21/10/2016 às 18h06min - Atualizada em 21/10/2016 às 18h06min

Alunos de Rio Pomba ficam com medalha de bronze na Olimpíada Brasileira de Agropecuária

Somente 60 foram classificadas para a etapa presencial, ocorrida em Uberlândia.Entre eles estavam os alunos de Rio Pomba.

Ao centro os três medalhistas de Rio Pomba.
Três jovens do curso técnico integrado em Agropecuária do Campus Rio Pomba provaram que estão entre os melhores do Brasil. Marcello Rosce Vieira Marques, Mariana Nunes da Silva e Maria Eduarda Coelho Gomes, todos de 17 anos, ficaram com a medalha de bronze na Olimpíada Brasileira de Agropecuária (Obap). Quando foram chamados para receber a premiação no evento, que teve sua fase final nos dias 7, 8 e 9 de outubro, em Uberlândia, o grupo se surpreendeu. “Não imaginava que agropecuária ia me proporcionar isto”, declarou Maria Eduarda.

De acordo com o orientador da equipe, Marcos Luiz Rebouças Bastiani, a iniciativa de participar do evento partiu dos próprios alunos. “Eles se organizaram e montaram a equipe para concorrer”. Para alcançar a medalha, o caminho não foi fácil. Os jovens tiveram que enfrentar cerca de 650 equipes de todo o Brasil. Em agosto, iniciaram a bateria de provas teóricas e práticas sobre os conteúdos ministrados nos cursos técnicos da área agrícola. As duas primeiras fases foram realizadas virtualmente. Somente 60 foram classificadas para a etapa presencial, ocorrida em Uberlândia. Entre eles, estavam os estudantes de Rio Pomba. “Nós nos classificamos em 43º lugar. Por isso, nem achávamos que iríamos conseguir medalha”, lembra Marcello. Porém, o simples fato de chegar até aquela etapa motivou o grupo que se debruçou sobre os materiais escolares para se preparar para as provas.

No dia 8 de outubro, a maratona começou cedo. Na parte da manhã, durante quatro horas, eles tiveram que realizar provas escritas individuais. À tarde, foi a vez de provarem seus conhecimentos práticos. No domingo, 9, foram surpreendidos com a chamada ao palco para receberem a condecoração. “Ficou a sensação de que podemos chegar mais longe. Isso porque perdemos a medalha de prata por 0,75”, ressaltou Bastiani.

O professor não esconde a satisfação de ter acompanhado os meninos durante a jornada. “Não tinha noção do tamanho do evento. Só quando cheguei lá, percebi a importância de estarmos participando da Obap. Notei um avanço muito grande deles entre as fases virtuais e presencial. Isto tudo mexeu com a gente. Estou muito orgulhoso deles!”.

Bastiani ressalta ainda que o principal incentivador para que os estudantes se inscrevessem no evento foi o professor Francisco César Gonçalves. Ele é um dos componentes da equipe de organização do evento junto ao Instituto Federal do Sul de Minas. “Eu não podia me envolver muito com eles. Mas foi uma satisfação vê-los lá”.

Mariana admite que, além da experiência profissional, também gostou do lado social do evento, por meio do qual pôde conhecer pessoas de diversas regiões do Brasil. “Tivemos contato com outras culturas. Foi legar ouvirmos tantos sotaques diferentes".

Recepção

Os medalhistas participaram de uma solenidade especial no dia 20 de outubro no Gabinete. Eles foram recebidos pelo diretor-geral do Campus, Arnaldo Prata Neiva Júnior, e pelo diretor de Ensino, João Eudes da Silva. “Só a experiência de participar de um evento como este já é válida. A gente sempre traz coisas positivas. Sendo premiados então. A medalha coroa este trabalho. Saibam que vocês vão deixar um legado importante para as próximas turmas”, concluiu Arnaldo.

Bastiani espera que, com o bom resultado obtido pelo trio, mais alunos se sintam motivados, nos próximos anos, a participar do evento. “Basta um pouco de dedicação para que possam se destacar”, completou Francisco.


 
Fonte: Lidiane Aparecida Silva de Souza-IF Sudeste Campus Rio Pomba
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »