14/11/2018 às 13h32min - Atualizada em 14/11/2018 às 13h32min

Estudantes do Cefet/Leopoldina participaram de maratona na Embrapa

O projeto desenvolvido pelos alunos busca resolver um problema que gera um prejuízo anual de US$ 3,24 bilhões ao Brasil: o carrapato.

Campus do Cefet (Foto João Gabriel Baía Meneghite)
campus Leopoldina do CEFET-MG participou, na última semana do Vacathon, um hackathon rural organizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), para propor soluções digitais para produção de leite. A equipe, composta pelo professor José Geraldo Ribeiro Júnior e Rodrigo Lacerda Sales, e os estudantes Thaís Silva, Stéphane da Silva e Dalila Trindade (Engenharia de Controle e Automação), Douglas Sabino e Gabriel Pereira (curso técnico em Informática), foi premiada na categoria prata.



Como conta o professor José Geraldo, o Vacathon é uma “maratona de programação onde as equipes exploram dados abertos de pesquisas da Embrapa Gado de Leite para desenvolver projetos de software ou hardware”. Durante os cinco dias de evento, os grupos participam de visitas a laticínio, fazenda e aulas com parceiros como Cisco e Microsoft. “A ideia é conhecer mais sobre temáticas relacionadas à produção de leite e criar soluções inovadoras aplicáveis a área com ajuda de quem entende bem do assunto: pesquisadores e produtores de leite”, explica o professor do campus Leopoldina.

O projeto desenvolvido pelos estudantes do CEFET-MG busca resolver um problema que gera um prejuízo anual de US$ 3,24 bilhões ao Brasil: o carrapato. Segundo José Geraldo Júnior, as metodologias de controle ao carrapato são difundidas e já conhecidas, porém pouco aplicadas. “A equipe desenvolveu uma plataforma para agendamento automático das aplicações, de acordo com a região, considerando temperatura, umidade e período de chuva”, detalha. As diferenças são importantes por levar em conta, por exemplo, que “no Sudeste, o problema é o excesso de carrapatos durante todo o ano”, explica o professor. “Já no Sul, o frio intenso em uma época do ano pode diminuir muito o número de carrapatos fazendo com que os bezerros não tenham o contato para gerar a imunidade necessária, resultando em novilhas e vacas suscetíveis a doenças”. O sistema desenvolvido agrega os produtores, veterinários, cooperativas e sindicatos, indústrias e pesquisadores. Seria possível, ainda, que o governo utilizasse os dados numa eventual ação em caso de infestação.

Participaram do Vacathon times de 16 instituições, reunindo estudantes de ciências agrárias e cursos ligados à computação e engenharias, dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Goiás. As atividades foram realizadas em Juiz de Fora e Coronel Pacheco.

Fonte> Secretaria de Comunicação Social / CEFET-MG

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »