31/08/2016 às 16h54min - Atualizada em 31/08/2016 às 17h08min

Dilma: 'Nada nos fará recuar. Não direi adeus'

Em discurso na Alvorada após a cassação de seu mandato pelo Senado, Dilma afirma que as forças progressistas devem se unir e que governo Temer encontrará

Rede Brasil Atual
Dilma Rousseff faz pronunciamento à imprensa no Palácio da Alvorada, após resultado da sessão do impeachment no Senado.(Pedro Ladeira/Folhapress)

São Paulo – A presidenta eleita Dilma Rousseff fez hoje (31) seu último discurso no Palácio da Alvorada. Mesmo após a derrota política no Senado, que aprovou a cassação de seu mandato por 61 votos a 20, o tom do discurso foi de esperança. “A descrença e a mágoa são péssimas conselheiras. Não desistam da luta. Eles pensam que venceram, mas estão enganados. Sei que vamos lutar. Haverá contra eles a mais firme oposição que um governo golpista pode sofrer”, disse. "É uma fraude contra a qual vamos recorrer em todas as instâncias", avisou.

Dilma reafirmou que seu vice, Michel Temer (PMDB), agora efetivado como chefe do Executivo, “não ascendeu ao poder pelo voto direto”, e que as forças que agora comandam o país “apropriaram-se do poder por meio de um golpe de estado, uma inequívoca eleição indireta, onde 61 senadores substituíram a vontade de 54 milhões de votos (…) E esse golpe não foi cometido apenas contra mim, este foi apenas o começo. O golpe vai atingir qualquer organização política progressista e democrática”, disse.

A presidenta eleita relembrou que este é o segundo golpe vivido por ela, sendo que o primeiro levou o país à ditadura civil militar (1964-1985). “O primeiro foi baseado na truculência das armas e me atingiu quando era uma jovem militante. Este segundo foi decretado por meio de uma farsa jurídica que me derruba da presidência (…) O projeto nacional progressista que represento está sendo interrompido por uma poderosa força reacionária com apoio de uma imprensa facciosa. Vão nos colocar nas mãos do imperialismo e do retrocesso social”, disse.

“Acabam de derrubar a primeira mulher presidenta, sem nenhuma justificativa para isso”, disse, engrossando o discurso de que o golpe possui características conservadoras preconceituosas. “O golpe é misógino, homofóbico e machista. Eles estão impondo a cultura da intolerância, do preconceito e da violência. Falo isso aos brasileiros que durante meu governo superaram a miséria, realizaram o sonho da casa própria, entraram na universidade e deixaram de ser invisíveis aos olhos da nação”.

União e regresso

“As futuras gerações saberão que a primeira vez que uma mulher assumiu a presidência, o machismo mostrou suas veias. Mas nada nos fará recuar. Não direi adeus, e sim até daqui a pouco. Eu, a partir de agora, lutarei incansavelmente para continuar a construir um país melhor”, afirmou Dilma. Para ela, a interrupção do processo de inclusão, iniciada em 2003 com o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não é definitiva.

“Eu e Lula cantamos que ninguém deveria ter medo de ter esperança. Por mais de 13 anos realizamos com sucesso um projeto que promoveu a maior inclusão social e redução de desigualdades da história deste país. Não voltaremos para satisfazer nossos desejos ou vaidades. Voltaremos para continuar nossa jornada rumo à um Brasil onde o povo é soberano”, continuou.

Para tal regresso, a presidenta eleita afirmou esperar que  a união dos movimentos progressistas. "Para juntos lutar contra o retrocesso, contra a extinção de direitos, contra a agenda conservadora, pelo estabelecimento pleno da democracia. Saio da presidência como entrei, sem ter traído o Brasil”, disse, acrescentando: “Tenho certeza que outros virão em um futuro com um papel baseado na eleição direta. Um carinhoso abraço ao povo brasileiro, a todos aqueles que compartilham a crença na democracia e na esperança”, concluiu Dilma.

Pronunciamento após consumação do Golpe por DilmaRousseff

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »