06/01/2019 às 11h20min - Atualizada em 07/01/2019 às 11h20min

As obras que Leopoldina quer ver concluídas em 2019 -Capitulo III

Leitor elogia piso em calçada da Rua Barão de Cotegipe e pergunta por obras no outro lado

Edição: Luiz Otávio Meneghite
Operários trabalhando num dos passeios da Cotegipe
Nos Capítulos anteriores da série: As obras que Leopoldina quer ver concluídas em 2019 abordamos, por indicação de leitores, o término da obra do Pronto Socorro Municipal junto à Casa de Caridade Leopoldinense e a efetiva criação do Estacionamento Rotativo nas ruas centrais de Leopoldina, como desejos da população.

Lembramos na abertura do primeiro Capítulo desta série, que a todo momento chegam à redação do Jornal Leopoldinense, mensagens via e-mail’s, facebook e via WhatsApp (32) 9-8868-7125 e contatos pessoais, contendo reivindicações, sugestões e reclamações dos leitores. A maioria vem de pessoas que desejam ver a sua rua, o seu bairro e, enfim, a sua cidade melhor. Para alguns leitores, Leopoldina não precisa de novas obras públicas, bastando concluir o que já foi iniciado e paralisado por razões diversas, a principal delas, a falta de recursos.

Desta feita reproduzimos a mensagem enviada para o WhatsApp ( (32) 9-9968-7125 enviada à redação pelo leitor do Jornal Leopoldinense Online, Rodrigo Henriques, residente em Cataguases, mas freqüentador de Leopoldina, para elogiar as obras feitas no passeio de um dos lados da rua Barão de Cotegipe mas aproveitando para questionar: “Achei bonita a calçada feita e bela a iniciativa de colocar ladrilhos táteis para facilitar a locomoção de deficientes visuais. Porque não colocaram no passeio do outro lado da rua? Será que tem projeto para colocar?”.

O que o jornal apurou a respeito

O jornal Leopoldinense apurou junto a uma fonte da Prefeitura de Leopoldina que a obras foram programadas para serem executadas com recursos próprios do município no valor de R$340.532,54 no prazo de três meses. A Secretaria Municipal de Obras de Leopoldina contratou uma empresa especializada para realizar obras de revitalização das calçadas da rua Barão de Cotegipe, que são pavimentadas com ladrilhos hidráulicos. Com o passar dos anos o piso foi se desgastando e perdendo a uniformidade transformando-se numa verdadeira ‘colcha de retalhos’.

 O projeto de revitalização, já concluído em um dos lados da rua, prevê a renovação total do piso de ladrilhos hidráulicos com implantação de faixas de pedestres, rampas de acessibilidade e a colocação de piso tátil de alerta e direção. Porém, em alguns pontos como no trecho defronte à construção da futura loja do Magazine Luiza, o novo passeio já foi bem danificado devido à movimentação de máquinas, caminhões e equipamentos pesados no local..  O piso tátil é formado por placas de borracha antiderrapantes com superfícies de relevos direcionais regularmente dispostos para orientar pessoas com deficiência visual, facilitando sua locomoção e ampliando suas condições de acesso. O projeto prevê a  utilização de dois tipos de placas: a direcional, com linhas longitudinais em relevo para demarcar a direção e a de alerta, formada por superfície tipo moeda para indicação da mudança de direção. A forma como são dispostas, determina a direção a ser seguida.

A obra contratada foi interrompida devido a crise financeira que assola o país, atingindo em cheio a maioria das Prefeituras, tendo a Administração Municipal optado por cortar gastos priorizando o pagamento do funcionalismo e de suas contas, mantendo suas finanças equilibradas e em dia. Segundo a mesma a fonte, as obras foram concluídas em apenas um dos lados da Barão de Cotegipe e serão retomadas e concluídas, porém sem data determinada para que isso aconteça.

Rua Barão de Cotegipe, a origem

Segundo registros históricos a principal via comercial de Leopoldina, foi aberta há quase 164 anos em 1855, um ano após a emancipação político-administrativa do município, em 27 de abril de 1854, com o nome de rua Municipal. Seu nome atual é uma homenagem ao baiano João Mauricio Wanderley, que foi Ministro da Fazenda na época do Império, quando ganhou o título honorífico de Barão de Cotegipe. De acordo com a sua numeração predial, ela tem inicio na esquina da rua Ribeiro Junqueira, próximo à Praça General Osório e se estende por quase 500 metros  até à rua Lucas Augusto, onde fica localizado o Paço Municipal. Coube ao então Presidente da Câmara Municipal de Leopoldina, Carlos Coimbra da Luz, na chefia do Poder Executivo entre os anos de 1923 e 1936, embelezar a rua dotando-a de iluminação, arborização, calçamento em paralelepípedos e calçadas em ladrilhos hidráulicos. Carlos Luz foi o último Presidente da Câmara de Vereadores a exercer a função de Agente Executivo Municipal e nesta condição rubricou todas as páginas do livro de posse dos prefeitos, em vigência até hoje. Consta como o primeiro a usar o título de prefeito de Leopoldina.

Você pode enviar suas reivindicações, críticas e elogios ao jornal Leopoldinense via WhatsApp (32) 9-8868-7125 ou pelos e-mail’s : gln@leopoldinense.com.br Luc@leopoldinense.com.br ou gln@leopoldinense.com.br

Fonte: Arquivo do Jornal Leopoldinense
 
 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »