05/03/2018 às 11h50min - Atualizada em 05/03/2018 às 11h50min

Reabilitação pós-AVC é tema de pesquisas no CEFET de Leopoldina

A pesquisa foi realizada pelos alunos Davi Guerra, Antony Leme, orientados pelo professor Samuel da Costa Basílio, todos do campus Leopoldina.

Alunos do Cefet Leopoldina realizam pesquisa revolucionária
As pessoas que sofreram Acidente Vascular Cerebral (AVC) necessitam de ajuda multidisciplinar para recuperar os movimentos, se tiver havido sequelas. Projetos realizados por alunos nos campi Leopoldina e Belo Horizonte do CEFET-MG buscam contribuir para os avanços nessa área.
 
Em Leopoldina, a pesquisa “Realidade aumentada como terapia espelho no tratamento pós-AVC” é baseada na terapia do espelho (tratamento fisioterápico utilizado na recuperação de pacientes com membros amputados ou com deficiência motora causada por Acidente Vascular Cerebral e outras hemorragias encefálicas).

Grupo de pesquisadores criou óculos de realidade virtual, controlado por um smartphone, que reproduz o membro em recuperação por um virtual; dessa forma, o paciente tem a ilusão de realizar o movimento fisioterapêutico, auxiliando na melhora do quadro físico-motor.

A pesquisa foi realizada pelos alunos Davi Guerra, Antony Leme, orientados pelo professor Samuel da Costa Basílio, todos do campus Leopoldina, e coorientados pela fisioterapeuta Rafaela Satil. O grupo participará, de 13 a 15 de março, da 16º Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), na Universidade de São Paulo (USP). O CEFET-MG levará oito projetos desenvolvidos na Instituição.

De acordo com Samuel Basílio, na Febrace o grupo vai expor os óculos de realidade virtual, inclusive para uso dos participantes da Feira, bem como exibir um vídeo mostrando uma sessão fisioterápica com uma paciente vítima de AVC (https://www.youtube.com/watch?v=RwwXIkKXLB0&feature=youtu.be).

Para o orientador da pesquisa, esse tipo de projeto é de grande valia para os alunos participantes. Eles têm a oportunidade não somente de colocar em prática o que é aprendido em sala de aula, mas são instigados a pesquisar conteúdos mais avançados. “Vale destacar que a participação nesse tipo de feira é uma experiência única. Temos aqui em Leopoldina um grupo de professores que participou desta e de outras feiras como alunos e hoje nos conta como isso contribuiu para a vida acadêmica e profissional”, diz Samuel.

Belo Horizonte

Considerando que a recuperação por meio da fisioterapia é lenta, monótona e exige uma dedicação muito grande, alunos do 3º ano do curso técnico em Equipamentos Biomédicos, em Belo Horizonte, desenvolvem um protótipo que utilizam o estímulo visual para acelerar a recuperação. O dispositivo eletrônico se chama Vicioterapia, que junto com a fisioterapia, auxilia na recuperação da força muscular de forma interativa com o paciente.

O projeto “Vicioterapia – Protótipo interativo medidor de esforço para estimular a fisioterapia muscular” foi desenvolvido pelos alunos Ana Clara Carvalho, Carolina Araújo e Marcelo Simin com a orientação da professora Tálita Sono. “No curso, a gente aprende eletrônica, programação e anatomia. Juntamos esses conhecimentos para desenvolver esse projeto que será de utilidade para a sociedade”, explica Ana Clara.



Fonte> Comunicação Cefet-MG

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »