07/03/2016 às 08h31min - Atualizada em 07/03/2016 às 08h31min

Transferência da estrutura do SESI Leopoldina para o CEFET teve o aval do prefeito

Câmara Municipal terá que aprovar projeto de lei regularizando situação do imóvel que havia sido desapropriado e doado ao SESI para construção do CAT em 1993.

Reunião na Prefeitura para decidir situação do imóvel. (Foto: Júlio Cesar Martins)
Em reunião realizada no final da tarde de quarta-feira, 2 de março, na sede da UAITEC em Leopoldina, foram concluídos os entendimentos para que o imóvel onde funcionava a unidade do SESI Leopoldina seja do CEFET. Participaram do encontro o Prefeito José Roberto de Oliveira, o superintendente Regional do SESI MG - Lúcio José de Figueiredo Sampaio, os representantes do CEFET MG - Flávio Santos - diretor geral, Henrique Elias Borges - chefe de gabinete e José Antônio Pinto - diretor da unidade Leopoldina. Pela Prefeitura de Leopoldina também estavam presentes o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico - Valter Matos, Luiz Cabral - chefe de gabinete do Prefeito e João Paulo Fófano - secretário de Governo.


Luiz Cabral, Lúcio Sampaio, José Roberto, Flávio Santos, Valter Matos, João Paulo Fófano, José Antônio Pinto e Henrique Elias Borges. Foto: Júlio Cesar Martins. 

 
Imóvel fora desapropriado à Chácara do Desengano para ser doado ao SESI 
 
O imóvel havia sido desapropriado pelo Município à Chácara do Desengano S/A  e doado ao SESI para a construção do CAT-Centro de Atividades do Trabalhador, nos termos da Lei Municipal nº 2552, de 20 de outubro de 1993, durante o primeiro mandato do prefeito José Roberto de Oliveira. Como a lei tem cláusula de reversão em caso de extinção das finalidades, do CAT o imóvel retornaria ao município, o que automaticamente ocorreria agora.
 
Com o interesse do Cefet em agregar aquelas instalações ao seu Campus para a expansão de cursos superiores ficou acertado no encontro que a Prefeitura autorizará, após aprovação pela Câmara Municipal de Leopoldina, a  transferência  definitiva do imóvel para o SESI e este o venderá para o CEFET, que assumiu o compromisso reivindicado pelo prefeito de implantar ali um curso superior de engenharia após a transferência do imóvel para aquela instituição federal de ensino. "Ainda não foi definido qual será o curso superior, pois a decisão dependerá de estudos para que se chegue a um denominador comum", adiantou José Roberto. 
 
Flávio Santos declarou que "faremos essa discussão com a comunidade, além dos professores do CEFET. Nós queremos fazer a discussão com o setor produtivo, com as empresas, com as associações, com a Câmara, com a Prefeitura, de modo que a gente defina qual é o curso de engenharia que melhor atenda a comunidade, que aproveite também a infraestrutura que nós já temos aqui - laboratórios, a formação dos professores, por exemplo. Nós vamos começar esta discussão imediatamente. Vamos programar e uma vez concluído o projeto do curso nós vamos submetê-lo aos Conselhos e aprovando devemos implementar já em 2017."  
 
"Foi uma solução muito interessante, pois ela pode ser incrementada já que o imóvel é anexo ao CEFET, uma unidade de sucesso na cidade e na região na área de educação", afirmou o superintendente Regional do SESI MG. Lúcio Sampaio esclareceu que o SESI tinha uma parceria com a Associação Comercial e a atividade era restrita pelo próprio tamanho da unidade. Ele considerou essa incorporação um ganho muito grande para a cidade e manifestou sua satisfação pela autorização do Prefeito José Roberto para fazer esta transferência, com o objetivo de uma solução, a melhor possível para a cidade. 
 
De acordo com o Prefeito, esse gesto vem mostrar mais uma vez a boa vontade da Prefeitura em doar o terreno para o SESI, que venderá o terreno para o CEFET. "Ficamos muito satisfeitos em receber os representantes do CEFET e do SESI em nossa cidade para tratarmos desse assunto. Essa boa vontade deles influenciou e muito, assim como o empenho do nosso secretariado, do chefe de Governo Luiz Cabral. Após encaminharmos o Projeto à Câmara de Vereadores através do secretário de Governo João Paulo Fófano, nós temos certeza que a Câmara Municipal também fará o seu gesto de grandeza e votará maciçamente em prol deste Projeto, assim como o sacrifício e a luta do secretário Valter Matos trazendo para esta reunião os representantes destas instituições para chegarmos a este entendimento. Graças a Deus esta conversação, que vem há longo tempo, terminou bem e a Prefeitura então faz este gesto de grandeza e cede ao CEFET este imóvel para que sejam ampliados os cursos, além da abertura de um restaurante para que os estudantes do CEFET possam se alimentar ao preço de R$ 1,50, o que é algo grandioso para as pessoas que ali estudam", declarou José Roberto, acrescentando que durante a reunião foi acordado que a escola de natação que atuava naquele espaço e vem formando grandes valores no esporte continuará a utilizar a piscina. O entendimento será apresentado aos setores jurídicos da Prefeitura de Leopoldina, CEFET e SESI para que posteriormente seja encaminhado um Projeto para a apreciação da Câmara de Vereadores de Leopoldina.
 
Prefeitura já havia doado instalações da Escola parque para vinda do Cefet
 
A intervenção em favor do Cefet não foi a primeira feita pelo Município de Leopoldina. Anteriormente, o prefeito Osmar Lacerda França(Liliu), sancionou a Lei nº 1.913, de 15 de outubro de 1987, aprovada pela Câmara de Vereadores da época, doando o terreno e as edificações da antiga Escola Parque, que pertenciam ao Patrimônio Municipal, para a instalação do Cefet. Naquela época, com o fechamento da Escola Parque, toda a Administração Municipal ocupou aquele conjunto de prédios por alguns anos. A pedido do leopoldinense Albertinho Freire, o prefeito Osmar Lacerda França, abriu mão daquele patrimônio para a instalação do Centro Federal de Educação Tecnológica, que agora será ampliado.
 
Da Redação com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Leopoldina, da Câmara Municipal de Leopoldina e do Cefet Leopoldina.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »