29/04/2021 às 16h58min - Atualizada em 29/04/2021 às 16h58min

Educação realiza carreata nos 167 anos de Leopoldina pela NÃO MUNICIPALIZAÇÃO

Prejuízos para o município vão desde o desemprego de centenas de leopoldinenses hoje lotados em 7 escolas da rede estadual de ensino na cidade e nos distritos

Enviado por Márcia Vaz Barbosa/Jornalista
Carreata circulou por toda cidade no dia dos seus 167 anos , para dizer NÂO A MUNICIPALIZAÇÃO e esclarecer a comunidade escolar as consequências deste Projeto " Mãos Dadas", do Governo do Estado
Vinte e sete de abril foi um dia histórico para a educação de Leopoldina. No dia em que nossa cidade comemora seus 167 de emancipação, foi realizada uma carreata por toda Leopoldina, com o objetivo de sensibilizar o Prefeito a NÃO aceitar a proposta do Governo do Estado , que através do projeto ¨Mãos Dadas¨ propõe a municipalização das matrículas do  ensino fundamental . Segundo a categoria, este aceite representaria desemprego e precarização da educação pública, já que o município não teria condições de absorver esse número de alunos de imediato. Além disso, a carreata objetivou conscientizar a população das consequências negativas deste projeto.

A coordenação do SindUTE tem realizado outros feitos, com o objetivo de mobilizar a classe contra a MUNICIPALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO. Vem realizando lives com a categoria, visitas nas escolas para conversar com os trabalhadores e também   através de áudios veiculados pelo carro de som pelas ruas da cidade.

O SindUTE também levou essa questão para a Câmara de Vereadores no último dia 20, devido a necessidade de diálogo transparente entre a comunidade escolar e os profissionais da educação em relação à proposta do projeto do Governo . O SindUTE  ressaltou, na Câmara, que nesse momento de pandemia fica inviável reunir a comunidade escolar e os profissionais da educação para uma decisão coerente. Existe ainda, a preocupação em relação aos servidores estaduais, que seriam alocados no quadro da Prefeitura durante um ano e que depois disso fica sem lotação. Além disso, outro fato preocupante apontado é como o município vai adequar seu orçamento com as novas despesas   desse processo.
 

SindUTE se reune com a SRE Leopoldina para saber informações sobre o  Projeto " Mãos Dadas". Na foto Ana Paula e Sidilúcio da SRE, explicam como está sendo a dinâmica do Projeto município. Segundo a Ana Paula Ferreira Dias, Diretora da Superintendência  de Ensino de Leopoldina, esse processo se dará durante todo este ano, mas se houver a adesão, só iniciará com a mudança de Estado para Município no próximo ano.

 
Segundo o SindUTE ,será encaminhado um manifesto ao Prefeito Municipal, com assinaturas da comunidade escolar e segmentos da sociedade . Neste manifesto, além de outras questões,  contém este esclarecimento: No caso em particular de Leopoldina a confirmação a municipalização da educação por parte do poder Executivo Municipal trará vários prejuízos sociais, econômicos e pedagógicos para Leopoldina e Região como:

- desemprego de centenas de trabalhadores e trabalhadores em educação. Leopoldina tem aproximadamente 480 servidores contratados nas escolas estaduais e que grande parte ficarão sem empregos;

- todos as ASBs( Auxiliares de serviços Gerais ) nas escolas estaduais são contratadas, e com certeza poderão perder seus empregos ;

- os professores contratados nas escolas municipais também perderiam seus empregos , ora visto que o projeto “ Minas de Mãos Dadas” do Governo Estadual , colocaria os professores das escolas municipalizadas em “ Adjunção “ nas escolas municipais , tirando assim os empregos dos contratados nas escolas municipais;

- aumentando assim o número de trabalhadores desempregados em Leopoldina , que já é insuportável , aprofundando assim a desigualdade social;

- lembramos também que os servidores do Estado possuem um plano de saúde “ IPSEMG” forçando assim uma demanda maior para a rede SUS ;

- vários consultórios médicos, laboratórios, clínicas médicas, hospital e profissionais liberais que possuem convênios com o IPSEMG perderiam um número grande de cliente e pacientes.

As escolas alvos do processo de municipalização, são as escolas, a princípio, de anos iniciais:

E.E Omar Rezende Peres, EE Augusto dos Anjos , E.E Enéas França , E.E Justiniano Fonseca ( Tebas) , E.E Marco Aurélio Monteiro de Barros ( Providência ), EE Dr. Pompílio Guimarães ( Piacatuba) é E.E Sebastião Medeiros ( Ribeiro Junqueira).

Podemos levar em consideração, se caso a municipalização se concretize, a existência da Superintendência de Ensino em Leopoldina poderia vir a ser inviável, num futuro bem próximo.

Com esse quadro podemos reafirmar com muita convicção que as perdas serão trágicas ao longo dos anos, com uma forte demanda social , econômica e educacional . As vantagens que o projeto “ Mãos Dadas “ oferece  para o munícipio será insuficiente para demandar o aumento de gastos com educação, pois aumentará consideravelmente com o acolhimento de um número muito alto de alunos na rede municipal, e diminuindo a renda per capita de Leopoldina , devido ao aumento do desemprego e assim, diminuindo o consumo das famílias e que por sua vez,diminui a arrecadação de tributos por parte do poder público.’

O SindUTE , dando continuidade à  luta pela classe, volta no dia 28 na Câmara Municipal,  e continua na tentativa de conversar com o prefeito e a secretaria de educação.

Fonte:  Diretoria do SindUTE – Subsede Leopoldina

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »