01/02/2017 às 08h45min - Atualizada em 01/02/2017 às 08h45min

Diretoria do E.C. Ribeiro Junqueira faz balanço de gestão

Quitação de dívidas, aumento de receita, reformas, revelação de talentos, aproximação do torcedor e diversas ações colocam o clube em um cenário promissor.

A atual diretoria do Esporte Clube Ribeiro Junqueira, sob o comando do presidente Antônio Augusto do Vale Neto (Guto), divulga na edição nº 324, do jornal Leopoldinense, que circula nesta quarta-feira, 1º de fevereiro, uma nota de agradecimento e faz um balanço de sua gestão, no período que esteve à frente de um dos mais tradicionais clubes do interior de Minas Gerais.
 
Antonio Augusto e equipe assumiram os trabalhos em 2013, encerrando o primeiro mandato em 2015. O empresário renunciou ao mandato atual (2016-2018), para se dedicar a compromissos pessoais a frente de seus negócios. Apesar disso, manteve-se no cargo, a pedido de integrantes do Conselho Deliberativo, até que novas eleições fossem marcadas, o que foi feito por edital que está sendo publicado na página 6 da edição nº 324, de 1º de fevereiro de 2017, do jornal Leopoldinense
 
O relatório divulgado pela diretoria inclui: quitação de dívidas, aumento de receita, reformas, revelação de talentos, aproximação do torcedor e diversas ações que colocam o clube em um cenário promissor.
 
Desafio em assumir um clube em péssimas condições financeiras.
 
Desde que assumiram a direção do E.C.Ribeiro Junqueira, no ano de 2013, os dirigentes tinham um grande desafio pela frente: manter em funcionamento um clube com passivo jurídico e diversas pendências financeiras aglutinadas ao longo dos anos. “Pegamos um clube praticamente abandonado, sem crédito, com dívidas, enfim, numa situação crítica”, comentou o presidente Antônio Augusto do Vale Neto.
 
A diretoria fez questão de enfatizar a quitação de dívidas e processos na Justiça Trabalhista, encerrando o mandato com um saldo bancário positivo, no valor de R$ 4.252,31.“Não é um número expressivo como todos estão acostumados ver em grandes clubes, mas considerando diversos fatores, foi um grande desafio manter a instituição em pleno funcionamento. Olhamos para trás e constatamos que fizemos muito pelo Esporte Clube Ribeiro Junqueira. Hoje entregamos o clube com outra perspectiva, sem nenhuma conta em atraso, sendo quitadas diversas dívidas que somavam em torno de R$400.000,00”, disse o presidente do clube.
 
Investimentos e reformas no estádio
 
Segundo o diretor Ivaldo Pereira, o Jukinha, havia uma carência de materiais esportivos, falta de estrutura e uma série de necessidades para manter a escolinha em pleno funcionamento.  Ele destacou que o clube foi equipado com mais de 50 bolas e vários materiais esportivos, dispondo de dezenas de uniformes, redes para o gol e telas de proteção - evitando o desperdício, pois se perdiam muitas bolas que eram chutadas para fora do estádio. Também foram realizadas pequenas reformas como: pinturas, investimentos na parte hidráulica do clube, adquirindo caixas d’água para vestiários e adquirindo equipamentos, a exemplo de uma bomba cujo custo gira em torno de R$9.000,00, além de reparos na cobertura da quadra, entre outros.
Estádio Guanahyro Fraga Motta ganhou benfeitorias (Foto: Minas Drone)
A diretoria ressaltou a construção da cobertura das arquibancadas, dando mais conforto aos torcedores, que anteriormente, ficavam debaixo de um sol escaldante ou na chuva. Destacou também a parceria com o Colégio Equipe, que possibilitou a reforma da quadra dentro do Estádio Guanahyro Fraga Motta, sede do E.C. Ribeiro Junqueira.Outra obra importante foi a construção da sala de troféus, que recebeu o nome de Gilberto Vargas, diretor que dedicou uma “eternidade” ao clube. Com vidro blindex e dotado de um sistema de iluminação especial, permite que os torcedores que passam em frente à sede, apreciem a exposição dos troféus conquistados pelo clube ao longo dos anos.Aproveitando a localização do estádio num ponto estratégico central de Leopoldina, foram criadas algumas lojas para aluguel, possibilitando o aumento de receita do clube. Além de várias intervenções, a diretoria contratou especialistas nas áreas de arquitetura e engenharia, elaborando um projeto passível de execução para regularização do Estádio Guanahyro Fraga Motta junto ao Corpo de Bombeiros.
Gilberto Vargas dedicou-se há muitos anos de trabalho no clube e foi homenageado pela diretoria do E.C.R.J. Na Foto, o presidente Antônio Augusto (E), o homenageado e o diretor de futebol Jukinha (D).

 
A volta da equipe adulta e aproximação com o torcedor
 
Uma das principais reivindicações da torcida era a volta do time adulto, que há mais de 4 anos não entrava em campo. “Nossa intenção sempre foi trazer de volta os torcedores ao estádio. Aos poucos, ganhamos a confiança da torcida e conseguimos lotar o ‘Guanahyro Fraga Motta’ em dias de jogos dos campeonatos regionais. A Charanga, formada por músicos da cidade animava a torcida. Conseguimos aproximar o torcedor e fazer com que ele abraçasse a causa ‘Ribeiro Junqueira’. Crianças, que até então não tinham identificação com clube, passaram a gostar. As famílias foram presenças marcantes no estádio. Criou-se até mesmo uma torcida organizada denominada ‘Fúria’.  O objetivo foi alcançado, e, atualmente, temos torcedores mirins, jovens e os mais antigos frequentando os jogos”, disse o diretor de futebol Ivaldo Pereira.
A torcida encheu o estádio em dias de jogos.
Uma das estratégias utilizadas pela diretoria do E.C. Ribeiro Junqueira foi manter ativo o time adulto em diversos torneios regionais. Além disto, a participação de atletas profissionais, conhecidos por atuarem em grandes times, juntamente com jogadores locais, tornou-se uma outra atração para o torcedor. Como exemplo, o clube trouxe à cidade Djalminha, que vestiu a camisa do Flamengo, Palmeiras, Paris Sant German e Seleção Brasileira. Conhecido pela habilidade, ele encantou a torcida com passes refinados.  Além dele, vestiram a camisa rubro-negra leopoldinense dezenas de jogadores como Sorato, Pipico, Jorge Luiz, Sérgio Gomes, Léo Medeiros, Ziquinha, Lucas, Nill, Ademilson, Thiago Amaral, Tufí, entre outros.
Jogadores conhecidos internacionalmente vestiram a camisa do Ribeiro Junqueira. Na foto, Géder, zagueiro que fez sucesso no Vasco e Spartak Moscow e Djalminha, ex-jogador do Palmeiras, Paris Sant Germant e Seleção Brasileira.
Ao todo, foram 13 títulos conquistados, sendo o mais importante deles a Copa Internacional de Brodowski, com a equipe sub 17.
Delegação do RJ: Jogadores: Welington, Darlan, Augusto, Pedro, Henrique, Borges, Pandeló, Pimpo, Mascote, Matias, Arthur, Ítalo, Miller, Iury, Fred, Cleiton, Marcelo, Bruno, Dim, Celão, Áurio. Treinadores: Caio Conte e Antônio Valentim. Diretoria: Diretor de esportes: Ivaldo Pereira (Juquinha), Diretor de Patrimônio: Gilberto Vargas, Presidente: Antônio Augusto do Vale Netto e o seu filho Bruno Britto.

Valorizando a base e revelando talentos
 
Sob o comando dos técnicos Caio Conte e Antônio Valentim, o clube manteve a escolinha de futebol, lapidando diversos atletas que disputaram torneios com as equipes sub-10, sub 13, sub 15, sub 17 e sub 20.  Pela primeira vez na história, o E.C. Ribeiro Junqueira conquistou um título internacional, desbancando equipes competitivas do Brasil e exterior, sendo campeão invicto na Copa Brodowski de Futebol 2015, na categoria sub 17, realizada no Estado de São Paulo. Além disso, conseguiu preparar vários jogadores para as categorias de base de clubes expressivos do cenário nacional. Lucas Ventura, o ‘Nonoca’, que recentemente foi promovido ao elenco principal do Cruzeiro, pelo técnico Mano Menezes, foi descoberto pelo time Belo Horizonte num jogo realizado na cidade de Ubá em 2014, onde a ‘Raposa’ enfrentava a equipe sub-15 do E.C. Ribeiro Junqueira. Naquela ocasião, as duas equipes brigavam pelo título da Copa CEO, numa final competitiva, onde a equipe do Cruzeiro venceu nos pênaltis. O porte físico e o estilo de jogo de ‘Nonoca’ chamou a atenção da comissão técnica do Cruzeiro, que logo manifestou o interesse de contar com o jogador no seu plantel. Ele também jogou pela Seleção Brasileira Sub-17. “O Nonoca teve contrato assinado com o Ribeiro Junqueira e poderá render frutos ao clube num futuro próximo”, afirmou Jukinha.
 

Agradecimentos
 
Nominar todos os colaboradores é uma tarefa difícil e, certamente, incorreremos no erro de esquecer nomes. No entanto, cabe registrar algumas pessoas e instituições que muito contribuíram para o resultado de nosso trabalho, a começar pelos patrocinadores másters como Fonte Supermercados, Rede Atlas de Drogaria, Brahma, Sol & Neve e Organizações Elder Abreu, além de todos que doaram desde pequenos valores de R$5,00 à R$8.000,00. Agradecemos também aos veículos de comunicação como emissoras de rádio, canais de televisão, portais de Internet, blogs especializados, jornais e toda imprensa em geral. Aos técnicos que treinaram nossas equipes, ao porteiro Márcio, ao segurança Tião, Cabeludo, Miltinho, Pê, Kito Pereira, Zé do Carmo e tantos outros voluntários que nos auxiliaram em todos os jogos do clube, como os funcionários da Rede Atlas. A diretoria, conselheiros do clube e o advogado Dr. Leonardo Bastos, vice-presidente do ECRJ. Aos jogadores de Leopoldina e da região e também aos críticos de nosso trabalho, pois pudemos refletir e aperfeiçoar nossa gestão.
 
Foram inúmeros momentos de felicidade à frente do nosso querido Ribeiro Junqueira. Vamos sentir saudades dos fogos quando a equipe entrava em campo. Não estamos dando um adeus, mas um até breve. Saímos com a alma lavada e na certeza de que realizamos uma ótima gestão.
 
Desejamos sucesso à nova administração, ficando registrados nossos agradecimentos.
 
Antônio Augusto do Vale Neto – Presidente
Leonardo Bastos – Vice-presidente
Ivaldo Pereira  (Jukinha) – Diretor de Futebol
Gilberto Vargas – Diretor de Patrimônio.
 
   
   


 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »