19/08/2014 às 14h58min - Atualizada em 19/08/2014 às 14h58min

Pimentel propõe pacto para fortalecer setor sucroalcooleiro

Candidato a governador pela coligação Minas Pra Você apresenta medidas para reestruturar empresas e garantir empregos

Candidato apresenta medidas para reestruturar empresas e garantir empregos.

Belo Horizonte (18 de agosto) - O candidato a governador pela coligação Minas Pra Você, Fernando Pimentel (PT), propôs hoje um pacto para fortalecer o setor sucroalcooleiro do estado, com foco na produção e venda de etanol e manutenção de empregos.

O pacto, segundo o candidato, seria lastreado em um tripé: renegociação das dívidas, principalmente dos pequenos produtores; revisão das alíquotas de ICMS incidentes sobre o setor e modernização das usinas existentes no estado. O setor emprega quase 70 mil pessoas em Minas.

“Minas Gerais é o maior produtor de etanol do Brasil mas, por algum motivo, não é o maior consumidor. O estado é apenas o quinto consumidor de etanol no país. Isso demonstra que há uma incorreção no setor”, frisou.

O candidato se reuniu hoje pela manhã com produtores de etanol e representantes da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig) e recebeu apoio de lideranças do setor.

À vontade entre os empreendedores – ele foi aplaudido em vários momentos – Pimentel disse que vê com bons olhos a redução da alíquota do ICMS sobre o etanol, de 19% para 15%, mas falou que sente certa estranheza em relação à proposta defendida pelo governo do estado de, em contrapartida, aumentar em 2% o tributo sobre a gasolina.

“De certa forma, isso seria dar com uma mão e tirar com a outra. Precisamos estudar outras possibilidades. E talvez possamos ir além. Em São Paulo, o ICMS do etanol é de 12%”, comparou.

O candidato lembrou também que o governo federal está estudando a possibilidade de aumentar a porcentagem de etanol na gasolina vendida comercialmente de 25% para 27,5%.

Presidente do Siamig, o empresário Mário Campos pediu, durante o encontro, a redução da tributação sobre o etanol hidratado e solicitou que o estado compre mais energia produzida pelas usinas do setor. “Atualmente, apenas metade das usinas repassam energia para a Cemig. Além disso, o governo de Minas tem a segunda maior frota de carros do país, mas não consome nosso etanol”, disse.

Saúde e apoios

Antes de se reunir com os empresários, Pimentel voltou a afirmar, em coletiva à imprensa, que Minas vive uma crise grave na área da Saúde, constatação reforçada durante visita a Visconde do Rio Branco (Zona da Mata) no último sábado (16). “Pude constatar, mais uma vez, que a situação é grave”, afirmou.

Para o ex-prefeito de Belo Horizonte, o governo mineiro não entregou os hospitais regionais que tinha prometido e isso comprometeu a rede de hospitais filantrópicos do estado, que não tem apoio do Executivo estadual. “Temos nove hospitais que não foram entregues. E eles são necessários”, disse.

Em Visconde do Rio Branco, Pimentel recebeu apoio à sua candidatura de prefeitos e lideranças de partidos que integram a base de apoio do candidato tucano, Pimenta da Veiga, como DEM, PPS, PTB e PP. Também lideranças do PSB declararam apoio ao ex-prefeito de Belo Horizonte. “Estou feliz. Estamos juntos pelo compromisso por Minas Gerais”, garantiu.

Hoje, antes do encontro com os empresários, o candidato comentou a última pesquisa do Datafolha, que comprovou sua liderança na disputa pelo governo mineiro. Segundo a pesquisa, Pimentel tem  29% das intenções de voto dos mineiros, ante 16% do segundo colocado, Pimenta da Veiga (PSDB).

Quando a pesquisa foca apenas em Belo Horizonte, os resultados são ainda mais expressivos: Pimentel aparece com 43% das intenções de voto, contra 19% do candidato do PSDB.

“É gratificante, mas voltamos a lembrar que pesquisas são retrato do momento. Precisamos continuar trabalhando e ouvindo os mineiros", afirmou.

 

Assessoria de Imprensa do PT-MG


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »