15/02/2016 às 09h37min - Atualizada em 15/02/2016 às 09h37min

Dengue e as precauções na atividade física: cardiologista explica e faz alerta

Uso de anti-inflamatórios é proibido para esportistas que apresentam os sintomas da doença. Repouso e ingestão de líquido são recomendados

Por Nabil Ghorayeb(*)
Nabil Ghorayeb, um dos cardiologistas mais conceituados do Brasil, especializado em esporte
Não temos como nos esconder, o que acontece no Brasil em relação à saúde é para ficar alerta. A dengue veio para ficar e o que está acontecendo preocupa a todos.
No nosso Curso da Faculdade de Medicina de Sorocaba – PUCSP (a mais antiga do interior de São Paulo) as aulas de infectologia dos anos 65 nos ensinavam que era uma doença exclusiva da África. Hoje disseminada pelo mundo nos anos 80, provavelmente o mosquito veio nos navios e mesmo em aviões, encontrando as condições climáticas e ambientais favoráveis para seu desenvolvimento. O mosquito da dengue (Aedes aegypti) é o transmissor de algumas doenças graves, como a Dengue com seus quatro tipos de virus, a Febre Chikungunya e a febre amarela, e por isso é considerado um grave assunto de saúde pública.

O Aedes é um mosquito que atua somente durante o dia. Seus ovos são muito resistentes, sobrevivendo vários meses num local seco. A chegada de água propicia a incubação dos ovos, que rapidamente se transformam em larvas que dão origem às pupas, das quais surge o adulto. Somente as fêmeas se alimentam de sangue para o desenvolvimento de seus ovos. Os machos se alimentam apenas de frutas e outros vegetais açucarados. Elas costumam picar o ser humano no começo da manhã ou no final da tarde e escolhem as regiões dos pés, tornozelos e pernas, porque costumam voar a uma altura máxima de meio metro.

Sintomas da dengue são de início os comuns de uma virose e que piora: febre por vários dias, dores de cabeça, dor atrás dos olhos, dores musculares, dores nas juntas, prostração e vermelhidão no corpo. A forma hemorrágica se inicia igual a dengue clássica e depois de alguns dias, piora com hemorragias nasais, gengivais, urinárias, gastrointestinais ou uterinas levando ao risco de choque e até a morte, por queda acentuada das plaquetas e inflamação dos vasos sanguíneos. Existe um risco também do vírus da dengue atingir o coração provocando miocardite e suas complicações.

Por tudo isso a proibição do uso, principalmente, do acido acetil salicílico, pelo seu efeito anticoagulante que causa sangramentos e como também proibição do uso de anti-inflamatórios, estes infelizmente muito usados pelos esportistas, em automedicação para dores em geral. Faz-se necessário um alerta importante para as pessoas com problemas cardiovasculares e que usam medicações que “afinam” o sangue como os anticoagulantes e antiplaquetários, devem procurar imediatamente assistência médica em caso de suspeita de dengue.   

O tratamento da dengue é apenas sintomático: bastante repouso, ingestão de muito líquidos, como água, sucos naturais ou chá. São usados também medicamentos antitérmicos à base de dipirona, sempre receitados por médico. A prevenção atual é destruir o habitat e o próprio mosquito Aedes.

O uso de duas colheres de sopa de borra de café para cada meio copo d’água destrói 100% das larvas (lembre de repor a borra a cada sete dias). Os esportistas devem se proteger principalmente quando descansam dos seus exercícios, usando repelentes e roupas que cubram o corpo (se isso for possível)

(*) Nabil Ghorayeb-Doutor em Cardiologia - Medico Cardiologista, Membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia e Medicina do Esporte, Editor de Revistas Científicas em Cardiologia; Coordenador Clínico do Sports Check-up do HCor.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »