poucos minutos para o vencimento do prazo. A informação foi confirmada pelo assessor da coordenadoria de Inclusão e Mobilização Social do MPMG, Marcelo Vilarinho, durante reunião realizada na manhã deste sábado em um clube da cidade que contou com mais de 400 moradores de Bento Rodrigues.

"Neste momento, o promotor Meneghin está analisando o documento. Ele vai entregar uma carta aos moradores explicando o plano de ação na próxima segunda-feira. Na terça, ele irá se reunir com as vítimas para saber se estão de acordo com a proposta", relatou Vilarinho, que não deu mais detalhes sobre o posicionamento da Samarco no texto.

Segundo Duarte Junior, prefeito de Mariana, a mineradora teria atendido à maioria dos pedidos. "A informação que eu tenho é que a Samarco atendeu todas as reivindicações desse momento, e uma delas era que as famílias começassem a receber um salário mínimo", disse.

Durante o encontro foram eleitos seis representantes da comunidade para representar os interesses das vítimas nas intermediações com a prefeitura e a Samarco. Os representantes do distrito de Paracatu serão definidos na próxima terça-feira. "Essa comissão vai acompanhar o prefeito por exemplo na reunião com o presidente da Samarco, porque eu não quero conversar sozinho. Acho que a comunidade tem que ouvir o que ele tem a dizer", disse Duarte Junior.

Ficou decidido ainda que será construída uma nova Bento Rodrigues, em outra localidade. Uma votação foi realizada e os moradores foram unânimes na decisão."Eles não querem a reconstrução das moradias naquele local, então hoje (ontem) ficou decidido que o antigo Bento Rodrigues realmente deixou de existir. A comissão vai levar até o presidente da Samarco onde seria melhor local para um recomeço. A partir daí, o novo passo será comprar esse terreno para reconstruir tudo", explicou o líder do executivo municipal.

O prefeito não detalhou prazos para essa reconstrução, ressaltando apenas que irá se reunir com o representante da Samarco na próxima semana. Até a próxima sexta-feira, cartões serão criados pela Samarco e entregues a cada chefe de família no valor de um salário mínimo para gastos com as necessidades pessoais. "A gente solicitou que a empresa disponibilize mais 20% do valor para cada dependente, mas a empresa ainda não se posicionou quanto a esse pedido". Com a cartão a pessoa poderá fazer compras em qualquer comércio local.

O prefeito explicou ainda que dinheiro arrecadado em doações, uma quantia de R$ 400 mil, será utilizado posteriormente para atender anseios da comunidade. Ele agradeceu as doações já realizadas, e ressaltou que a quantidade de roupas e alimentos recebidos já atende a população, pedindo que daqui a um mês as pessoas doem novamente alimentos.

Duarte Junior disse que acredita que em no máximo quinze, vinte dias todas as famílias já estejam acomodadas nas casas alugadas. "Foram levantados 400 imóveis. As famílias vão primeiro, conhecem os imóveis, e aí dão o aval se o imóvel atende ou não as suas necessidades. Uma assistente social acompanha o processo. Ela dando o aval, a família vai para aquela casa". Duas famílias foram realocadas ontem mesmo.

O prefeito confirmou a existência da trinca na barragem Germano. "É importante a gente trabalhar com transparência. Existe sim a trinca, que está sendo monitorada. Não vi imagens, mas o governador Fernando Pimentel me mostrou essas camadas na barragem", disse. "Nós tínhamos uma das barragens mais seguras do país, e ela se rompeu. Falar de uma trinca comigo agora me faz tremer e fico preocupado, porque uma que não tinha risco rompeu", finalizou.

REFÉNS DA MINERADORA

Um dos seis membros da Comissão composta por moradores de Bento Rodrigues, criada para acompanhar as conversas com a prefeitura e a Samarco, Antônio Pereira Gonçalves, 46, admitiu se sentir um refém da mineradora.

"Nenhum morador quer que a Samarco pare as atividades em Mariana. Isso seria uma perda muito grande pra nós. A maior parte de moradores de Bento trabalham para a Samarco. Nos sentimos reféns. A mineradora construiu a barragem sobre nós. Quando a barragem chegou lá, Bento já existia. Mas sabemos que ela é culpada", disse o motorista eleito pelos vizinhos para representá-los.

Gonçalves, mais conhecido como Da Lua, também responsabilizou os órgãos fiscalizadores de barragens por não terem acompanhado de perto a situação da estrutura de rejeitos. "Alguém falhou. Alguém tem que ser culpado. Hoje a gente não quer nem ouvir falar em barragem", finalizou.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »