03/01/2017 às 17h00min - Atualizada em 03/01/2017 às 17h00min

Juiz de Fora planeja criar núcleo industrial de alimentos

Investimentos para implantação de condomínio de empresas são estimados em mais de R$ 50 milhões

Mara Bianchetti - Diário do Comércio
Os investimentos no polo alimentício em Juiz de Fora são estimados em mais de R$ 50 milhõesClarice CastroDivulgação.
Juiz de Fora, na Zona da Mata, pode abrigar, em breve, um condomínio industrial voltado para o setor de alimentação. Idealizado há alguns anos, o projeto volta à pauta da prefeitura da cidade após a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) garantir ao Executivo a doação de um terreno para sediar o núcleo. Os investimentos são estimados em mais de R$ 50 milhões.
 
As informações são do secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Turismo, João de Matos. Segundo ele, o condomínio, proposto pelo Sindicato das Indústrias de Alimentação de Juiz de Fora, será erguido às margens da BR-040, nas proximidades com grandes indústrias, como a Mercedes-Benz, a Codeme Engenharia e a própria M. Dias Branco S/A Indústria e Comércio de Alimentos, que também é do setor.
 
“Trata-se de um projeto de suma importância para o desenvolvimento do setor de alimentação da cidade. O núcleo vai abrigar diversas empresas de diferentes segmentos num mesmo ambiente. Isso vai permitir com que os negócios se fortifiquem e se multipliquem num somatório de força e ações”, explicou Matos.
 
Conforme o secretário, o projeto original do cluster prevê além da instalação física das empresas em uma área de cerca de 70 mil metros quadrados, ambiente de interação, salas de reunião, refeitório, área de lazer e segurança.
 
Até o momento pelo menos 15 empresas já aderiram ao projeto. Destas, três vão transferir suas operações de outras cidades. “A maioria já está instalada em Juiz de Fora, em outras regiões. Outras três virão em virtude dos incentivos concedidos pela prefeitura”, disse Matos. A longo prazo, o condomínio deverá reunir até 25 empresas e gerar mais de 1,2 mil empregos diretos.
 
A expectativa é de que o núcleo possibilite crescimento médio de 154% no faturamento e 120% na produtividade anual, já que além da localização estratégica, está previsto o rateio das despesas comuns, visando à redução de custos de operação e suporte administrativo. A prioridade do empreendimento será para micro e pequenas empresas.

M. Dias Branco - Em relação à implementação da fábrica de massas e biscoitos da M. Dias Branco, o secretário revelou que se encontra na fase final de obtenção das licenças e a expectativa é que as obras sejam iniciadas ainda no primeiro trimestre de 2017. O investimento será de R$ 300 milhões, com a previsão de geração de 650 empregos diretos na cidade e região. A planta deve entrar em operação até o fim deste exercício.

Detentora de 17 marcas, entre elas Adria, Richester, Isabela e Vitarella, a M. Dias Branco vai produzir, inicialmente, massas e biscoitos em Juiz de Fora. Além disso, a empresa vai investir outros R$ 100 milhões na construção de um moinho de trigo e dois centros de distribuição (CDs) no município da Zona da Mata. Com isso, será viabilizada a venda de matéria-prima básica para panificadoras e produtores em geral, o que poderá aumentar o número de empregos e atrair mais empresas.
 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »