31/12/2018 às 11h02min - Atualizada em 01/01/2019 às 11h02min

Apenas uma pergunta: Que fim levou o monumento aos motociclistas em Leopoldina?

Marco histórico de fundação da Rio Bahia foi resgatado na margem de um córrego no bairro Três Cruzes e está sendo restaurado para exposição pública.

Luiz Otávio Meneghite
O monumento ao motociclista foi instalado junto ao Pórtico da Entrada de Leopoldina em 19 de abril de 2008.
Em algum momento de seu mandato, o vereador Ivan Nogueira registrou o roubo do monumento ao motociclista, único do Brasil, que foi instalado junto ao Pórtico da Entrada de Leopoldina, em 19 de abril de 2008. O monumento continua desaparecido e o seu sumiço pode ser creditado a um ato de vandalismo, que segundo os dicionários: “trata-se da destruição ou estrago que, normalmente sem motivo aparente, se faz em bens públicos, monumentos históricos, propriedades privadas etc.: o vandalismo pode ser visto nos principais monumentos da cidade. Ação ou modo de agir dos vândalos, das pessoas que buscam destruir tudo”.


Marco de fundação da Rio Bahia foi resgatado e está sendo restaurado
 

A foto acima, de autor desconhecido, pertencente ao acervo do Jornal Leopoldinense, registra o então Presidente da República Getúlio Vargas, caminhando por um trecho da então BR4(atual BR116) Rio Bahia, em Leopoldina-MG ao lado do antigo Grupo Escolar Ribeiro Junqueira, atual Escola Municipal Ribeiro Junqueira. Segundo os registros da seção Memória Leopoldinense mantida por Luciano Baia Meneghite no Jornal Leopoldinense, transcorria o ano de 1939 e na ocasião foi assentado um marco de granito numa rotatória existente na atual rua José Peres, onde hoje existe um grande painel publicitário em frente à uma revenda de automóveis multimarcas.


 
Também em algum momento de seu mandato, o vereador Ivan Martins Nogueira (PMDB), teve indicação de sua autoria encaminhada ao prefeito José Roberto de Oliveira lembrando que o marco histórico de fundação da Rodovia Rio-Bahia, feito em granito maciço que ficava instalado no canteiro de um pequeno trevo na rua José Peres, desapareceu, tendo sido encontrado mais tarde jogado à margem de um córrego no bairro Três Cruzes.
 
Ainda em 2018, o vereador Sebastião Geraldo Valentim, (Tião Três Cruzes PC do B), também  se manifestou a respeito pedindo providências das autoridades competentes no sentido de recuperá-lo e recolocá-lo no lugar de origem.
 

Marco de fundação da Rio Bahia ficou muitos anos jogado à margem de um córrego no bairro Três Cruzes em Leopoldina, sendo resgatado recentemente para restauração pela Secretaria Municipal de Cultura.
(Foto: Luciano Baía Meneghite)


Segundo apontamentos históricos ele teria sido instalado no local durante visita do ex-presidente Getulio Vargas a Leopoldina no ano de 1939, para inaugurar o trecho da rodovia Rio Bahia. Descobriu-se depois que ele fora retirado de seu local de origem para dar lugar a um painel publicitário com autorização oficial da Prefeitura.
 
Nenhuma preocupação na época com o valor histórico da peça confeccionada em granito. Nenhuma preocupação com o valor econômico com a passagem da Rio Bahia por Leopoldina. Sem a BR116,  talvez Leopoldina nem estivesse mais no mapa. Por pura sorte, o granito não foi danificado com o transporte.
 

A foto acima, foi registrada na década de 1960 e cedida à seção Memória Leopoldinense pelo saudoso funcionário aposentado do Banco do Brasil, Jadir Nogueira, na época estudante do Ginásio Leopoldinense. Jadir aparece ao centro da foto junto a um grupo de alunos em registro feito pelo fotógrafo, Antonio Geraldo Pereira da Silva (Jarbinhas) junto ao marco de inauguração da antiga BR 4(atual BR116), a Rio-Bahia, em frente a antiga revendedora Ford, atual Vila Fonte.


Há poucos dias, por iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura, o granito foi resgatado com o propósito de restaurá-lo e colocá-lo no seu lugar de origem ou em um espaço dentro do Centro Cultural Mauro de Almeida Pereira com a devida identificação histórica.
 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »