09/07/2016 às 21h34min - Atualizada em 09/07/2016 às 21h34min

Começa nesta terça-feira, em Cataguases, o 4º Festival Ver e Fazer Filmes

Gravação de uma cena do filme
De 12 a 17 de julho, será realizado em Cataguases, o 4º Festival Ver e Fazer Filmes – Edição Inverno 2016. O evento busca ampliar a visibilidade das diversas ações realizadas no âmbito do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais, integrando parceiros, projetos e iniciativas em curso na Região.
 
Com programação intensa, o Festival promove arenas, fóruns, workshops, exibição e premiação de filmes que terão a participação de convidados especiais, entre gestores, profissionais do audiovisual, artistas, educadores, empresários e agentes culturais.

 

A abertura será feita por Mônica Botelho, da FCOJB.
(Foto: Site do Polo do Audiovisual da Zona da Mata)

São destaques na programação:
A Jornada Humberto Mauro de Cinema e Educação abre, no dia 12, terça-feira, um debate com lideranças estaduais e regionais sobre parcerias em políticas públicas para o desenvolvimento local sustentável a partir da economia criativa. A Jornada contempla ainda dois workshops com o tema: "Novas narrativas e conteúdos para crianças e juventudes". As oficinas terão a presença de educadores e especialistas, produtores e gestores públicos, com o objetivo de aprofundar a relação do Audiovisual com a Educação Integral em Minas Gerais.
 
O Projeto Escola Animada terá sua principal ação no Festival com a abertura da etapa Ver e Fazer Filmes, uma de suas frentes de atuação em 2016. Dez coletivos de professores e estudantes de diversas escolas da região participarão de oficinas de cocriação e coprodução de 10 curtas-metragens, referenciados no longa-metragem "A Família Dionti". Uma sessão educativa marca o início do processo de produção, com participação do diretor do filme, Alan Minas, em um bate-papo com os coletivos. Os curtas produzidos pelos estudantes e professores serão lançados em outubro, ocasião em que o filme entra no circuito comercial em todo o país. Ainda no âmbito do Projeto Escola Animada, destaca-se a ampliação da Rede Cineclube na região, com inauguração de duas novas salas de cinema em escolas de Muriaé, Visconde de Rio Branco e Além Paraíba.
 
O Projeto Estações Criativas - Aceleradora Transmídia, com suas primeiras ações em desenvolvimento, irá promover um laboratório com a participação de 30 empreendedores criativos de produtoras de Cataguases, Leopoldina, Juiz de Fora, Muriaé, Visconde do Rio Branco e Belo Horizonte. O Laboratório será coordenado por Rodrigo Arnaut e Rodrigo Terra, ambos da Associação Era Transmidia, de São Paulo.
 
Já o Projeto Usina Criativa de Cinema fará a primeira exibição dos cinco curtas-metragens produzidos pelas equipes vencedoras em um concurso regional. Foram contemplados pelo Edital os filmes: "A Luta", de Bruno Benec, de Muriaé; "De Quando em Vez", de Jader Barbalho e Rafaella Lima, de Visconde do Rio Branco; "Olhos de Vô", de Marco Andrade, de Cataguases; "O Universo de Manoel", do Coletivo PIA, também de Cataguases. Na categoria diretor convidado, foi selecionado o curta "Rainha", de Sabrina Fidalgo, do Rio de Janeiro. Na ocasião, haverá premiação do Melhor Filme escolhido pelo Júri Técnico e pelo Júri Popular.
 
E ainda, a Mostra Polo promove a exibição de filmes realizados na Região nos últimos anos: "Quase Samba", de Ricardo Targino, "Hannya", de Diogo Hayashi, e os curtas-metragens produzidos nas duas edições anteriores do Festival Ver e Fazer Filmes, em 2008 e 2010.
 
Todas essas ações reúnem esforços e recursos de diversas instituições e empresas da Região e de Minas Gerais, como ENERGISA, Votorantim Metais, Secretaria de Estado de Cultura, Secretaria de Estado de Educação, SEBRAE, FIEMG, Superintendências Regionais de Ensino de Leopoldina e de Muriaé, e Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. 
 
Baixe a programação completa do Festival clicando aqui.
Fonte: Beth Sanna, Coordenação de Comunicação da Fábrica do Polo Audiovisual da Zona da Mata
 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »