26/03/2015 às 11h31min - Atualizada em 26/03/2015 às 11h31min

Morre Jorge Loredo, intérprete do 'Zé Bonitinho', aos 89 anos

Ator estava internado na UTI desde o dia 3 de fevereiro em um hospital na Zona Sul do Rio

O Dia
Humorista Jorge Loredo morreu aos 89 anos em hospital na Zona Sul do Rio Foto: Divulgação

 Rio - O ator Jorge Loredo morreu por volta das 5h desta quinta-feira, aos 89 anos. O intérprete do icônico personagem Zé Bonitinho estava internado em estado grave no hospital São Lucas, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, desde o último dia 3 de fevereiro. 

Loredo lutava há anos contra uma Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) grave e um Enfisema Pulmonar e, apesar de todos os esforços terapêuticos, não resistiu. Nesta madrugada ele sofreu falência múltipla de órgãos.

Obituário

Jorge Loredo nasceu em 7 de maio de 1925. Ele passou toda a sua infância e juventude em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Sua adolescência foi marcada por doenças graves. Aos 12 anos ele teve osteomelite na perna e sofria de fortes dores contantemente. Aos 20, contraiu uma tuberculose e foi internado em um sanatório, situação que acabou por lhe abrir as portas para a carreira. Incentivado pelos médicos, participou de um grupo teatral no hospital e descobriu sua vocação para atuar. 

O personagem 'Zé Bonitinho' foi criado há 55 anos por Loredo. O humorista disse que a inspiração do galã que se autoproclama "o perigote das mulheres" veio de um amigo que era metido a conquistador. O personagem que se achava o rei das mulheres era presença constante no extinto programa "A praça e nossa", do SBT, mas sua estrei foi em 1960, no programa  “Noites Cariocas”, exibido pela extinta TV Rio, com os primeiros textos escritos por Chico Anysio.

Os bordões do personagem conquistador: "Câmera, close; microfone, please", ou "Garotas do meu Brasil varonil: vou dar a vocês um tostão da minha voz!", definitivamente ficaram marcados nas mentes dos brasileiros. 

No final dos anos 50, o ator já estava famoso intepretando o mendigo filósfo na TV Rio no programa "Rio cinco para as cinco". Na “A praça é nossa”, com Manoel de Nóbrega a quem o mendigo se apresentava com o bordão "Como vai, meu nobre colega?". O figurino do mendigo era de um verdadeiro aristocrata: fraque e cartola bem esfarrapados, monóculo e luvas. 

O personagem surgiu por ideia de sua mãe, que na infância conhecera um mendigo elegante que ia à sua casa pedir comida, mas queria uma mesa montada na garagem com toalha de renda e tudo.

O mendigo filósofo fez tanto sucesso que Loredo teve como padrinho de casamento o ex-presidente Juscelino Kubistcheck. O que lhe valeu um bordão famoso. Ele terminava o quadro do mendigo dizendo: “Agora vou encontrar com aquele menino, o Juscelino...”.

Além desses dois, outros personagens foram criados pelo talentoso artista: um italiano que não podia ver televisão porque queria quebrá-la, o profeta Saravabatana que andava com uma cobra que dava consultas a mulheres, e o professor de português que tinha a voz do Ary Barroso.

 
  •  

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »